16 de nov de 2016

Teste da Mercedes-Benz C180 Estate

Teste da Mercedes-Benz C180 Estate

Se existe um tipo de carro que praticamente desapareceu das ruas brasileiras são as station wagons. A ascensão do segmento de SUVs praticamente extinguiu esse tipo de veículo. No entanto, ainda existem raros remanescentes. É o caso da Mercedes-Benz Classe C180 Estate Avantgarde. Baseada na variante de entrada do sedã Classe C, a versão perua é praticamente idêntica ao sedã, com mudanças perceptíveis somente a partir da porta traseira.

Leia também:
  • Teste do Mercedes-Benz C180
O design é harmônico. A diferença mesmo fica na traseira, que agora traz opulentas e enormes lanternas horizontais, ao contrário das verticais da geração anterior, e avançam pela tampa do porta-malas. O interior é idêntico ao do sedã, inclusive a inusitada central multimídia semelhante a um tablet de sete polegadas, que fica pendurada no painel e destoa do conjunto e sobriedade alemã.

Única versão disponível, a C180 Estate Avantgarde utiliza o já conhecido motor 1.6 turbo da Mercedes. Rende 156 cv e 25,5 kgfm de torque, sempre abastecido com gasolina. A lista de itens de série, mesmo se tratando de uma versão “de entrada”, é extensa. São sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um de joelho para o motorista), controle eletrônico de estabilidade e controle de tração, freios com sistema antitravamento e distribuição eletrônica de frenagem, transmissão automática de sete velocidades, direção elétrica, ar-condicionado digital de duas zonas, sensores de estacionamento traseiros, câmara de ré e controle de velocidade. O modelo não tem opcionais.

O Classe C, mesmo com a forte retração que o mercado passa, emplacou 2.291 unidades em 2016, uma média de 229 vendas mensais, números mais altos que outros sedãs mais baratos. A versão Estate, no entanto, por sua baixa procura, é limitada a 200 unidades por ano, ao custo de R$ 185.900. O preço alto é, sem dúvidas, um de seus principais problemas. Sua principal concorrente acabou de desembarcar em nova geração no Brasil. O Audi A4 Avant custa R$ 187.900, mas é mais moderno, equipado e potente, com motor 2.0 turbo de 190 cv. Dentro da própria marca alemã, a versão Estate custa R$ 19 mil a mais que a variante sedã – por 1 cm extra no comprimento da carroceria e 10 litros no bagageiro – e R$ 7 mil a mais que o GLA 200 intermediário, que utiliza o mesmo motor e tem aparência de utilitário esportivo. Resta ao C180 Estate o público que preza pela dirigibilidade de um sedã e necessita de um espaço grande para as malas. E que não se deixe seduzir pelos cada vez mais badalados SUVs.

Ponto a ponto

Desempenho – O funcionamento do motor 1.6 turbo de 156 cv da perua não impressiona. Não há falta e nem sobra, o desempenho é justo. O torque máximo de 25,5 kgfm fica disponível entre 1.200 e 4 mil rpm e ajuda a empurrar o modelo quando se está carregado. A transmissão 7GTronic Plus, de sete marchas, entrega trocas rápidas e no tempo correto. Nota 8. Estabilidade – Um carro com vocação familiar não pode ser instável. O Classe C Estate encara curvas sem se abalar, com uma precisão interessante. A tração traseira, a boa rigidez torcional do conjunto e a direção precisa tornam o C Estate um carro bastante prazeroso de se dirigir. Quando se vai além do limite, os sistemas eletrônicos mantêm a segurança. Nota 9. Interatividade – Talvez possa ser considerada o “calcanhar de Aquiles” da perua. O painel é completo e os instrumentos são fáceis de ler. Já a tela multimídia de 7 polegadas mais parece um tablet e destoa do visual. Seu funcionamento é um tanto confuso. A haste para acionamento do câmbio se localiza no local habitual do comando do limpador de para-brisa. É necessária pratica para ser corretamente acionada sem a necessidade de olhar. Nota 7.

Consumo – O Classe C Estate passou pelo teste do Inmetro. Obteve média de 10 km/l em ciclo urbano e de 13,6 km/l na estrada com consumo energético de 1,93 MJ/km. Na sua categoria, alcançou nota A entre seus concorrentes e no geral B. Nota 8Conforto – O Classe C Estate é um veículo com rodar suave, como a variante sedã. A suspensão fornece boa absorção de impactos. Os bancos de couro são confortáveis e aconchegantes. O espaço interno carrega cinco pessoas com conforto. Nota 8. Tecnologia – Mesmo sendo baseado na versão de entrada do sedã, o C180 Estate traz sistema start/stop – que desativa o motor quando o carro está parado para economizar combustível –, a direção eletromecânica, central multimídia, Bluetooth, GPS e entradas auxiliar e USB, cinco programas de condução, sensores de chuva, crepuscular e de monitoramento pressão dos pneus e faróis com leds diurnos. Nota 8.

Habitabilidade – No interior existem diversos espaços para guardar objetos. O enorme porta-malas leva de 490 litros a 1.510 litros. A bagagem de toda a família e ainda sobra espaço. Os acessos pelas portas dianteiras e traseiras são fáceis e não é difícil achar uma posição cômoda nos bancos. Nota 9. Acabamento – O acabamento segue o padrão Mercedes-Benz. Sofisticado e bonito, não há economia em matérias nobres como couro ou alumínio no console. Os plásticos são de toque macio e o acabamento não apresenta nenhuma falha de montagem. Nota 9. Design – Os vincos frontais e laterais dão ao modelo um ar contemporâneo e dinâmico. A traseira traz lanternas enormes e não tão harmoniosas quanto na geração anterior. Por dentro, os revestimentos são elegantes e o aspecto geral transmite percepção de qualidade e requinte. O console central tem linhas fluídas. A tela de 7 polegadas que faz a vez de central multimídia destoa e parece improvisada. Nota 6.
Custo/benefício – Disponível em uma só versão, o Classe C Estate custa R$ 185.900. Em comparação com seu concorrente direto, o recém-lançado Audi A4 Avant, é R$ 2 mil mais barato. O concorrente alemão, no entanto, traz motor 2.0 turbo de 190 cv e um sistema multimídia dos mais modernos do mercado. Nota 5. Total – O Classe C180 Estate obteve 77 pontos dos 100 possíveis

Impressões ao dirigir

Tradição de família

A Classe C Estate se mostrou muito rápida, confiável e segura durante os testes. A boa plataforma em que é baseada ajuda nesse ponto, visto que não é fácil atingir os limites do modelo. Por se tratar de um carro com intuito de levar a família e suas bagagens, o C180 Estate se sai bem na tarefa. Três passageiros viajam no banco de trás com conforto e o espaço para as malas é gigante. Seu pecado capital é não ter um sistema de entretenimento mais atraente e moderno, visto que ajudaria em viagens mais longas, principalmente com crianças.
Dinamicamente os 156 cv dão conta do recado. Não há esportividade, mas o motor 1.6 auxiliado do turbo é suficiente para movimentar os 1.500 kg do modelo. A direção é precisa e impressiona por se tratar de um carro família. O comportamento da suspensão prioriza o conforto, mas não prejudica em nada o desempenho em curvas. Para se achar o limite é necessário muito empenho e um pouco de agressividade na direção. Mesmo assim, ao atingi-lo, o controle de estabilidade está sempre alerta para segurar o carro.
Há opção de modos diferentes de condução, que alteram o comportamento do carro. No Eco, o C180 State fica tranquilizado, com respostas de acelerador e direção mais lentas e com foco no consumo de combustível. No outro extremo, o Sport Plus altera todos os parâmetros com foco na esportividade. A direção é mais direta e firme. O pedal de acelerador fica afiado e as trocas de marcha acontecem no limite do corte de giro. A transmissão automática de sete marchas executa seu trabalho com perfeição, com trocas rápidas e quase imperceptíveis. O segmento de station wagons sofre com a concorrência dos utilitários esportivos. No Classe C Estate, o preço de R$ 185.900 é equivalente ao de um SUV grande, que une o espaço com o status aventureiro que o consumidor brasileiro tanto cobiça.    

Ficha técnica

Mercedes-Benz C180 Estate Avantgarde

Motor: Gasolina, dianteiro, 1.595 cm³, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, turbo, comando duplo no cabeçote e duplo comando variável de válvulas. Acelerador eletrônico e injeção direta.
Transmissão: Automática com sete marchas à frente e uma a ré. Tração traseira. Oferece controle de tração.
Potência: 156 cv em 5.300 rpm.
Torque: 25,5 kgfm entre 1.200 e 4 mil rpm.
Aceleração de zero a 100 km/h: 8,7 segundos.
Velocidade máxima: 223 km/h.
Diâmetro e curso: Não informado.
Taxa de compressão: 10,3:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo four-link, com barra estabilizadora e traseira do tipo multilink com subchassi em alumínio e barra estabilizadora. Amortecedores a ar nas quatro rodas controlados eletronicamente e controle automático de rigidez e altura.
Peso: 1.500 kg.
Pneus: 205/60 R16.
Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. ABS de série.
Carroceria: Perua em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,70 metros de comprimento, 1,81 m de largura, 1,45 m de altura e 2,84 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cortina de série.
Capacidade do porta-malas: de 490 até 1.510 litros.
Tanque de combustível: 66 litros.
Produção: Bremen, Alemanha. 
Preço no Brasil: R$ 185.900.

Autor: Fabio Perrotta Junior (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/CZN

Familiar “vintage” - Mercedes-Benz Classe C180 Estate tenta vingar em um segmento engolido pela ascensão dos utilitários esportivos

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 15 Nov 2016 14:45:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário