31 de ago de 2016

Teste do Jaguar F-Pace no Brasil

Teste do Jaguar F-Pace no Brasil

A Jaguar tinha à disposição a tecnologia de construção de utilitários da Land Rover em um momento que sua imagem estava fortemente revigorada pelo sucesso do F-Type. Não tinha porque esperar. O F-Pace era o passo natural para que a aristocrática marca inglesa entrasse no crescente mercado de utilitários esportivos. Na verdade, mais esportivo que utilitário. O SUV britânico desembarca no Brasil apenas cinco meses depois de seu lançamento na Europa. Os preços ficam entre os R$ 309 mil e os R$ 409 mil. Justamente por atuar em uma faixa de preço tão restritiva, a JLR – Jaguar Land Rover – prefere não fazer previsões oficiais de venda. Mas a esperança é que chegue perto de 500 unidades por ano, o que, guardadas as devidas proporções, faria o F-Pace ser o que o Evoque foi para a Land Rover. Veja também:
  • Jaguar F-Pace ganha apresentação em Balneário de Camboriú
  • Jaguar F-Pace ganha novo motor na Índia
O F-Pace tem todos os ingredientes necessários para fazer sucesso no mercado de carros de luxo. O design mantém a personalidade da marca, que mistura requinte e esportividade, e adiciona uma pitada de robustez, pela frente e traseira franchadas. O conteúdo é bastante tecnológico e vai ficando mais sofisticado conforme as versões se sucedem. Mas desde o modelo de entrada, o F-Pace chega com tração integral com controle eletrônico, câmbio sequencial de oito marchas com borboletas no volante, interior com revestimento em couro e teto solar panorâmico, entre outros.

O SUV da Jaguar em três versões que cumprem duas funções bastante distintas. A de entrada, Prestige, é animada por um propulsor turbodiesel de 180 cv de potência e 43,9 kgfm de torque, que estreia agora no Brasil. Esta versão, que custa R$ 309.700 sem opcionais, traz painel de instrumentos analógico, faróis bixênon, bancos com ajuste elétrico, ar-condicionado bizone, GPS e rodas aro 18.  A intermediária R-Sport acrescenta exatos R$ 51.200 à conta. Ela é movida por um V6 com compressor mecânico de 340 cv com torque de 45,9 kgfm. Nessa configuração, o F-Pace começa a mostrar as garras. Faz de zero a 100 km/h em 5,8 segundos, bate os 250 km/h e traz diversos recursos adicionais. O painel passa a ser virtual em uma tela de 12,3 polegadas, o som é da Meridian com 380 W, os faróis são em led, recebe um kit aerodinâmico e tem rodas aro 20.

Por fim, a versão de topo, S, chega com o mesmo propulsor V6 com um acerto mais agressivo, que eleva a potência a 380 cv, mas mantém o torque em 45,9 kgfm. O verdadeiro ganho da S é no requinte. Os materiais usados no revestimento ficam mais sofisticados – o teto, por exemplo, é em Alcântara –, conta com head up display colorido, som de 825 W da Meridian e ganha controle dinâmico adaptativo com amortecedores ativos. O preço, de R$ 406.300, expressa o nível de exclusividade desse F-Pace.

Ponto a ponto

Desempenho – Dependendo da motorização, a personalidade do F-Pace se modifica totalmente. Com o propulsor diesel, de 180 cv, o SUV britânico fica mais aristocrático: tem força de sobra para as acelerações e retomadas, mas não instiga uma condução esportiva nem alcança velocidades estonteantes. Com motor V6, ele fica mais selvagem, com uma dinâmica que o  aproxima dos outros modelos da Jaguar. As respostas ao acelerador são fortes e o ronco rouco do motor invade o habitáculo de forma bem instigante. Entre as versões R-Sport e S, a maior diferença fica mesmo no nível de assistência dinâmica. Nota 9. Estabilidade – Apesar de grandalhão, o F-Pace pesa quase o mesmo que um sedã com dimensões semelhantes, a distribuição de peso entre os eixos é equilibrada e a estrutura com 80% em alumínio dá uma rigidez torcional bem acentuada. Fora disso, ele conta com pneus bem generosos, de 255 mm de largura, e traz todas as salva-guardas eletrônicas para exibir uma neutralidade dinâmica admirável. E a versão S ainda conta com amortecedores ativos, que reagem às solicitações da carroceria e do piso. Praticamente não rola nas curvas nem exige correções nas retas. Nota 10.

Interatividade – É preciso dedicar algum tempo apenas para tomar contato com todos os recursos disponíveis no utilitário esportivo da Jaguar. Mas todo o sistema é bem amigável, com comandos intuitivos e lógicos. Nas versões mais completas, é possível configurar desde detalhes como a cor da luz ambiente até a maneira do F-Pace se comportar em movimento. Nota 10. Consumo – Embora esta não seja realmente uma preocupação que tire o sono de quem adquire um veículo desse nível, a Jaguar tem de responder às exigências de emissões. No Brasil, o F-Pace ainda não tem os números do InMetro, mas o motor V6 de 380 cv aplicado ao sedã XF, que tem peso semelhante, alcançou médias de 6,6 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada, com índice F. Nas instituições europeias de controle de consumo, os números do F-Pace a gasolina foram muito melhores – assim como o combustível utilizado. Chegou a 8,2 e 14,1 km/l na cidade e na estrada. E o modelo diesel tem por lá números assombrosos: 16,1 km/l na cidade e 21,1 km/l na estrada. Nota 7.

Conforto – O rodar do F-Pace é muito prazeroso e os bancos têm ergonomia perfeita e os apoios de braços dianteiro e traseiro os fazem parecer poltronas – isso, claro, com quatro passageiros. A suspensão filtra perfeitamente as irregularidades e os ruídos, tanto de pneus quanto aerodinâmicos, são totalmente bloqueados. A própria arquitetura do modelo favorece o espaço interno, com espaço amplo para cabeça e pernas – sensação que é ainda aumentada pelo teto solar panorâmico. Nota 10Tecnologia – Desde os modelos iniciais, o conteúdo do F-Pace é de alto nível. E vai se elevando na proporção que sobe na escala de versões. Aí estão incluídos o sistema de som, os paineis de instrumentos em TFT e os diversos equipamentos de conforto. A plataforma do SUV inglês é a recente iQ, baseada em alumínio, a mesma dos sedãs XE e XF lançados em 2015. O sistema de tração é o da tarimbadíssima Land Rover com ajustes para assumir uma personalidade mais agressiva, como a marca Jaguar exige. O motor a gasolina, de origem Ford ,não é dos mais novos, mas ainda é eficiente. Já o motor diesel, que sai da nova fábrica do grupo Jaguar Land Rover em Wolverhampton, na Inglaterra, é bem moderno. Nota 9.

Habitabilidade – Boa parte do sucesso dos utilitários esportivos se explica pela vida a bordo. Há uma área generosa para os passageiros, muitos porta-objetos, facilidade de acesso e um porta-mala que aceita até algumas extravagâncias. O F-Pace junta tudo isso a luxo e requinte. Nota 10. Acabamento – O nível de detalhamento dos acabamentos do modelo inglês é impressionante. A mistura de elementos é de extremo bom gosto e os materiais de revestimentos são bastante requintados. Todas as áreas suscetíveis ao toque são macias e a montagem dos paineis exibe um padrão de qualidade realmente alto. Nota 10.
Design – A partir do sucesso do esportivo F-Type, a Jaguar aparentemente assumiu a obrigação de, pelo menos, fugir do lugar-comum. E foi muito bem sucedida no F-Pace. As colunas dianteiras e traseiras são muito inclinadas e dão um ar muito esportivo ao modelo. Essa sensação é reforçada pela valorização das linhas horizontais, que fazem o carro parecer mais largo e mais baixo do que é. Por outro lado, os cortes abruptos na frente e na traseira dão uma ideia de robustez. Vários detalhes, como as lanternas traseiras, remetem ao esportivo, mas não houve exageros nessas referências. Nota 9Custo/benefício – O F-Pace atua em uma faixa de preço bem alta. O SUV inglês fica entre R$ 310 mil e R$ 410 mil. São preços semelhantes aos do principal rival, o Porsche Macan, que é um pouco menor de tamanho e fica entre R$ 320 mil e R$ 410 mil. Nessa faixa de preços, porém, há vários competidores, como as versões superiores do Audi Q5, a Mercedes-Benz GLE 350 diesel e a BMW X5 3.0d Full. Apesar de caro, o modelo da Jaguar não está fora da curva. Nota 5.
Total – O F-Pace somou 89 de 100 pontos possíveis. 

Primeiras Impressões

Brumadinho/MG – A vocação do F-Pace depende diretamente do que está sob o capô. Em qualquer versão, o utilitário mantém sempre ativa a ideia de requinte que caracteriza a marca, mas se o propulsor for a diesel, o comportamento é mais contido. Apesar de ser um 2.0, em nenhum momento falta força ou potência para empurrar os cerca de 1.800 quilos do SUV. Ainda mais porque o câmbio de oito marchas e o sistema de tração integral, que funciona sob demanda, exploram com muita eficiência os 180 cv e, principalmente, os 43,9 kgfm de torque do modelo.
A segunda personalidade aparece com o motor V6 Supercharged, que pode ter 340 ou 380 cv, mas sempre com torque de 45,9 kgfm. Nesta composição, o F-Pace exibe um lado mais selvagem, com direito a ronco esportivo e aceleração de fazer o corpo colar no encosto dos bancos esportivos. Com a motorização mais forte, há um arsenal maior de assistentes dinâmicos para garantir o controle. Mas o modelo é, por natureza, bastante equilibrado. Tanto pela boa rigidez torcional quanto pela leveza da estrutura, 80% em alumínio.
A grande qualidade do F-Pace é unir a elegância da marca com os recursos típicos de um SUV, que se caracterizam por uma ótima qualidade de vida no habitáculo. O espaço interno é generoso e os acessos são bastante facilitados pela boa altura do modelo. O conforto, na verdade, não se perde na sucessão de versões. Itens como revestimento em couro, ar-condicionado e teto panorâmico estão já na básica. A maior distância fica por conta do sistema de som, que passa de um simples na versão Prestige, assinado pela própria Jaguar, ao sofisticado Meridian das versões superiores.

Ficha técnica

Jaguar F-Pace

Motor 2.0 Diesel (Prestige): Diesel, dianteiro, longitudinal, 1.999 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, comando duplo no cabeçote, turbocompressor com geometria variável e intercooler. Injeção direta e acelerador eletrônico. 
Potência máxima: 180 cv a 4 mil rpm. 
Torque máximo: 43,9 kgfm entre 1.750 e 2.500 rpm. 
Diâmetro e curso: 82 mm x 92,5 mm.
Taxa de compressão: 15,5:1.  Motor 3.0 V6 (R-Sport e S): Gasolina, dianteiro, longitudinal, 2.995 cm³, seis cilindros em V, quatro válvulas por cilindro, comando variável de válvulas e comando duplo em cada cabeçote. Compressor mecânico de turbina dupla com intercooler e injeção direta de cobustível e acelerador eletrônico. 
Potência máxima: 340 cv (R-Sport) e 380 cv (S) a 6.500 rpm. 
Torque máximo: 45,9 kgfm a 4.500 rpm (R-Sport e S). 
Diâmetro e curso: 84,5 mm x 89 mm.
Taxa de compressão: 10,5:1.  Transmissão: Automático de oito marchas à frente e uma ré com modo manual sequencial e mudanças através de paddle shifts no volante. Tração integral com quatro modos de atuação e controle eletrônico de tração com sistema de vetorização de torque. 
Suspensão: Triângulos sobrepostos na frente e integral link na traseira. Oferece controle eletrônico de estabilidade. Oferece amortecedores magnéticos ativos na versão S.
Pneus: 255/60 R18 (Prestige) e 255/50 R20 (R-Sport e S). 
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD, sistema de frenagem de emergência e assistente de partida em rampa.
Carroceria: Utilitário esportivo em monobloco com quarto portas e cinco lugares. Com 4,73 metros de comprimento, 2,17 m de largura, 1,65 m de altura e 2,87 m de distância entre-eixos. Airbags frontais, laterais e de cortina. 
Peso: 1.775 kg (Prestige), 1.820 kg (R-Sport) e 1.861 kg (S). 
Velocidade máxima: 208 km/h (Prestige) e 250 km/h (R-Sport e S)
Aceleração 0-100 km/h: 8,7 segundos (Prestige), 5,8 segundos (R-Sport) e 5,5 segundos (S).
Capacidade do porta-malas: 508/1598 litros. 
Tanque de combustível: 60 litros (Prestige) e 63 litros (R-Sport e S). 
Produção: Solihull, Inglaterra. 
Lançamento mundial: 2016.

Itens de série e Preços

Versão Prestige: Rodas aro 18, faróis bixênon com sistema de lavagem dos faróis, trio elétrico, espelhos eletricamente rebatíveis, luzes de circulação diurna em led, revestimento em couro, faróis de neblina, assentos dianteiros elétricos com 10 ajustes, teto solar panorâmico, sistema multimídia com tela sensível ao toque de 8 polegadas, painel com mostradores analógicos e tela TFT colorida de 5 polegadas, som Jaguar com Bluetooth, sistema de navegação, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, controle de cruzeiro, limitador de velocidade, ar-condicionado digital de duas zonas, freio de estacionamento elétrico automático, Jaguar Drive Controle com quatro modos de direção, chave presencial, botão de partida, sistema start/stop e direção com assistência elétrica.
Preço: R$ 309.700
Versão R-Sport: Acrescenta rodas aro 20, body kit R-Sport, moldura da grade e acabamentos em preto brilhante, faróis em led, assentos dianteiros esportivos elétricos com 10 ajustes e memória, teto solar panorâmico elétrico, tampa do porta-malas acionada por gesto, áudio digital Meridian de 380 W, sistema multimídia com navegação e tela sensível ao toque de 10,2 polegadas, painel de instrumentos virtual em tela de 12,3 polegadas, sensor de estacionamento 360º, câmara de ré, chave presencial para destravamento das portas e dinâmica configurável para câmbio, direção e acelerador.
Preço: R$ 360.900.
Versão S: Acrescenta body kit S, sistema dinâmico adaptativo (Adaptative Dynamics) com amortecedores ativos, assentos dianteiros esportivos elétricos com 14 ajustes e memória, volante com ajuste elétrico, áudio digital Meridian de 825 W, TV digital, revestimento do teto em Alcântara, para-brisa com reflexão de infra-vermelho e head up display colorido.
Preço: 406.300
Opcionais: Controle de cruzeiro adaptativo com assistência em congestionamento, controle de tração adaptativo ao piso, aquecimento para os bancos e assentos dianteiros climatizados, entre outros.
Autor: Eduardo Rocha (Auto Press)
Fotos: Eduardo Rocha/Carta Z Notícias e Divulgação

Fórmula de crescimento - Jaguar aposta na composição de esportividade, requinte e robustez do F-Pace para ganhar mercado

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

Confira o novo i30 N em ação

Confira o novo i30 N em ação

Conteúdo em Vídeo
A Hyundai começou a divulgar com um pouco mais de intensidade as informações do seu novo modelo i30 N. O veículo deverá ser mostrado oficialmente durante o próximo Salão do Automóvel de Paris. O carro deverá ser lançado com o objetivo de competir com outros hot hatches que já estão no mercado. De acordo com as informações que já foram divulgadas sobre o veículo, ele deverá contar com um motor 2.0 turbo de pelo menos 260 cv. No vídeo acima, que foi divulgado no canal oficial da montadora no YouTube, o veículo ainda aparece utilizando a camuflagem que ajuda a guardar os segredos e detalhes do design.

O vídeo também permite com que as pessoas possam escutar o som grave do motor, o que deve ser um dos grandes destaques do veículo. Além disso, o carro também deve contar com seis marchas, garantindo um melhor desempenho. Alguns detalhes do interior do veículo também aparecem no vídeo, sendo um design bem parecido com o da atual geração.
Novo modelo ainda não foi oficialmente apresentado pela montadora.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

SUV compacto da Volkswagen é flagrado pela primeira vez

SUV compacto da Volkswagen é flagrado pela primeira vez



Demorou, mas a Volkswagen finalmente vai entrar na briga dos SUVs compactos. Depois de desistir do projeto do Taigun (SUV subcompacto derivado do Up apresentado pela primeira vez no Salão do Automóvel de São Paulo em 2012), a marca decidiu apostar em um modelo com proporções semelhantes aos dos rivais. - Siga o AUTOPOLIS no […] The post SUV compacto da Volkswagen é flagrado pela primeira vez appeared first on Autopolis Portal.

Fonte: R7

30 de ago de 2016

BMW apresenta sistema de visão remota 3D

BMW apresenta sistema de visão remota 3D

Conteúdo em Vídeo
A BMW apresentou uma nova geração de tecnologia para um dos seus novos lançamentos, o BMW Série 5 (G30). A tecnologia vai permitir que as pessoas tenham uma visão panorâmica do carro, e foi batizado de “Bird eye” (vista de cima), tudo isso através do smartphone. O lançamento recebeu o nome de “Remote View 3D”. Ao acessar o aplicativo da BMW no celular, as pessoas poderão conferir as imagens de cima do carro. Isso será possível através de uma série de informações recolhidas por sensores, à semelhança do que acontece atualmente com os sistemas em 360º, que permitem com que os motoristas tenham algum auxílio na hora de estacionar o seu carro.

De acordo com as informações que foram divulgadas pela montadora, o Serie 5 deverá ser o novo 540i, que surgirá em substituição do 535i – tal como o 340i sucedeu ao 335i. A montadora ainda não confirmou quando o veículo deverá ser comercializado, mas tudo indica que seja depois do Salão de Paria, na primavera de 2017.
Tecnologia foi anunciada para a nova geração do Série 5.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Mercedes-Benz paralisa produção em São Bernardo do Campo por tempo indeterminado

Mercedes-Benz paralisa produção em São Bernardo do Campo por tempo indeterminado






Paralisação foi justificada pelo acúmulo de quedas nas vendas; no entanto, a de ônibus teve alta de 14,7% ante 2015 Divulgação A Mercedes-Benz paralisou, por tempo indeterminado, todas a suas atividades de produção a partir desta segunda-feira (15) na fábrica de São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. Segunda a empresa, a justificativa é a queda acentuada nas vendas de veículos comerciais nos últimos anos.  Somente para o mês de julho, a venda de caminhões caiu 28,23%, com 4.676 unidades emplacadas. Para o mercado de ônibus, houve aumento expressivo de 14,72%, para 1.948 unidades, ante 1.698 de 2015. Os dados são da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). Para os funcionários da linha de montagem, a empresa fornecerá licença remunerada. Na sexta-feira passada, 12, um comunicado aos funcionários foi emitido informando a necessidade de redução na folha de pagamento. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou que vai avaliar quais serão as medidas a serem tomadas após a decisão.

Assine já o R7 Play e veja a programação da Record online

Fonte: R7

Volvo atinge velocidade recorde com caminhão de 2.400 cv

Volvo atinge velocidade recorde com caminhão de 2.400 cv

O mundo automobilístico é repleto de tentativas insanas de alcançar velocidade sobre humanas. Sempre existe uma montadora que tenta produzir o carro mais rápido do mundo e quebrar recordes de velocidades, que a cada ano estão se apresentando mais altos e competitivos. E a quebra de recorde da vez ficou por conta da Volvo, que conseguiu atingir um recorde de velocidade com um caminhão dotado de nada menos do que 2.400 cv. E é exatamente para que você saiba tudo sobre o assunto é que nós reunimos aqui diversas informações sobre ele.

Quebra de recorde



Na última quarta-feira (24) a Volvo Caminhões anunciou a quebra de dois recordes mundiais de velocidade com caminhões, sendo que ambos os recordes anteriores também já pertenciam à montadora, famosa por seus caminhões. O feito impressionante foi realizado por um veículo da marca batizado de The Iron Knigh – o Cavaleiro de Ferro, em tradução livre –, que foi especialmente desenvolvido para este desafio. O veículo é dono de um chassi e de uma carroceria completamente exclusivos e traz sob o capô uma versão diferenciada do motor turbodiesel V6 D13 13.0 litros, que é capaz de entregar a impressionante potência de 2.433 cv, além de entregar um torque máximo igualmente impressionante de 611,8 kgfm. Os dois novos recordes estabelecidos pela Volvo foram batidos nas distâncias de 500 e de 1.000 metros. Para percorrer os 500 metros, o caminhão The Iron Knight levou apenas 13,710 segundos, mantendo uma velocidade média no trajeto de 131,29 km/h. Já a distância de 1.000 metros foi concluída em apenas 21,290 segundos, fazendo com que o caminhão tenha apresentado uma velocidade média de 168,98 km/h. Para efeito de comparação, durante a fase de testes o Cavaleiro de Ferro foi capaz de atingir uma velocidade máxima de 275,19 km/h. Os números recordes foram conseguidos pelo piloto Boije Ovebrink, que já era o dono dos recordes anteriores, que foram obtidos em 2012. Na época, para alcançar tal feito ele correu com o Volvo Mean Grean, um caminhão protótipo que foi desenvolvido com propulsão híbrida.

Para efeito de comparação, o The Iron Knight conta com cerca de 600 cv a mais de potência do que ser recordista antecessor, além de ser equipado com um motor tradicional a combustão e também ser uma tonelada mais leve do que seu antecessor, fatores que tornaram possível a quebra do recorde estabelecido quatro anos atrás. Para provar que o recorde foi realmente quebrado e que a experiência com o The Iron Knight foi realmente bem-sucedida, a Volvo gravou um vídeo mostrando o momento da quebra de Record, que pode ser assistido no canal da marca no YouTube.
Para percorrer os 500 metros, o caminhão The Iron Knight levou apenas 13,710 segundos, mantendo uma velocidade média no trajeto de 131,29 km/h.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Caminhões

29 de ago de 2016

Harley-Davidson apresenta motor com 1.870 cv

Harley-Davidson apresenta motor com 1.870 cv

Conhecida pelas motos potentes e tradicionais, a Harley-Davidson é uma verdadeira referência mundial quando falamos de motocicletas. Tudo isso por causa de sua incrível potência, de seu design impecável e de seu ronco inconfundível, que mais do que apenas uma marca registrada da marca, é ate patenteado para que a montadora tenha certeza de que não exista nenhum igual a ele. E como uma marca que sempre se renova para manter o seu lugar no topo, recentemente a Harley-Davidson revelou, nos Estados Unidos, um novo e potente motor que vai passar a equipar a sua linha touring top de linha. Exatamente para que você saiba mais sobre a novidade impressionante da marca que é uma lenda das motocicletas nós trouxemos aqui diversas informações sobre o assunto. Ficou curioso para sabe mais?

Conheça o novo e potente motor da Harley-Davidson



Batizado de Milwaukee-Eight, a novidade vinda da Harley-Davidson é o mais recente – e potente – lançamento que vai passar a equipar a linha de motocicletas touring top de linha da marca. De acordo com informações divulgadas pela Harley, a novidade foi desenvolvida completamente do zero, ocupando a posição de 9ª geração na linhagem de motores da montadora que é conhecida como “big twins”, que nada mais são do que os grandes motores de dois cilindros produzidos pela montadora. Mais do que apenas uma novidade empolgante, o Milwaukee-Eight é também um marco para a empresa. Isso porque ele é o primeiro novo motor da família de “big twins” que a marca apresenta desde 1999, que foi o último ano em que ela renovou um motor da linha, o Twin Cam. O novo motor da marca vai contar com três linhas diferentes e vai passar a equipar todas as motocicletas modelos touring e trikes – os triciclos – da marca. Além disso, ele vai contar com opções de duas cilindradas diferentes, que vão ocupar as três versões totais.

As três versões do novo e poderoso motor da marca são: a Mikwaukee-Eight 107, dona de 1.750 cce com refrigeração a ar, a Twin-Cooled Milwaukee-Eight 107, também dona de 1.750 cc mas com refrigeração líquida e a Twin-Cooled Milwaukee-Eight 114, dona de 1.870 cc e com refrigeração líquida. O novo motor produzido pela Harley apresenta uma melhor resposta aos comandos do piloto, além de mostrar um maior poder de aceleração e um comportamento mais suave. Tudo isso chega aliado a 10% a mais de torque sem que fosse preciso alterar o peso do motor, que chega com o mesmo peso de seus antecessores. Colocando em números, o Milwaukee-Eight 107 é 11% mais rápido nas acelerações e o 114 é de 8% a 12% mais rápido em acelerações do que seus modelos antecessores.
O novo motor produzido pela Harley apresenta uma melhor resposta aos comandos do piloto, além de mostrar um maior poder de aceleração.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Motos

Pai destrói carro por ciúmes

Pai destrói carro por ciúmes

Conteúdo em Vídeo
O vídeo acima mostra o que pode ser considerado como um verdadeiro dia de fúria de um pai que não ficou nada satisfeito em ver a sua família namorando um rapaz dentro do veículo. De acordo com as informações que circulam pelas redes sociais, e que fez com que o vídeo tivesse bastante sucesso, as imagens teriam sido captadas pelo irmão da garota que teria sido a dona do carro.

O pai teria visto a sua filha com um garoto dentro do carro que pertencia a ela. Não ficou nada satisfeito e pegou uma escavadeira para acabar com o veículo de uma vez por todas. O Audi A4 foi completamente destruído com a ação da escavadeira. O carro custaria, se estivesse no Brasil, cerca de R$ 50 mil.
Garota teria irritado o pai quando foi flagrada com um jovem dentro do seu veículo.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Teaser do Concept 6 comprova que Maybach permanece como submarca

Teaser do Concept 6 comprova que Maybach permanece como submarca



Na semana passada, quando a Mercedes revelou o primeiro teaser de um inédito cupê conceitual da Maybach, muito foi falado sobre o possível retorno da subdivisão de luxo como uma marca independente, mirando Rolls-Royce e Bentley. No entanto,  a oficialização do nome Mercedes-Maybach Concept 6 para o conceito e um novo teaser da dianteira, deixaram claras […] The post Teaser do Concept 6 comprova que Maybach permanece como submarca appeared first on Autopolis Portal.

Fonte: R7

28 de ago de 2016

Honda revela as primeiras imagens oficiais do novo Civic Hatch; modelo estreia em setembro nos EUA

Honda revela as primeiras imagens oficiais do novo Civic Hatch; modelo estreia em setembro nos EUA






Veja a galeria completa Com fabricação em diferentes lugares, o novo Civic hatch não tem previsão de chegar ao Brasil Divulgação

Veja a galeria completa Design similar ao sedã, hatch chega com motor de 174 cv e 180 cv Divulgação

Veja a galeria completa Para o câmbio, será opção de CVT ou manual com seis velocidades Divulgação Pouco tempo depois de ter imagens reveladas flagrando o embarque do Civic hatch ao Reino Unido, a Honda, finalmente, divulgou as primeiras imagens oficiais do modelo. O Civic já está sendo exoportado para diversos países do mundo, sendo os EUA o primeiro a recebê-lo. Os veículos partiram de Southampton, no Reino Unido, conforme forma flagrados na semana passada. Para as unidades sedãs e cupês, a fabricação acontece na planta de Indiana (EUA) e Ontário (Canadá), na ordem. Serão cinco opções de acabamento para o mercado norte-americano — LX, Sport, EX, EX-L, e Sport Touring —, equipados com motor 1.5 turbo. Para as versões LX, EX e EX-L, o motor ofercerá 174 cv e 22,3 kgfm de torque máximo. A Sport e Sport Touring virão com o mesmo propulsor, só que configurado para oferecer 180 cv. A transmissão será CVT ou manual com seis velocidades. Em breve, o modelo dará origem à versão mais apimentada Type R, que será equipada com motor 2.0 turbo de cerca de 300 cv, mas somente apresentado para o ano que vem.

Assine já o R7 Play e veja a programação da Record online

Fonte: R7

27 de ago de 2016

BMW Série 6 será descontinuado e Série 8 retornará

BMW Série 6 será descontinuado e Série 8 retornará



Não é de hoje que rumores apontam para o retorno do cupê de alto luxo, Série 8 da BMW – mas até agora nada oficial. Nas últimas semanas, a BMW tem deixado escapar alguns vestígios sobre o futuro Série 8, comprovando que o modelo existe e está em desenvolvimento. - Siga o AUTOPOLIS no Facebook- […] The post BMW Série 6 será descontinuado e Série 8 retornará appeared first on Autopolis Portal.

Fonte: R7

Novo Kia Rio 2017 ganha imagens oficiais

Novo Kia Rio 2017 ganha imagens oficiais

Novidades são algo que realmente não faltam no mercado automobilístico. Afinal de contas, todos os anos são novos modelos, veículos, motores e estilos que movimentam constantemente o mercado e deixam os apaixonados por carros completamente loucos. E a novidade da vez fica por conta da Kia, que revelou as primeiras imagens oficiais de seu novo Kia Rio 2017, que chega com uma imagem bastante diferente do que estamos acostumados a ver no já conhecido modelo da Ford. Exatamente para que você saiba tudo sobre a novidade é que nós reunimos aqui diversas informações sobre o assunto.

O novo Kia Rio 2017



A novidade vai ser lançada no mês que vem, sendo apresentada ao público pela primeira vez no Salão de Paris, mas já ganhou algumas imagens oficiais que deixaram quem gosta do carro ainda mais curioso. Nas fotos reveladas pela Kia na última quarta-feira (24), é possível perceber os primeiros sketches do modelo, que dão uma boa ideia de como vai ser o compacto que foi completamente renovado. O hatchback Rio agora chega em sua quarta geração e apresenta uma aparência renovada que é se mostra mais esportiva do que aquela do modelo atual da marca sul coreana. Pelas imagens divulgadas também é possível perceber que a novidade adotou um visual mais europeu, com carroceria mais larga e baixa e também para-choques com desenho mais agressivo, além de ter ganhado faróis equipados com LED e lanternas maiores. O interior também foi redesenhado e apareceu nas imagens divulgadas pela marca. É possível perceber que ele chega em sua nova geração mais sofisticado e que ganhou uma tela multimídia em destaque, além de ser dotado com comandos circulares e um console central de aparência mais elegante e limpa.

Em relação a parte mecânica, o esperado são motores de três e quatro cilindros. O grande destaque do Rio 2017 vai ficar por conta do novo motor 1.0 turbo de três cilindros, modelo de motor que tem ganhado cada vez mais destaque no mercado automobilístico. O Rio é um modelo que tem como concorrentes de mercado veículos como Polo, da VW, e o Fiesta, da Ford, e que foi prometido para o Brasil ainda no ano passado, ainda não tendo data certa para desembarcar por aqui agora. O que resta agora é a chegada do Salão de Paris para ter mais detalhes e informações sobre o novo Rio 2017 que promete fazer sucesso com o público. Sendo oferecido em diferentes versões, de três, quatro ou cinco portas, o hatch da Kia tem cara de que vai agradar o público e continuar com um bom índice de vendas, superando as 500 mil unidades comercializadas ao redor do mundo.
O grande destaque do Rio 2017 vai ficar por conta do novo motor 1.0 turbo de três cilindros.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

26 de ago de 2016

Toyota ressuscita fábrica em São Bernardo do Campo

Toyota ressuscita fábrica em São Bernardo do Campo

O mercado automobilístico é imprevisível. Se em um momento as vendas de uma montadora vão nas alturas, em outro pode ser que os modelos de determinada marca caiam em esquecimento pelo público. Tudo isso faz com que as montadoras sempre busquem se reinventar e se renovar, sempre para manter as suas vendas em uma crescente constante. E o mais recente investimento da vez fica por conta da japonesa Toyota, que ressuscitou a sua fábrica de São Bernardo do Campo e investiu em diversas inovações para ela. E é exatamente para que você saiba tudo sobre a novidade é que nós reunimos aqui diversas informações sobre o assunto.

As novidades da Toyota na fábrica de São Bernardo do Campo

Na última segunda-feira (22), a japonesa Toyota anunciou que a revitalização de sua fábrica em São Bernardo do Campo finalmente foi concluída. O projeto, que foi batizado de São Bernardo ReBorn – algo como São Bernardo renasce -, tem como principal destaque a inauguração de um Centro de Pesquisa Aplicada da marca, o primeiro da Toyota em toda a América Latina. A fábrica brasileira foi a primeira da marca a ser inaugurada fora do Japão e foi construída em 1962. Para a instalação da nova estrutura, a japonesa investiu um total de R$ 46 milhões na fábrica de São Bernardo, tudo para empregar a nova tecnologia à estrutura que era consideravelmente antiga. O novo Centro de Pesquisa vai servir como base para o desenvolvimento de todos os produtos da marca que vão ser comercializados no Brasil, sempre seguindo a premissa global da marca de produzir carros cada vez melhores.

A instalação no ABC Paulista é a responsável pela produção de peças que equipam os modelos Etios e Corolla que são comercializados no Brasil, e também pela fabricação de bielas e virabrequins para os motores do Camry e do Corolla que são produzidos e vendidos nos Estados Unidos. O evento que anunciou a revitalização da fábrica também foi um espaço para o anúncio da largada latino-americana do projeto global “5 Continents Drive”. A iniciativa foi promovida pela Toyota e vai levar toda a gama de modelos da marca para percorrer um trajeto de 20 mil quilômetros em todo o território da América Latina, sendo 5 mil destes apenas no território brasileiro, nos próximos três meses e meio. A iniciativa da japonesa começou em 2014 e tem como objetivo permitir que os engenheiros da marca sejam capazes de analisar na prática a maneira com que os carros da marca se comportam nas mais diversas condições de rodovias e também de pavimentação nas estradas e ruas de todo o mundo.
O novo Centro de Pesquisa vai servir como base para o desenvolvimento de todos os produtos da marca que vão ser comercializados no Brasil.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

Ford explica a importância da chave do carro

Ford explica a importância da chave do carro

Conteúdo em Vídeo
A Ford tem investido em tecnologia e inovação nas chaves dos seus carros, sendo que o modelo MYkKey pode ser encontrado em diversos modelos de veículos lançados pelas montadoras. Para explicar melhor para os motoristas quais são as funcionalidades e as facilidades que estas chaves acabam trazendo para o consumidor, a montadora divulgou um vídeo. No Brasil, os consumidores podem encontrar esta chave nas linhas New Fiesta, Focus, Fusion, EcoSport, Edge e Ranger. Anteriormente esta chave era oferecida apenas nos modelos de luxo lançados pelas montadoras, mas hoje em dia ela pode ser encontrada nos modelos mais simples, como parte do sistema de segurança disponível.

A chave permite que as pessoas limitem a velocidade máxima do veículo, bem como o volume máximo do som. Além disso, através da chave também é possível ativar alertas sonoros de uso de cinto de segurança e limites de velocidade e impedir o desligamento dos sistemas de assistência ativa. “A chave MyKey é um dos recursos inovadores de tecnologia embarcada que a Ford introduziu em seus carros para oferecer uma nova experiência aos clientes e facilitar a sua vida. O vídeo ajuda a entender como é o seu uso prático no dia a dia”, diz Fernando Pfeiffer, gerente do Produto da Ford.
Vídeo foca no funcionamento da Nova MyKey.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Flagra: nova geração do Volkswagen Polo indica futuro do Gol

Flagra: nova geração do Volkswagen Polo indica futuro do Gol



Há um certo tempo comenta-se que Polo e Gol se tornarão praticamente um só carro. A diferença ficaria apenas para o fato do europeu ser levemente mais sofisticado e contar com tecnologias dispensadas no modelo brasileiro, que terá tempero mais esportivo. Isso tudo faz sentido, visto que Polo e Gol fazem parte de um mesmo […] The post Flagra: nova geração do Volkswagen Polo indica futuro do Gol appeared first on Autopolis Portal.

Fonte: R7

SUV mais rápido do mundo faz aparição na Austrália

SUV mais rápido do mundo faz aparição na Austrália

Conteúdo em Vídeo
O Tesla Model X SUV foi apresentado esta semana na capital Australiana Sydney. Um dos destaques das especificações técnicas do veículo é o seu peso, quase 2,5 toneladas, superior aos concorrentes diretos. Mas ele também consegue ser mais rápido que BMW X5 ou ainda Mercedes-Benz GLE. O carro, equipado com a nova versão P100D, consegue acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,1 segundos, o que deixa o veículo tão rápido quanto uma Ferrari F12. Mas o SUV conta com uma pequena diferença com relação ao esportivo: Comporta até sete pessoas ao mesmo tempo.

O modelo não tem previsão de lançamento no Brasil. Na Austrália, foi anunciado custando US$ 123 mil.
Model X, da Tesla, foi apresentado em Sydney.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

25 de ago de 2016

Primeiras impressões da décima geração do Honda Civic

Primeiras impressões da décima geração do Honda Civic

As gerações de um determinado modelo, em geral, seguem um fluxo bem previsível. Na sequência de um projeto arrojado, costuma vir outro mais conservador. Seja para corrigir os rumos ou consolidar o sucesso do antecessor. Um bom exemplo disso é o Honda Civic. Em 2006, sua oitava geração teve uma enorme aceitação pelo desenho moderno e soluções criativas de engenharia. Bem ao contrário do acanhado sucessor, de 2012, que virou mais um na multidão de sedãs médios. No Brasil, a trajetória da nona geração toma aspecto de drama. Das 5 mil unidades/mês vendidas em 2013, passou para menos de 1.500 no primeiro semestre de 2016. O modelo parece ter concentrado toda a retração do segmento nos últimos quatro anos – enquanto o rival Toyota Corolla se manteve firme no período, na média entre 4.500 e 5.500 unidades mensais. Estava mesmo na hora da Honda se arriscar. E basta olhar para perceber a ousadia do Civic de décima geração.

Atraem as linhas sinuosas dos para-lamas, que contornam as caixas de rodas e o caimento alongado do teto em direção à traseira, como em um cupê. Em conjunto com o capô, alongado pela grade projetada, reforça este aspecto de “muscle car”. De frente, as linhas das entradas de ar, dos conjuntos óticos e dos vincos do capô convergem para o logo da marca, no centro da grade, no que a Honda chama de “Solid Wing Face”. A traseira alta, com vidro muito inclinado e lanternas em leds com formato de bumerangue, reforça a ideia de requinte e esportividade do Civic 10.

A evolução também foi expressiva na parte menos visível. O Civic ganhou uma nova plataforma com rigidez torcional 25% maior. A suspensão é nova, com sistema MacPherson na frente com buchas hidráulicas e traseira multilink – também com buchas hidráulicas na versão de topo, Touring. Esta configuração é a única que recebe o novo motor a gasolina 1.5 turbo com intercooler de 173 cv e 22,4 kgfm de torque, gerenciado por um câmbio CVT para alto torque. Todas as demais trabalham com o 2.0 flex de 155 cv e 19,5 kgfm de potência e torque máximos. Na versão de entrada, Sport, o câmbio pode ser manual de seis marchas ou CVT para médio torque, a única opção nas intermediárias EX e ELX.

Na parte de conteúdo, a Honda tratou de valorizar seu sedã médio com uma série de recursos eletrônicos. Do sedã Accord, o Civic herdou, apenas na variante mais cara, o sistema LaneWatch, que projeta na tela, no alto do console central, a imagem da faixa da direita quando a seta é acionada. Na configuração EXL, a mesma tela de sete polegadas reúne imagens da câmara de ré, central multimídia, GPS com alerta de tráfego e conexões, com interface para Apple Car Play e Google Android Auto. O freio de estacionamento é elétrico com destravamento automático e o freio tem a função brake-hold, que mantém o carro parado até que o acelerador seja acionado.

A maior parte da tecnologia embarcada é dedicada à dinâmica do Civic. Sistemas como controle de estabilidade e tração, com vetorização de torque, e o chamado Agile Handling Assist, que controla de forma preventiva o eixo dianteiro para evitar subesterço ou saídas de frente estão presentes. Um outro destaque é o sistema de direção elétrica com dois pinhões, que varia a relação entre o esterçamento e o ângulo do volante de acordo com a velocidade.

Na segurança, o Civic ainda traz, desde a versão de entrada, seis airbags, faróis de neblina, luz de freio com brilho intermitente em frenagem de emergência e luzes de rodagem diurna. Os equipamentos que vão sendo adicionados nas versões superiores são sempre relacionados a conforto e requinte e a Honda tenta dar a cada uma delas uma personalidade. A Sport valoriza o despojamento, com a retirada do cromado da grade, que é em preto brilhante, e rodas escurecidas. Os bancos e revestimentos nas portas são em tecido e sai a R$ 87.900 na versão manual e a R$ 94.900 com CVT. As intermediárias EX e EXL tentam destacar o lado mais elegante e social – até pela presença do motor 2.0. Elas têm revestimento em couro, grade cromada e outros elementos estéticos que tentam dar a ideia de requinte. Custam, respectivamente, R$ 98.400 e R$ 105.900. No topo, com boa distância, fica a Touring, com a qual a Honda quer rivalizar com modelos premium – pelo menos no preço, de R$ 124 .900, tal intenção parece se realizar. Ela traz o motor turbo, teto solar, faróis full led e diversos outros itens de luxo. Segundo a marca, a versão Sport deve responder por 24% do mix, as intermediárias EX e EXL por 48% e a topo Touring por 28%. No total a Honda pretende emplacar cerca de 3 mil unidades mês. Mais que o dobro do que conseguiu nos primeiros seis deste ano, mas ainda longe do bom desempenho do início da década. 

Primeiras impressões

Inteligência dinâmica

Morungaba/SP – Em boa parte das vezes, quem opta por um carro japonês não é um amante de automóveis. São modelos racionais, sem faltas ou sobras, e capazes de enfrentar até um certo descaso do proprietário sem acusar o golpe. A Honda sempre tenta fugir um pouco desta lógica e, com o novo Civic, conseguiu se afastar bastante. É bem verdade que o câmbio CVT “anestesia” o comportamento do carro na hora de acelerar e retomar, mesmo que as sete marchas pré-selecionadas até contornem um pouco a falta de emoção.
O circuito escolhido pela Honda para apresentar o novo sedã incluía uma serra bem sinuosa. Era o pretexto para testar a direção de esterçamento variável e o sistema AHA, que previne as saídas de frente. O Agile Handling Assist entra em ação de forma muito discreta e a direção elétrica se mostrou extremamente ágil e comunicativa. As duas motorizações animam o novo Civic de forma bastante satisfatória. Obviamente, o propulsor 1.5 turbo tem uma performance superior, com acelerações mais vigorosas e um torque presente desde os giros mais baixos. Por outro lado, só bebe gasolina e está disponível apenas na versão Touring, de preço bem salgado. O motor 2.0 dá conta do recado, embora seja menos econômico.
Por dentro, os revestimentos e materiais empregados melhoraram, mas ainda não permitem classificar o Civic como modelo premium. Principalmente pela cobertura plástica no painel com pespontos, para imitar couro – recurso também usado no rival Toyota Corolla. Os bancos têm ótima ergonomia, mas falta um apoio de braços decente no console central e a posição da tomada de 12 v e da entrada USB, escondidas sob uma bandeja à frente do câmbio, requer um contorcionismo sem sentido para serem utilizadas.

Ficha técnica

Honda Civic 2017

Motor 1.5 T (Touring): Gasolina, dianteiro, transversal, 1.498 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, turbocompressor, comando variável de válvulas e comando simples no cabeçote. Injeção direta e acelerador eletrônico.
Potência máxima: 173 cv a 5.500 rpm.
Torque máximo: 22,4 kgfm entre 1.700 e 5.500 rpm.
Diâmetro e curso: 73 mm x 89,5 mm.
Taxa de compressão: 10,6:1.
Transmissão: CVT (transmissão continuamente variável). Tração dianteira. Controle eletrônico de tração. Motor 2.0 (LXR e EXR): A Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.997 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, comando variável de válvulas e comando simples no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
Potência máxima: 150 cv (gasolina) e 155 cv (etanol) a 6.300 rpm.
Torque máximo: 19,3 kgfm (gasolina) a 4.700 rpm e 19,5 kgfm (etanol) a 4.800 rpm.
Diâmetro e curso: 81,0 mm x 96,9 mm.
Taxa de compressão: 11,0:1.
Transmissão: Manual de seis marchas a frente e uma a ré ou CVT (transmissão continuamente variável). Tração dianteira. Controle eletrônico de tração. Suspensão: Dianteira independente do tipo MacPherson com buchas hidráulicas. Traseira independente do tipo multilink (motor 2.0), com buchas hidráulicas (motor 1.5). Oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 215/50 R17.
Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Sedã em monobloco com quarto portas e cinco lugares. Com 4,64 metros de comprimento, 2,08 m de largura, 1,43 m de altura e 2,70 m de distância entre-eixos. Tem airbags frontais, laterais e de cortina.
Peso: 1.275 kg (Sport manual), 1.285 kg (Sport CVT), 1.290 kg (EX), 1.291 kg (EXL) e 1.326 kg (Touring).
Capacidade do porta-malas: 525 litros (Câmbio manual) e 519 litros (CVT).
Tanque de combustível: 56 litros.
Produção: Sumaré, São Paulo.
Lançamento mundial: 1972.
Lançamento no Brasil: 1992.

Itens de série e Preços

Versão Sport: Alarme, freios ABS com EBD, assistente de frenagem de emergência, controle eletrônico de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, luzes de frenagem de emergência, airbags frontais, laterais e de cortina, luzes diurnas de leds, sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, câmara de ré, rodas de liga leve de 17 polegadas diamantadas, lanternas em leds, luz de placa em leds, brake light, trio elétrico, faróis halógenos, luzes de neblina, chave canivete, controle de velocidade de cruzeiro, volante com regulagem de altura e profundidade, ar-condicionado automático e digital, volante e manopla do câmbio revestidos em couro, bancos, portas e console central em tecido, central multimídia com MP3, USB, quatro alto falantes e comandos no volante.
Preço: R$ 87.900 (manual) e R$ 94.900 (CVT).
Versão EX: Adiciona acabamento escurecido nas rodas, grade frontal cromada, retrovisores com luzes de setas em leds e rebatimento elétrico e sensor crepuscular.
Preço: R$ 98.400.
Versão EXL: Adiciona ar-condicionado de duas zonas e central multimídia com tela de sete polegadas com GPS com informações de trânsito, controles de ar-condicionado, wi-fi, comandos de voz e compatibilidade com Apple CarPlay e Google Android Auto.
Preço: R$ 105.900.
Versão Touring: Adiciona Honda LaneWatch (mostra a imagem da câmara sob o retrovisor externo na tela da multimídia), sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, maçanetas cromadas, faróis e luzes de neblina em leds, sensor de chuva, chave presencial, teto solar elétrico, para-brisa acústico, retrovisor interno fotocrômico e banco do motorista com ajustes elétricos.
Preço: R$ 124.900.
Autor: Eduardo Rocha (Auto Press)
Fotos: Eduardo Rocha/Carta Z Notícias

Volta por cima - Décima geração do Honda Civic tem tecnologia e personalidade para se destacar entre os sedãs médios

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

Peças para deixar seu carro com estilo esportivo

Peças para deixar seu carro com estilo esportivo

Se você gosta de mexer no seu carro, modificá-lo e fazer com que ele fique com um visual mais esportivo você está no lugar certo. Aqui nós ajudaremos você a encontrar peças que possam deixar seu carro do jeito que gosta.

Pedaleiras

Não adianta nada ter um carro que por fora tenha um estilo mais descolado se por dentro ele não acompanha o jeito do resto do carro, por isso resolvemos começar a falar sobre peças internas como as pedaleiras. As pedaleiras são acessórios que têm seu design voltado para estilos mais invocados, é possível encontrá-las toda cromada ou em cores como vermelho, azul, amarelo e verde. Qualquer loja de autopeças a vendem.

Manopla da marcha



A manopla é outro item essencial para o seu carro, existem de vários estilos e tipos umas mais modernas, outras um pouco menos, porém todas as manoplas de cambio têm a característica de deixar seu carro mais esportivo. Basta escolher qual você prefere uma mais agressiva ou menos.

Banco esportivo

É legal que o banco combine com a manopla, pois eles são detalhes que se complementam. Bancos de couro são os que fazem mais sucesso, pois combinam muito bem com carros mais clássicos e com aqueles de estilo esportivo, mas são bancos caros. Se você não estiver disposto a desembolsar uma grana maior, bancos coloridos de estilo esportivo são mais baratos e destinados para carros com essa característica.

Calotas

Acessórios externos também são importantes. As calotas são objetos que, de fato, pesam muito para caracterizar seu carro, um automóvel simples, mas que possui uma calota mais moderna, pode dar um ar muito invocado ao seu veículo, o contrário também acontece, portanto, escolher a certa para seu automóvel é de extrema importância.

Retrovisor

Fazer combinações com cores de peças que funcionam como detalhes são legais. O retrovisor do carro é este tipo de peça, escolher uma cor diferente da pintura do carro é legal, mas desde que seja feito com bom gosto, optar por um retrovisor que tenha uma cor muito discrepante da lataria do automóvel pode causar uma sensação estranha em você e em quem o ver.

Cores

A cor da carroceria, talvez, seja o detalhe mais importante, claro que os outros detalhes não ficam muito para trás, mas ela é o que vai dar essência ao estilo que você quer em seu automóvel. Cores vibrantes e metálicas são a pedida certo para dar aquele ar esportivo que você tanto deseja. Azul, preto e vermelho metálicos, por exemplo, são cores padrões, mas que podem ser mais fáceis de combinar com detalhes menores como o retrovisor e batentes da porta. Se você é daqueles que gosta de chamar atenção e criar modelos bem invocados. Cores vibrantes e trabalhadas com adesivos podem ser uma boa para você. Amarelo é uma cor que chama atenção, dá um ar moderno e se bem combinadas com outras cores na carroceria pode tornar seu veículo bem estiloso, com potencial para dar inveja em qualquer um. Para deixar seu carro bonito, esportivo e, ao mesmo tempo elegante, basta saber equilibrar as cores e os detalhes. Lembre-se um carro esportivo não é um carro brega, o último possui muitos adereços sem se ter uma preocupação com o equilíbrio, o primeiro pode até possuir adereços, mas são os adereços certos.
Se você gosta de mexer no seu carro, modificá-lo e fazer com que ele fique com um visual mais esportivo, você está no lugar certo!

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Dicas

Honda Civic Hatch apenas com motot 1.5 turbo e versões com 180 cv

Honda Civic Hatch apenas com motot 1.5 turbo e versões com 180 cv



Indiscretamente revelado antes da hora sendo exportado para os Estados Unidos, o Civic Hatch teve suas primeiras imagens e informações oficiais divulgadas. A nova geração do Honda Civic Hatch quebra um paradigma desde 2001 na sétima geração do Civic e volta a ser, definitivamente, a versão hatch derivada diretamente do sedã, não mais um carro […] The post Honda Civic Hatch apenas com motot 1.5 turbo e versões com 180 cv appeared first on Autopolis Portal.

Fonte: R7

Teste do Volvo XC60 D5 no Brasil

Teste do Volvo XC60 D5 no Brasil

Quando foi lançado, no Salão de Genebra de 2008, o crossover médio XC60 rapidamente tornou-se o modelo mais vendido da Volvo – posição que ocupa até hoje. Um em cada quatro automóveis  emplacados pela marca sueca no mundo são do crossover produzido na fábrica de Ghent, na Bélgica. Lançado no Brasil em 2009, atualmente o XC60 é responsável por 53% das vendas da Volvo Cars no mercado nacional. Em 2013, foi apresentado no Brasil o facelift com o visual atual do modelo que, entre janeiro e julho deste ano, acumulou 1.179 unidades vendidas – média de 168 emplacamentos mensais. Na linha 2017, o XC60 chega com uma novidade – uma inédita versão com motorização diesel, que atende a uma demanda crescente dentro do mercado de SUVs brasileiro. A nova versão tem tração AWD e um propulsor turbodiesel 2.4 litros e cinco cilindros com 20 válvulas, que entrega até 223 cv. O modelo chega com um amplo pacote de equipamentos, com destaque para as tecnologias de segurança e conectividade. Veja também:
  • Primeiras impressões do Volvo XC90
  • Volvo confirma crossover XC40 no Brasil
  • Volvo XC60 D5 recebe motor a diesel
Além da motorização diesel, a linha 2017 do XC60 continua a oferecer o tradicional motor a gasolina 2.0 T5, de 245 cv. Na versão diesel, a proposta é esbanjar força. São 44,9 kgfm de torque máximo alcançados entre 1.500 e 3 mil rpm – cerca de 25% superior aos 35,7 kgfm da versão 2.0 a gasolina. O utilitário esportivo da Volvo é equipado com transmissão automática Geartronic de seis velocidades e paddle shifts na coluna de direção. O novo powertrain obteve bons resultados de economia de combustível. De acordo com dados do Inmetro, o XC60 D5 recebeu a classificação “A” do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, com 9,5 km/l na cidade e 12,4 km/l em estrada. Com seu tanque de combustível de 70 litros, o crossover pode atingir 868 quilômetros de autonomia.

O XC60 diesel vem com sistema de tração integral AWD com diferencial central de acoplamento viscoso que, segundo a Volvo, distribui a força do motor para as quatro rodas em qualquer circunstância e condição de uso. Segundo a engenharia da marca sueca, no caso de perda de aderência, o torque enviado às rodas varia de acordo com a necessidade, preservando a dirigibilidade. Na linha 2017, o XC60 D5 é oferecido em duas versões de acabamento, Kinetic e Momentum, de acordo com a nomenclatura global da fabricante escandinava. Banco dianteiro elétrico com memória para o motorista, ar-condicionado digital de duas zonas com sistema de controle de qualidade do ar multiativo (Clean Zone), função start/stop, espelhos retrovisores elétricos retráteis com desembaçador e memória, faróis de xênon com acendimento automático e controle direcional ativo, luzes sinalizadoras dianteiras de leds, piloto automático, freio de estacionamento elétrico e rodas de alumínio de 18” são alguns dos equipamentos de série. A versão Momentum acrescenta banco com regulagem elétrica também para o passageiro, painel de instrumentos digital de 8” com três modos de tela, teto solar elétrico, câmara traseira de estacionamento, além de suporte lombar com regulagem elétrica do assento dianteiro e sistema de navegação por GPS com mapas em 3D e informações de tráfego em tempo real. O sistema de entretenimento conta com display central com tela de 7" e DVD player. O áudio é reproduzido em 8 alto-falantes.

Em termos de segurança, a principal novidade é o City Safety, que é item de série. O sistema de assistência ao motorista atua para evitar ou reduzir colisões com o veículo da frente em velocidades abaixo dos 50 km/h. Ao detectar a falta de reação do motorista a uma possível colisão, o sistema aciona imediatamente os freios até a parada total do veículo. O modelo é também equipado com seis airbags, controle avançado de estabilidade (ASC), controle dinâmico de estabilidade e tração (DSTC), monitoramento de pressão dos pneus e sistemas de proteção contra lesões na coluna cervical e de impactos laterais. O banco traseiro conta com Isofix para fixação de cadeiras infantis e assentos integrados para crianças. Também está disponível o Volvo On Call, um serviço de segurança, proteção e conveniência que oferece assistência 24 horas, auxílio de emergência e localização, em caso de roubo ou furto. O sistema dispõe de um aplicativo para smartphone e smartwatch que conecta o motorista a seu veículo. Entre os recursos, indicação da necessidade de manutenção e acesso a dados do computador de bordo. O sistema está integrado ao Sensus Connect, uma solução de entretenimento e conectividade que oferece serviços de streaming de música, rádio e podcasts online, navegação e serviços, como a busca por pontos de interesse, postos de gasolina e estacionamento, entre outros. O novo XC60 D5 chega à rede de concessionárias da Volvo no Brasil com uma oferta de lançamento válida até o final do mês de setembro: R$ 199.950 na versão Kinetic e R$ 224.950 na Momentum. Em outubro, os valores passam para R$ 215.950 na versão Kinetic e R$ 241.950 na Momentum. 

Ponto a ponto

Desempenho – O motor diesel turbinado em conjunto com a tração integral e o câmbio automático bem escalonado conferem uma performance notável ao Volvo XC60. Basta pressionar levemente o pedal do acelerador para que os 223 cv e os 44,9 kgfm propiciem boas arrancadas e retomadas mais que satisfatórias. O fato de o torque máximo estar disponível já a partir das 1.500 rotações mantém o motor sempre esperto e proporciona respostas quase instantâneas às solicitações expressas pelo pé direito. Fruto também da bem acertada transmissão automática Geartronic de seis velocidades. Os paddle shifts na coluna de direção ajudam a tornar o passeio ainda mais divertido. Nota 9. Estabilidade – A Volvo sempre deu particular atenção à segurança de seus veículos. No XC60, são itens de série dispositivos como controles de estabilidade, tração e anticapotamento. Como o auxílio luxuoso da tração AWD, o comportamento dinâmico do crossover se mostra admirável em curvas e retas. O XC60 parece estar sempre na mão do motorista, mesmo em altas velocidades e em trechos sinuosos. Nota 10. Interatividade – O design escandinavo normalmente combina um requinte sóbrio, sem grandes firulas, com muita praticidade. Dentro dessa tendência, o interior do XC60 é bem resolvido. Apesar de oferecer numerosos comandos, eles estão dispostos de forma elegante, sem congestionar o habitáculo. Os principais comandos são bastante intuitivos. Apesar de incomodar os que estranham os sistemas de direção autônoma, o City Safety – que freia o modelo na iminência de uma colisão – funciona de forma eficiente. Nota 9.

Consumo – o XC60 D5 recebeu a classificação “A” do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do Inmetro, com 9,5 km/l na cidade e 12,4 km/l em estrada. Oferecer uma autonomia de 868 quilômetros não é para qualquer carro. Nota 9. Conforto – Todos os ocupantes têm bom espaço para cabeças. Na frente, há um bom vão para as pernas, mas atrás o ambiente é um pouco mais espremido. A suspensão filtra bem os buracos, mas o isolamento acústico poderia ser melhor. O motor vibra bem, e acima dos 100 km/h seu som é percebido no habitáculo. Nota 8. Tecnologia –  Além de um moderno motor diesel, a nova versão do XC60 traz seis airbags, controle avançado de estabilidade, controle dinâmico de estabilidade e tração, monitoramento de pressão dos pneus e sistemas de proteção contra lesões na coluna cervical e de impactos laterais. O Volvo On Call oferece assistência 24h, incluindo auxílio de emergência e localização, em caso de roubo ou furto. E o City Safety ainda freia o modelo automaticamente na iminência de uma colisão. Os sistemas de conectividade e entretenimento são bastante modernos e fáceis de interagir. Nota 10.

Habitabilidade – As amplas portas fazem que todos os acessos sejam bem facilitados. Os porta-objetos são bem distribuídos e práticos e os do console central têm porta escamoteável. O porta-malas de 495 litros está de acordo com o segmento. Nota 9. Acabamento – O cuidado com o acabamento no crossover da Volvo é notável. Os revestimentos internos são de extremo bom gosto e bastante agradáveis ao toque. Nota 9. Design – Felizmente os tempos em que a Volvo fazia carros quadradões ficaram no passado. Apesar da sobriedade e de seu design datar de 2009, com uma reestilização em 2013, o XC60 ainda é um carro de aspecto moderno e estiloso. Escapa do estilo rústico comum aos utilitários esportivos. Nota 8.

Custo/benefício – Apesar da oferta especial de lançamento válida até o final do mês de setembro – R$ 199.950 na versão Kinetic e R$ 224.950 na Momentum –, em outubro, os valores passam para R$ 215.950 na Kinetic e R$ 241.950 na Momentum. São elevados, mas competitivos em relação aos SUVs médios de marcas de luxo concorrentes. Uma desvantagem do crossover da Volvo é não contar com dispositivos voltados para um off-road mais radical, como reduzida, oferecido por competidores como o Land Rover Discovey Sport, que tem versão a diesel. O fato da versão inicial Kinetic não oferecer uma câmara de ré de série é um tanto desabonador para um carro de mais de R$ 200 mil. Nota 6. Total – O Volvo XC60 D5 somou 89 pontos em 100 possíveis.

Primeiras impressões

Serra do Caraça/MG - A versão de topo de linha Momentum com a motorização diesel do crossover da Volvo foi avaliada em circuito de mais de 300 quilômetros, que partiu da capital mineira para atravessar longos trechos asfaltados e depois serpentear por estradinhas estreitas e sinuosas entre as serras do Caraça e do Cipó, incluindo alguns trechos em trilhas de terra.
Depois de mostrar desembaraço nos trechos urbanos iniciais do circuito, o XC60 diesel impressiona mesmo é quando chega no asfalto. Primeiramente, os níveis de vibração e de ruído a bordo são muito similares aos da versão movida a gasolina. Mas o que mais causa admiração é o comportamento do veículo em curvas de alta velocidade. A tração integral AWD, aliada aos diversos sistemas eletrônicos, transmite ao motorista aquela encorajadora sensação de que o carro circula sobre trilhos e que curva alguma é capaz de fazê-lo “descarrilhar”. Numa situação de uso normal, 5% do total fica com o eixo traseiro, mas, dependendo da aderência do piso, essa divisão chega a 50% na dianteira e 50% na traseira. Nem mesmo a altura elevada típica dos SUVs deixa perceber instabilidade nas curvas. O XC60 diesel esbanja equilíbrio e é daqueles caros que demora muito a revelar os seus limites. Mesmo quando o crossover mostra que o motorista está exagerando demais na pressão ao acelerador, é sempre de forma elegante, sem espalhafato.
As trilhas mineiras por onde o XC60 diesel circulou eram até intensas, mas sem incluirem nada demasiadamente radical. Nelas, o crossover da Volvo esbanjou vitalidade. A suspensão, com sistema McPherson na frente e Multlink independente atrás, filtra bem as imperfeições do piso. Em movimento, nem de longe aparenta os 1.902 kg que tem.  Pena que o modelo não ofereça possibilidade de marcha reduzida, o que tornaria apto a frequentar com mais desembaraço lamaçais, areais, aclives e declives mais radicais. Como esse tipo de utilização é realmente raro entre os que adquirem SUVs de mais de R$ 200 mil, é possível crer que o modelo da Volvo consiga sensibilizar consumidores de modelos concorrentes de marcas de luxo e de modelos “top” de marcas generalistas, com o Toyota SW4 e o Chevrolet Trailblazer. A Volvo afirma que o número atual de vendas do XC60, cerca de 2.500 unidades por ano, não deve ser muito alterado pela entrada da configuração a diesel. Mas, segundo o marketing da marca sueca, a novidade deve responder por até 40% do total de vendas do modelo.

Ficha técnica

Volvo XC60 D5

Motor: A diesel, dianteiro, transversal, 5 cilindros em linha, 16V, comando duplo, turbo e injeção direta de combustível. 
Transmissão: Câmbio automático de seis velocidades a frente e uma a ré. Tração integral. 
Potência máxima: 223 cv a 4.000 mil rpm.
Diâmetro e curso: 81 mm x 93,2 mm.
Taxa de compressão: 16,5
Aceleração de zero a 100 km/h: 8,2 segundos.
Velocidade máxima: 210 km/h. 
Torque máximo:  44,9 kgfm entre 1.500 rpm e 3 mil rpm
Suspensão: Dianteira independente com braços duplos e molas helicoidais. Traseira com ligações integrais e molas helicoidais. Oferece controle de estabilidade. 
Pneus: 235/60 R18.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD e assistência de frenagem eletrônica. 
Carroceria: Utilitário esportivo em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,64 metros de comprimento, 2,12 m de largura, 1,71 m de altura e 2,77 m de entre-eixos. 
Peso em ordem de marcha: 1.903 kg.
Capacidade do porta-malas: 495 litros.
Capacidade tanque do combustível: 70 litros. 
Produção: Ghent, Bélgica. 

Itens de série e Preço

Versão Kinect: Banco dianteiro elétrico com memória para o motorista, ar-condicionado digital de duas zonas com sistema de controle de qualidade do ar multiativo, função start/stop, espelhos retrovisores elétricos retráteis com desembaçador e memória, faróis de xênon com acendimento automático e controle direcional ativo, luzes sinalizadoras dianteiras de leds, piloto automático, freio de estacionamento elétrico, rodas de alumínio de 18”, sistema de entretenimento com display central com tela de 7", DVD player e 8 alto-falantes
Versão Momentum: adiciona banco com regulagem elétrica para o passageiro, painel de instrumentos digital de 8” com três modos de tela, teto solar elétrico, câmera traseira de estacionamento, suporte lombar com regulagem elétrica do assento dianteiro e sistema de navegação por GPS (com mapas em 3D e informações de tráfego em tempo real).
Preço: Até o final de setembro, R$ 199.950 na versão Kinetic e R$ 224.950 na Momentum.
Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira (Auto Press)
Fotos: Divulgação

Exibição de força - Com motor de 223 cv, Volvo lança XC60 D5 e estreia no segmento diesel no mercado brasileiro

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes