23 de nov de 2016

Primeiras impressões do Jeep Renegade Limited

Primeiras impressões do Jeep Renegade Limited

Os SUVs no Brasil até parecem à prova de crises. Mas isso não quer dizer que todos os modelos do segmento estão a salvo. Cada uma das marcas que atua no país quer tirar uma casquinha desse mercado. Por isso, não surpreende que a Fiat Chrysler Automobiles, FCA, resolva fazer pequenas evoluções no seu representante, o Jeep Renegade, pouco mais de um ano e meio após seu lançamento. A primeira delas é no motor Etorq 1.8 flex, que foi recalibrado e ganhou coletor de admissão variável para render 7 cv e 0,2 kgfm a mais – agora ele chega a 139 cv e 19,3 kgfm, sempre com etanol. A marca diz que ao objetivo era que o modelo passasse a ter uma curva de torque com crescimento mais homogêneo, com acelerações mais progressivas e sem “buracos”.

Leia também:
  • Teste do Jeep Renegade Longitude 4x4
  • Teste do Jeep Renegade Sport 1.8 Flex
  • Teste do Jeep Renegade Trailhawk
A outra mudança é no line up do modelo. Até agora, a versão flex só dispunha da versão de entrada 1.8, enquanto a Sport fazia o papel de intermediária. A Longitude era a top com motor flex e intermediária na diesel, que tinha a Trailhawk como topo de gama. Agora a Jeep criou uma configuração equivalente à Trailhawk com motorização flex, a Limited. Nada mais natural, já que as versões como propulsor flex representam três de cada quatro unidades do Renegade vendidas.

A Limited se diferencia externamente pela grade em prata acetinado com molduras cromadas nas aberturas. Capas de retrovisores e barras no teto também são pintadas de prata, enquanto o teto em si é pintado de preto. A versão custa R$ 97.900, exatos R$ 7 mil a mais que a Longitude – que, por sua vez, aumentou em R$ 500 em relação à linha 2016. A Limited traz a mais equipamentos como bancos de couro, chave presencial, quadro de instrumentos com tela de TFT de 7 polegadas, faróis de xenônio, sensores de faróis e de chuva, rebatimento elétrico dos retrovisores externos e espelho interno eletrocrômico. O teto panorâmico passa a ser opcional tanto na Longitude quanto na Limited e acrescenta R$ 6.800 à fatura.

Segundo a Jeep, as alterações no propulsor em si já ajudariam o Renegade a ser mais econômico. Só que agora ele passa a contar com start/stop, o que resulta numa economia de até 10% – caso o uso do veículo seja intensamente em trânsito urbano. O motor ganhou ainda um sistema eletrônico de partida a frio traz, que aquece o combustível dentro do tubo distribuidor sempre que a temperatura esteja inferior a 16°C e o tanque contenha mais de 70% de etanol.

Primeiras impressões

Florianóplis/SC – O Jeep Renegade é um carro bonito, bom de dirigir e confortável. E os 5% a mais de potência foram muito bem-vindos na versão flex. Mas não chegam a alterar o comportamento do SUV compacto. Mesmo com 139 cv, a relação peso/potência do modelo não é das mais entusiasmantes. A personalidade do Renegade, inegavelmente, combina melhor com a motorização diesel, que tem muita força e não inspira uma condução mais esportiva. O problema é que custa R$ 30 mil a mais com o mesmo conteúdo. Na versão Limited testada, cada cv tinha de se incumbir de carregar 10,8 kg. As acelerações até ficaram mais progressivas, mas não chegaram a se tornar exatamente vigorosas.

Graças principalmente ao bom torque de 19,3 kgfm e ao entrosamento entre motor e câmbio, o Renegade encara subidas sem explicitar qualquer esforço. O bom escalonamento do câmbio, com as marchas baixas bem curtas – a primeira é mais reduzida que a ré, por exemplo –, também proporciona arrancadas bem aceitáveis. De qualquer forma, a nova versão Limited “democratiza” os bons recursos que o Renegade dispõe. Estão lá sensores, câmara de ré, ar-condicionado duplo, assistentes dinâmicos, como hill assist, controle de tração, estabilidade, etc. O interior tem acabamento extremamente bem cuidado e de muito bom gosto e os materiais de revestimento são agradáveis de se conviver. É só questão de extrair o que o Renegade tem de bom.

Ficha técnica 

Jeep Renegade Limited 1.8 flex

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.747 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico. Sistema start/stop.
Transmissão: Câmbio automático de seis marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Oferece controle de tração. 
Potência: 135 cv com gasolina e 139 cv com etanol a 5.750 rpm. 
Torque máximo: 18,7 kgfm com gasolina e 19,3 kgfm com etanol a 3.750 rpm. 
Aceleração 0-100 km/h: 11,1 segundos. 
Velocidade máxima: 182 km/h. 
Diâmetro e curso: 80,5 mm x 85,8 mm. 
Taxa de compressão: 12,5:1. 
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, braços oscilantes inferiores com geometria triangular e barra estabilizadora, amortecedores hidráulicos e pressurizados e molas helicoidais. Traseira independente do tipo McPherson, links transversais/laterais, barra estabilizadora, amortecedores, hidráulicos e pressurizados e molas helicoidais. Controle eletrônico de estabilidade e sistema anticapotamento. 
Pneus: 225/55 R18. 
Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. Oferece ABS com EBD e assistente de partida em rampas. 
Carroceria: Utilitário compacto em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. 4,23 metros de comprimento, 1,80 m de largura, 1,66 m de altura e 2,57 m de entre-eixos. Airbags frontais de série. 
Peso: 1.502 kg. 
Capacidade do porta-malas: 273 litros (1.300 litros com bancos rebatidos).
Tanque de combustível: 60 litros. 
Lançamento mundial: 2014.
Lançamento no Brasil: 2015. 
Produção: Goiana, Pernambuco. 
Preço: R$ 97.990.
Itens de série: Airbags dianteiros, controle de cruzeiro, sensor de estacionamento traseiro, controle de estabilidade, faróis e lanterna traseira de neblina, freio de estacionamento elétrico, trio elétrico, alarme, chave presencial, volante multifuncional, controle eletrônico anticapotamento, controle de estabilidade para trailer, controle de tração, assistente de partida em subidas, sistema Isofix para fixação de assentos infantis, ar-condicionado automático dual zone, câmara de ré, banco do passageiro dianteiro rebatível, sistema de entretenimento com GPS, tela de 5 polegadas, rodas em liga de 18, bancos em couro, painel de instrumentos de 7 polegadas com tecnologia TFT, acendimento automático dos faróis, sensor de chuva, retrovisor interno eletrocrômico, retrovisores externos com rebatimento elétrico, sistema de monitoramento de pressão dos pneus e faróis de xênon.
Opcionais: Pintura metálica, detector de pontos cegos, sistema de áudio com tela 6,5"’ touchscreen. Bluetooth, USB e sistema de reconhecimento de voz com GPS, airbags laterais, de cortina e de joelhos para o motorista e teto solar panorâmico. 
Preço completo: R$ 114.340.

Autor: Eduardo Rocha (Auto Press)
Fotos: Eduardo Rocha/CZN e Divulgação

Sintonia fina - Jeep Renegade Flex passa por alterações no motor e ganha nova versão topo de linha Limited

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 23 Nov 2016 14:00:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário