30 de abr de 2016

As novidades do Salão do Automóvel de Genebra 2016

As novidades do Salão do Automóvel de Genebra 2016




As novidades do Salão do Automóvel de Genebra 2016Conheça os destaques de uma das mais importantes feiras automotivas do mundo Uma das mais importantes exposições automotivas do mundo, o Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça, chega à 86a. edição cheio de novidades  sobre quatro rodas de deixar qualquer homem de queixo caído. O evento, realizado pela Organização Internacional de Construtores de Automóveis desde 1905, reúne as principais montadoras do mundo, de luxo ou não, que fazem de tudo para surpreender o público e a crítica especializada com seus lançamentos. E conseguem, como você poderá observar nas próximas linhas. 
Uma das atrações mais esperadas, a Lamborghini faz o lançamento do carro Centenario. Com visual agressivo, motor V12 que produz uma potência de 770 cavalos, o possante faz de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos e 0 a 300 em 25 segundos. Mas não para por aí, o Centenario chega a ultrapassar os 350 km/h. No entanto, se você se interessou em adquirir um desse, é melhor tirar o cavalinho (aliás, o tourinho) da chuva. Apenas 40 réplicas foram fabricadas – todas elas já vendidas. Cada uma custou 1,75 milhão de euros (7,6 milhões de reais). O nome dado ao automóvel é uma homenagem aos cem anos do fundador da marca, Ferruccio Lamborghini, falecido em 1993.
Muitos estavam à espera de que a Ferrari apresentasse um novo modelo FF, mas a marca italiana anunciou um sucessor do consagrado FF. Com nome diferente, o novo carro se chama GTC4Lusso , que faz referência ao 330GT, 330GTC e ao 250 GTO Lusso e o 4 tem relação com aos quatro lugares que comporta. Segundo a Ferrari, o veículo chega a 335 km/h e se adapta a diferentes terrenos.Já a Maserati leva para Genebra o primeiro SUV de sua história. Com velocidade máxima de 254 km/h, o Maserati Levante foi feito para encarar diversos tipos de terreno. Para isso, o carro possui uma suspensão controlável, que permite ajustes de até cinco níveis de altura.  A marca italiana lançará o Maserati Levante na primavera deste ano e, no mercado europeu, custará 106 mil euros (500 mil reais).Para quem gosta de histórias de super-heróis, a Jeep tem uma notícia boa. O estande da marca americana contará com a presença do Jeep Renegade Dawn of Justice, o SUV compacto usado nas gravações do filme Batman Vs Superman: Dawn of Justice. De edição especial, o Jeep possui um motor 1.6 MultiJet II diesel de 120 cavalos e custará 26.250 dólares (104.755 reais). Especialista em velocidade, para a feira, a Bugatti conta com o carro mais rápido do mundo de produção em série, o Chiron.  O Bugatti Chiron possui um motor 8.0 W16 de incríveis 1.500 cavalos, que faz o veículo atingir a velocidade máxima de 431 km/h. Feito de fibra de carbono e extremamente baixo, o Chiron começará a ser fabricado no segundo semestre deste ano. Com produção limitada a 500 unidades, cada modelo do custará 2,4 milhões de euros (11,7 milhões de reais).Uma das mais importantes exposições automotivas do mundo, o Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça, chega à 86a. edição cheio de novidades  sobre quatro rodas de deixar qualquer homem de queixo caído. O evento, realizado pela Organização Internacional de Construtores de Automóveis desde 1905, reúne as principais montadoras do mundo, de luxo ou não, que fazem de tudo para surpreender o público e a crítica especializada com seus lançamentos. E conseguem, como você poderá observar nas próximas linhas. 
Uma das atrações mais esperadas, a Lamborghini faz o lançamento do carro Centenario. Com visual agressivo, motor V12 que produz uma potência de 770 cavalos, o possante faz de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos e 0 a 300 em 25 segundos. Mas não para por aí, o Centenario chega a ultrapassar os 350 km/h. No entanto, se você se interessou em adquirir um desse, é melhor tirar o cavalinho (aliás, o tourinho) da chuva. Apenas 40 réplicas foram fabricadas – todas elas já vendidas. Cada uma custou 1,75 milhão de euros (7,6 milhões de reais). O nome dado ao automóvel é uma homenagem aos cem anos do fundador da marca, Ferruccio Lamborghini, falecido em 1993.
Muitos estavam à espera de que a Ferrari apresentasse um novo modelo FF, mas a marca italiana anunciou um sucessor do consagrado FF. Com nome diferente, o novo carro se chama GTC4Lusso , que faz referência ao 330GT, 330GTC e ao 250 GTO Lusso e o 4 tem relação com aos quatro lugares que comporta. Segundo a Ferrari, o veículo chega a 335 km/h e se adapta a diferentes terrenos.Já a Maserati leva para Genebra o primeiro SUV de sua história. Com velocidade máxima de 254 km/h, o Maserati Levante foi feito para encarar diversos tipos de terreno. Para isso, o carro possui uma suspensão controlável, que permite ajustes de até cinco níveis de altura.  A marca italiana lançará o Maserati Levante na primavera deste ano e, no mercado europeu, custará 106 mil euros (500 mil reais).Para quem gosta de histórias de super-heróis, a Jeep tem uma notícia boa. O estande da marca americana contará com a presença do Jeep Renegade Dawn of Justice, o SUV compacto usado nas gravações do filme Batman Vs Superman: Dawn of Justice. De edição especial, o Jeep possui um motor 1.6 MultiJet II diesel de 120 cavalos e custará 26.250 dólares (104.755 reais). Especialista em velocidade, para a feira, a Bugatti conta com o carro mais rápido do mundo de produção em série, o Chiron.  O Bugatti Chiron possui um motor 8.0 W16 de incríveis 1.500 cavalos, que faz o veículo atingir a velocidade máxima de 431 km/h. Feito de fibra de carbono e extremamente baixo, o Chiron começará a ser fabricado no segundo semestre deste ano. Com produção limitada a 500 unidades, cada modelo do custará 2,4 milhões de euros (11,7 milhões de reais).

Fonte: R7

Qoros apresenta conceito chamado PHEA

Qoros apresenta conceito chamado PHEA

A Qoros, conhecida por ser a marca Premium da Chery, pode ter sido – temporariamente – do mercado europeu, mas isso não significa que ela não esteja investindo em novas tecnologias para voltar com tudo para o mercado automobilístico da Europa e também para aumentar ainda mais a sua participação em outros países. Prova disso é a sua mais nova parceria com a sueca FreeValve AB - empresa  que é uma divisão responsável pela engenharia automotiva da Koenigsegg -, que resultou em um conceito bastante interessante que foi apresentado pela primeira vez no Salão de Pequim, que está acontecendo na China e que tem sido palco de lançamentos bastante interessantes. Ficou curioso para saber mais? Continue lendo e confira!

PHEA: um novo conceito



A união entre a Qoros e a FreeValve AB tem o objetivo de acelerar o desenvolvimento de um motor livre de comandos de válvula. E esse motor é o que equipa o conceito que foi apresentado no evento, o PHEA. O motor sem válvulas foi batizado pela Qoros de Qamfree. O propulsor equipa um Qoros 3 conceitual e dispensa o comando de válvulas tradicional, que hoje equipa todos os carros que vemos – com exceção dos elétricos, obviamente, que funcionam de maneira completamente diferente. No lugar do tradicional conjunto, o propulsor conceito utiliza um sistema consideravelmente complexo que foi batizado de PHEA, que significa algo parecido com “Atuador Eletrohidropneumático”. Com um nome igualmente complicado, o sistema consiste em um controle eletrônico de abertura e fechamento das válvulas de forma independente. Segundo informações divulgadas pela empresa sueca responsável pela parceria com a Qoros, o gerenciador eletrônico é capaz de atuar diretamente em cada válvula, o que otimiza a abertura e o fechamento, o que por consequência garante o melhor regime de trabalho em qualquer rotação. Dessa forma, o motor emite uma quantidade menor de poluentes e também conta com um menor consumo de combustível, além de, claro, um aumento considerável na performance. O projeto ainda é um conceito, mas a empresa sueca tem grandes planos para ele.

Ainda de acordo com dados divulgados pela FreeValve, no futuro a empresa garante que os motores que hoje são conceito vão chegar menores e mais leves, tendo um desenvolvimento consideravelmente superior aos que são apresentados na atualidade. Para a empresa, a PHEA é uma tecnologia que é equivalente a uma verdadeira revolução que pode ser comparada – ou até mesmo ser considerada maior – do que a gerada pela transição dos carburadores para as injeções diretas. Agora resta saber quando o PHEA vai começar a equipar os carros que conhecemos hoje e se a revolução causada por ele vai ser tão grande e eficiente quanto a causa pela injeção direta.
O propulsor equipa um Qoros 3 conceitual e dispensa o comando de válvulas tradicional, que hoje equipa todos os carros que vemos – exceto elétricos.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

29 de abr de 2016

Ford anuncia motor EcoBlue a diesel na Europa

Ford anuncia motor EcoBlue a diesel na Europa

Na última semana a Ford anunciou a chegada de um novo motor para a sua família de motores ECOBlue. A novidade foi anunciada na Europa e promete agradar quem já gosta da família de motores da Ford. Ficou curioso para saber mais? Continue lendo e confira mais detalhes sobre o novo propulsor.

O novo motor ECOBlue da Ford



O novo motor anunciado em terras europeias vai ser o mais novo integrante da já conhecida família ECOBlue da Ford. A novidade deve ser um propulsor turbodiesel 2.0 litros de quatro cilindros. O lançamento vai ser oferecido em três versões que contam com potências variadas. São elas uma versão com 106 cv, outra com 132 cv e uma última opção de 172 cv. O torque também não foi deixado de lado e, segundo informações divulgadas pela própria Ford, a novidade é capaz de entregar até 20% a mais de torque – a 1.250 rpm – do que o que entregava o seu motor antecessor. O novo motor vai chegar para integrar – e deve ser lançado em breve – na linha das vans Transit e Transit Custom, chegando para substituir o antigo – que hoje equipa as linhas das vans mencionadas – 2.2 litros TDCi movido a diesel. Mais do que um aumento de torque e potência, o novo motor ganhou alguns outros ajustes bastante interessantes e que vão refletir consideravelmente na qualidade de direção do veículo, agradando o consumidor. O novo motor também ganhou, mais do que mais torque e potência, uma redução em seu ruído de quatro decibéis, quando o carro está em marcha lenta. Além disso, o novo motor ECOBlue também tem algumas outras vantagens em relação ao atual TDCi, como o seu peso. A novidade é de 10 a 15 quilos mais leve do que o seu propulsor antecessor.

Entre outras características do novo motor ECOBlue, está um bloco que emite super baixas emissões de poluentes – característica cada vez mais procurada pelos consumidores – que estão de acordo com as normas do Euro 6. Isso acontece graças a novos e sofisticados processos de pós-tratamento para gases de escape que fazem parte do novo motor. Para se ter uma ideia, a emissão de poluentes foi melhorada em mais de 10%, com um consumo de combustível até 13% menor quando comparado ao seu motor antecessor, o TDCi. Desenvolvido pelas equipes de engenharia da Ford da Alemanha em conjunto com a do Reino Unido, a novidade tem tudo para ser um sucesso de público e em breve vai ganhar uma versão para equipar os veículos comuns – de passeio – da marca, substituindo os motores que hoje vemos equipando os veículos da montadora. Uma proposta promissora.
Entre outras características do novo motor ECOBlue, está um bloco que emite super baixas emissões de poluentes.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Peugeot mostra novo painel do 3008

Peugeot mostra novo painel do 3008

Conteúdo em Vídeo
A Peugeot divulgou, de forma oficial, um vídeo que mostra os detalhes do novo modelo de painel i-Cockpit. Apesar de não confirmar nas imagens e também nas informações, claramente é possível perceber que o painel estará na próxima geração do 3008. A novidade está sendo anunciada como uma evolução do referido conceito no atual modelo do Peugeot 208. O projeto foi apresentado durante um evento em Paris, e logo de cara acaba chamando muito atenção pelas linhas futuristas encontradas no design e também pela quantidade de novas tecnologias podem ser identificadas.

Seguindo uma tendência mundial, o quadro de instrumentos deixa de mostrar os mostradores analógicos e abraça de vez a ideia de uma tela completamente digital concentrando todas as informações. O painel conta com 12,3 polegadas, com opções de personalização. A partir da tela será possível acionar opções de navegação, ar-condicionado, entretenimento e telefonia.
Vídeo foi divulgado depois que algumas fotos vazaram.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Golf lidera mercado de hatches médios, mas vendas seguem em baixa em 2016

Golf lidera mercado de hatches médios, mas vendas seguem em baixa em 2016

A economia do país vive dias difíceis e com as recentes medidas adotadas pelo governo no que diz respeito a impostos e taxas, as perspectivas são absolutamente desanimadoras. Esse cenário, de maneira direta ou indireta, acaba afetando o mercado como um todo e uma das indústrias mais afetadas tende a ser a automobilística. O que ilustra isso, por exemplo, é que depois de um fraco ano de 2015, as vendas de carros novos seguem despencando nesse início de 2016. De acordo com informações divulgadas recentemente pela Fenabrave, a queda no volume de vendas no mês de janeiro foi de 38,8% em comparação com o mesmo período no ano passado. A queda se torna ainda mais expressiva quando observamos que 2015 foi o terceiro ano consecutivo com baixa no setor, o volume de vendas caiu 26,55% em relação ao ano anterior. Voltando para a situação atual, entre as vertentes que mais têm experimentado retração nesse começo de ano está a dos hatches médios. A categoria tem o Golf como líder no levantamento parcial de fevereiro, mas não dá razão para comemoração nem mesmo à Volkswagen, já que seu modelo sofre para alcançar a venda de mil unidades no mês.

Vendas dos hatches médios em baixa em 2016

Segundo dados atualizados na quarta-feira, dia 24, o VW Golf, que vendeu 1.229 unidades e liderou a categoria em janeiro, registrou apenas 734 emplacamentos em fevereiro (até a ocasião do levantamento).

Vendas do Ford Focus 2016

E se para o líder as coisas não vão bem, o resultado é obviamente ainda pior para os demais. O rival Ford Focus, por exemplo, apareceu na segunda posição com apenas 428 emplacamentos, algo não tão próximo dos 664 vendidos em janeiro. Leia também:
  • Carros mais vendidos 2015 – Onix supera o Pálio e fecha o ano na liderança
  • Cuidado com o prejuízo: veja erros comuns de quem vai comprar um carro novo
  • Levantamento aponta quais são os carros com manutenção mais barata no Brasil – confira

Chevrolet Cruze Sport6 LTZ 2016

Na terceira posição quem surgiu foi o Chevrolet Cruze, que há pouco figurava na liderança do segmento. O modelo registrou 217 emplacamentos na parcial de fevereiro, mostrando que pode não atingir sequer a marca de 406 vendas conquistada no mês anterior. Além da situação econômica do país, um fator que pode ter contribuído com a queda nas vendas do modelo da Chevrolet é o fato da empresa ter revelado a nova geração do mesmo em uma exibição feita no Salão de Detroit em janeiro.

Hyudai i30 e Peugeot 308 1.6 THP 2016

Na quarta posição quem veio foi o Hyundai i30, que emplacou 204 unidades (em janeiro foram 287). O modelo foi seguido à distância pelo quinto lugar, o Peugeot 308, que vendeu míseras 80 unidades (no mês de janeiro foram 100) mesmo tendo um propulsor de destaque na categoria.

Fiat Bravo Sporting 2016

E por último temos aqui o Fiat Bravo, que há muito não caminha bem no quadro de vendas. O modelo que em janeiro emplacou 311 unidades, figurou com apenas 74 unidades vendidas na parcial de fevereiro. Nesse caso o resultado pode ter sido influenciado também pela iminente chegada do Toro, que mesmo sendo picape já pode estar atraindo interessados.

Fonte: R7

28 de abr de 2016

Motorista bate em 17 carros dentro de estacionamento

Motorista bate em 17 carros dentro de estacionamento

Conteúdo em Vídeo
Um verdadeiro GTA do mundo real. Essa é a definição do vídeo que está circulando na internet e que mostra uma motorista que consegue bater em 17 veículos diferentes dentro do mesmo estacionamento. Toda a ação foi registrada por uma pessoa que estava do lado de fora, através do celular. De acordo com as informações que circularam com o vídeo e também pelo o que é possível ver em um dos trechos das imagens, a mulher que estaria ao volante estaria também falando no celular ao mesmo tempo que tentava estacionar, o que acabou tirando completamente a atenção dela.

A pessoa que está gravando a cena tenta aproximar o celular da motorista, que responde com um gesto ofensivo. Ou seja, além de colocar os motoristas e os carros em perigo, a motorista também pode representar alto risco para quem gosta de fazer filmes com o seu dispositivo móvel.
Vídeo compara motorista com um jogador de GTA.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Peugeot reestilizado chega ao Salão de Pequim

Peugeot reestilizado chega ao Salão de Pequim

O Salão de Pequim começou na última semana e já tem surpreendido a muitos com as novidades que têm sido apresentadas por lá. O evento da China tem reunidos dezenas de montadoras com novidades que têm feito o coração dos apaixonados por carro disparar. E uma das mais recentes foi a apresentada pela francesa Peugeot, que mostrou no evento um 3008 completamente reestilizado, mantendo o alto padrão de design que já é conhecido da montadora francesa. Ficou curioso para saber o que chega de novo no SUV? Continue lendo e confira!

O novo e reestilizado Peugeot 3008



O SUV da Peugeot apareceu completamente reestilizado enquanto o veículo ainda não ganha uma nova versão. O 3008 reestilizado foi apresentado lado a lado com uma outra novidade da Peugeot, o seu novo sedã 308. O 3008 é o segundo SUV – entre cinco modelos – que já foi lançado pela montadora só neste ano. O primeiro foi o 2008, que apareceu como uma novidade no Salão de Genebra, que aconteceu na Suíça ainda agora em março. Entre as mudanças sofridas pelo 3008 estão algumas alterações visuais que podem ser percebidas logo ao observar o veículo. Entre elas estão mudanças na frente do veículo, que ganhou grade, faróis e também um para-choque redesenhados. Nas mudanças da frente o que mais se destaca é a nova grade, que agora tem linhas verticais e que passou a integrar o leão que é símbolo da marca, que no modelo anterior costumava ficar em cima do capô do veículo. A traseira não foi deixada de lado e também ganhou alterações, como uma nova assinatura de luzes. Todas essas mudanças visuais resultam em um SUV com aparência mais robusta e mais condizente com o mercado atual, diferente do visual arredondado que aparecia no modelo anterior do utilitário. No mercado chinês o veículo vai ganhar um novo equipamento bastante interessante que vai permitir ao motorista ter uma visão de 360° ao redor do veículo.

Apesar de o veículo já ter sido apresentado no Salão de Pequim, a Peugeot ainda não divulgou maiores informações sobre o SUV. Dados como motorização do novo modelo e data do início de vendas do veículo ainda são desconhecidos. Isso porque apesar da reestilização ter aparecido agora no Salão de Pequim, a nova geração do 3008 ainda é aguardada, estando prevista para ser apresentada pela primeira vez no Salão de Paris, que vai acontecer em outubro. Para tristeza dos brasileiros, a montadora ainda não anunciou nenhuma previsão de chegada para a nova geração do veículo no mercado do Brasil. Para quem gosta da montadora francesa e de seu SUV agora resta esperar para saber mais detalhes sobre como vai chegar a novidade.
Para tristeza dos brasileiros, a montadora ainda não anunciou nenhuma previsão de chegada para a nova geração do veículo no mercado do Brasil.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Indenização por acidente de trânsito cai pela 1ª vez na série histórica

Indenização por acidente de trânsito cai pela 1ª vez na série histórica






Há dois anos já se registrava queda nas indenizações por morte BRPM O total de indenizações pagas no seguro DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) no ano passado caiu pela primeira vez na série histórica, iniciada em 2008. De acordo com informações da Seguradora Líder-DPVAT, foram pagas 652.349 indenizações referentes a reembolso de despesas hospitalares, invalidez permanente e morte decorrentes de acidentes de trânsito no ano passado. Esse total é 15% menor do que o registrado no ano anterior. Segundo o diretor-presidente da Seguradora Líder-DPVAT, Ricardo Xavier, há dois anos já se registrava queda nas indenizações por morte, mas a queda geral foi a primeira e é um reflexo da fiscalização mais efetiva. — Os efeitos da Lei Seca e da conscientização sobre o uso do equipamento de segurança no trânsito já começam a fazer efeito. Mesmo assim, o número de indenizações por invalidez permanente ainda é muito alto. No ano passado, foram mais de 515 mil indenizações desse tipo. Leia mais notícias de Brasil e Política Conheça o R7 Play e assista a todos os programas da Record na íntegra! Ao todo, o seguro obrigatório DPVAT pagou R$ 3,381 bilhões em indenizações em 2015. A maior parte (79%) foram para invalidez permanente. O número de indenizações desse tipo caiu 13% em relação ao ano de 2014. A maior queda, 19%, foi registrada na cobertura por morte. Em 2015, foram pagas 42.501 indenizações desse tipo, enquanto que, em 2014, foram 52.226. Já o reembolso de despesas hospitalares, com queda de 18%, passou de 115.446 indenizações em 2014 para 94.097, no ano passado. — Temos que investir, agora, na educação do cidadão no trânsito, para que o número de acidentes reduza ainda mais. Motocicletas As indenizações pagas por acidentes com motocicletas correspondem a 76% do total, ou seja, são mais de 497 mil indenizações com esse tipo de veículo. Dos acidentes causados por moto, 83% geram algum tipo de invalidez permanente, 4% causam alguma morte e 13% resultam em reembolso de despesas hospitalares. Os automóveis somaram 19% (124.267) das indenizações pagas no ano passado, enquanto caminhões e pick-ups ficaram com 3% (17.973) e os ônibus, micro-ônibus e vans, com 2% (13.100). Perfil das vítimas O levantamento da Seguradora Líder-DPVAT mostra que 74% das vítimas de trânsito que foram indenizadas são homens. A faixa etária que concentra o maior número de indenizações (51%), continua sendo de 18 a 34 anos. — Isso representa um peso social gigantesco, porque são jovens, em idade ativa, produtivos. E isso gera reflexos sociais, na Previdência e no sistema de saúde. Já que muitos leitos dos hospitais ficam tomados por acidentados. Regiões Apesar de ter apenas 16,92% da frota nacional, a região Nordeste concentrou um em cada três (33% ou 213.726) indenizações pagas no ano passado. Já o Sudeste, que tem 49,21% da frota, respondeu por 29% (192.724) das indenizações. A região Sul ficou com 18% (116.613) das indenizações pagas e possui 19,69% da frota. Já as regiões Norte e Centro-Oeste tiveram, cada uma, 10% (cerca de 65 mil) das indenizações do seguro DPVAT. Essas regiões possuem 5,08% e 9,10%, respectivamente, da frota de veículos do País.

Fonte: R7

Audi apresenta carro com espaço para longboard

Audi apresenta carro com espaço para longboard

Conteúdo em Vídeo
A Audi apresentou um novo conceito de automóvel conhecido como Connected Mobility. Trata-se de um modelo que é baseado no Q3 e que traz uma novidade muito interessante, especialmente para os desportistas: um espaço para levar um longoboard, que não ocupa o espaço interno dedicado aos passageiros e nem do porta malas. De acordo com as informações que forma divulgadas pela Audi no evento, o Longoboard elétrico seria parte do veículo, inclusive com as mesmas cores do carro. O motorista pode simplesmente sair do seu carro, acionar um botão para abrir uma espécie de gaveta, pegar o seu longoboard e sair andando.

Mais do que simplesmente oferecer uma outra opção de locomoção, o carro conta com um sistema que mostra ao motorista se é melhor ele ir de carro ou de longoboard em um determinado destino. Ele também pode mostrar o melhor lugar para estacionar o carro e continuar o trajeto de longboard, para chegar mais rápido e de uma maneira mais eficiente.
O skate fica instalado no para choque do veículo.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Teste do Chevrolet Cobalt Elite

Teste do Chevrolet Cobalt Elite

A robustez sempre esteve explícita na estética do Chevrolet Cobalt. Mas a modernização recente entre os modelos compactos e a importância cada vez maior do design na motivação de compra de um automóvel fizeram com que a marca norte-americana se mexesse. As mudanças aconteceram em dezembro último, o que fez com que o sedã já entrasse em 2016 “de cara nova” – foi o primeiro modelo a ganhar no Brasil a nova identidade visual mundial da marca, que vai se espalhar por toda a linha. O facelift trouxe uma proposta mais elegante que se encaixa muito bem na sua versão de topo, a Elite. E adiciona um ar de exclusividade ao carro que pode atrair possíveis consumidores de variantes de entrada de modelos maiores. Veja também:
  • Teste do Chevrolet Cobalt Graphite
As alterações aconteceram quase exclusivamente na parte externa. Novos para-choques foram adotados à frente e atrás e as linhas horizontais ganharam destaque. Uma estratégia que ajuda a transmitir uma ideia de espaço, ao valorizar a largura do três volumes. Os faróis estão em formato afilado e com dupla parábola, enquanto as lanternas, agora deitadas, invadem a tampa do porta-malas. De perfil, no entanto, só o para-lamas foi mexido. As portas permaneceram intactas.

Por dentro, a ideia de elegância é empregada com o acabamento bicolor, que combina couro preto e marrom no interior preto. Essa mistura já é vista em modelos mais caros da marca, como o sedã médio Cruze. A outra novidade é a adoção do sistema de assistência OnStar, lançado recentemente no Brasil e que incorpora uma conexão via telefone ao veículo. Através dela, é possível acessar diversos serviços – desde um pedido de socorro em caso de acidente a um simples agendamento em salão de beleza ou consulta ao horóscopo do dia.

A central multimídia My Link também foi melhorada e vem na chamada segunda geração. Os comandos de toque foram substituídos por botões físicos, localizados à direita da tela. Com a referência tátil, a ideia é aumentar a segurança possibilitando que o motorista acesse as funções sem precisar olhar para o equipamento. O sistema é compatível ainda com Android Auto, da Google, e Car Play, da Apple. Já a motorização do Cobalt Elite é a mesma de suas últimas versões de topo. Trata-se do conhecido propulsor 1.8 de 106/108 cv com gasolina/etanol no tanque. A transmissão nesta configuração é sempre automática de seis marchas, com modo sequencial acionado através de um comutador na própria alavanca.

O Cobalt até já foi um sucesso de público, com médias até superiores a 5 mil unidades mensais vendidas. Mas esses números caíram bastante e 2015 fechou com 1.922 emplacamentos mensais registrados entre janeiro e dezembro. A falta de novidades tecnológicas e internas pode ser um dos motivos pelos quais esses resultados não melhoraram. Na verdade, até caíram, se comparados com o próprio mercado de carros de passeio no primeiro trimestre do ano. Em 2015, foram 2.366 exemplares vendidos em cada mês, entre janeiro e março. Já em 2016, esse número é de apenas 1.676. Ou seja, uma retração de 29,2%, enquanto os emplacamentos gerais desceram 26,4% no mesmo período. Pelo visto, mudar a “casca” não é o bastante para impressionar o consumidor atual.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 1.8 litro de 108 cv e 17,1 kgfm de torque impulsiona o sedã de maneira correta. O torque máximo a 3.200 rpm permite arrancadas e retomadas boas. A transmissão automática de seis velocidades trabalha harmoniosamente com o motor, com bom tempo de troca e respostas imediatas às pisadas no acelerador. Nota 8. Estabilidade – O Cobalt Elite não tem nenhuma vocação esportiva. Mas o sedã compacto se mantém estável tanto nas curvas quanto nas retas em velocidades mais elevadas. As rolagens de carroceria até aparecem, mas nada muito diferente da realidade da categoria. A sensação de segurança se mantém presente sempre, desde que não se coloque o modelo em seus limites. Até porque ele não conta com qualquer tecnologia de segurança nesse sentido. Nota 7. Interatividade – O face-lift não mudou em nada esse quesito. Os comandos seguem simples e de uso intuitivo. A tela “touch” de 7 polegadas ao centro do painel da versão Elite é fácil de mexer e a configuração ainda conta com o sistema OnStar e volante multifuncional. Decepcionante é o botão localizado na alavanca do câmbio automático, para as trocas manuais. É incômodo o suficiente para se esquecer que ele existe. Nota 7. Consumo – A Chevrolet não participa do Programa de Etiquetagem Veícular do Inmetro. Durante a avaliação, o modelo registrou média de 8,3 km/litro em ciclo misto com gasolina. É pouco para um sedã compacto. Nota 5.

Tecnologia – A plataforma do modelo é a Gamma II, usada mundialmente pela GM para modelos compactos de tração dianteira. Não é sofisticada, mas é razoavelmente recente, de 2010. Os recursos tecnológicos do Cobalt Elite não vão muito além do sistema multimídia touchscreen. Não há qualquer salva-guarda de segurança, além das obrigatórias por lei. Nota 6. Conforto – Nesse ponto, o Cobalt Elite se destaca. O espaço traseiro é amplo para pernas e cabeças e mesmo um quinto elemento não chega a incomodar em distâncias médias. Os bancos revestidos em couro possuem boa densidade e a suspensão absorve com eficiência os desníveis das ruas brasileiras. O isolamento acústico, porém, deixa muito a desejar quando se extrai um pouco mais de vigor do trem de força. Nota 8. Habitalidade – Há nichos suficientes para acomodar os objetos que precisam estar mais à mão do motorista. Além do habitáculo espaçoso, entrar e sair do veículo é fácil devido ao bom ângulo de abertura das portas. O porta-malas é outro ponto a favor: carrega expressivos 563 litros. Nota 9. Acabamento – O Cobalt é um carro racional, que não prima por luxo ou requinte. Os plásticos rígidos são abundantes, mas a versão Elite traz revestimentos em couro que mistura preto e marrom e dá à cabine alguma dose de charme. O preto brilhante aparece no centro do painel, na moldura do sistema multimídia, e nas extremidades, nas saídas laterais do ar-condicionado, além de cobrir parte da alavanca do câmbio. Nota 7.
Design – O face-lift serviu para deixar para trás o visual quadrado que foi motivo de críticas ao sedã desde o seu lançamento. As mudanças estéticas afetaram basicamente a frente e a traseira – incluindo o capô e a tampa do porta-malas. Mas a impressão é a de que se trata de um carro totalmente novo. Os faróis estão afilados e com dupla parábola e as lanternas, deitadas e repartidas pela tampa do compartimento de bagagens. O resultado é um aspecto mais elegante e que amplia a sensação de largura do Cobalt. Nota 8. Custo/Benefício – O Chevrolet Cobalt Elite está entre os sedãs compactos mais caros do mercado. Ele custa R$ 68.990 e não contempla opcionais. Na mesma faixa de preço, está o Hyundai HB20S, que tem 20 cv a mais de potência. E é quase 15% mais caro que um Toyota Etios sedã 1.5 automático e um Renault Logan Dynamique 1.6 com transmissão automatizada. Definitivamente, há opções melhores e bem mais baratas que o Cobalt. Nota 6. Total – O Chevrolet Cobalt Elite somou 71 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

Foi-se o tempo em que o Chevrolet Cobalt exibia um design sem graça e “quadradão”. O face-lift adotado pela marca no fim do ano passado deu uma cara completamente nova ao carro. Agora, ele tem elegância e parece até de categoria superior na versão de topo Elite. A marca adotou no sedã compacto as linhas horizontalizadas de sua nova assinatura, já presente no sedã médio-grande Malibu nos Estados Unidos e que em breve estará também no médio Cruze, que passará a vir da Argentina em breve.  Por outro lado, reestilizações que mexem tanto com o visual de um carro normalmente vêm acompanhadas de alterações internas e inovações tecnológicas. Nesse ponto, a Chevrolet “economizou”. Por dentro, nada mudou. A configuração de topo Elite só surpreende positivamente pelos revestimentos que mesclam couro marrom e preto. Essa combinação até transmite algum requinte ao habitáculo simples, cuja principal atração continua sendo a central multimídia com tela touch de 7 polegadas MyLink.
Os bancos são macios e o espaço é amplo. Achar a melhor posição para dirigir é fácil e todos os comandos – nem são tantos – estão bem localizados e têm leitura simples. O volante tem boa pegada e o porta-malas facilita a vida de quem usa o carro para viajar com a família ou a trabalho, com seus fartos 563 litros de capacidade.  Em movimento, o Cobalt também privilegia o conforto. As trocas de marchas são suaves e o sistema interpreta bem a intenção das pisadas do condutor. Arrancadas e retomadas são eficientes – muito em função do torque máximo estar disponível já aos 3.200 giros. O resultado é um vigor satisfatório sem grande espera. O comportamento também é bom nas curvas e a direção se mostra firme mesmo em velocidades elevadas. O ganho de velocidade é melhorado quando se opta pelas trocas de marchas manuais. O problema aí está no irritante botão utilizado para isso, localizado na própria alavanca do câmbio. Aletas no volante específicas para isso poderiam proporcionar uma direção bem mais instigante.

Ficha técnica

Chevrolet Cobalt Elite

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1796 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Injeção e acelerador eletrônicos.
Transmissão: Câmbio automático de seis velocidades em modo sequencial à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não possui controle de tração.
Potência máxima: 108 cv a 5.400 rpm e 106 cv a 5.600 rpm com etanol e gasolina.
Torque máximo: 17,1 kgfm e 16,4 kgfm a 3.200 rpm com etanol e gasolina.
Diâmetro e curso: 80,5 mm X 88,2 mm.
Taxa de compressão: 10,5:1.
Suspensão: Dianteira do tipo McPherson, com braço de controle ligado e barra estabilizadora. Traseira semi-independente, com eixo de torção e barra estabilizadora soldada no eixo. Não possui controle de estabilidade.
Pneus: 195/65 R15.
Freios: Dianteiros a disco ventilados e traseiros a tambor, com ABS. 
Carroceria: Sedã em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,48 m de comprimento, 1,73 m de largura, 1,52 m de altura e 2,62 m de entre-eixos. Possui airbags frontais.
Peso: 1.135 kg. 
Capacidade do porta-malas: 563 litros.
Tanque de combustível: 54 litros.
Produção: São Caetano do Sul, São Paulo.
Itens de série: ar-condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, alarme, faróis de neblina, sensor de estacionamento, computador de bordo, rodas de alumínio, volante multifuncional, controle de cruzeiro, sistema multimídia My Link, serviço de assistência OnStar, bancos com revestimento em couro, câmara de ré e sensor de chuva e de luminosidade. 
Preço: R$ 68.990.

Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/Carta Z Notícias

Questão de imagem - Cobalt Elite traz nova assinatura de design da Chevrolet, mas mantém interior e tecnologias antigas

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

27 de abr de 2016

Volvo investe no pós-vendas com novo Centro de Desenvolvimento de Competências

Volvo investe no pós-vendas com novo Centro de Desenvolvimento de Competências

Curitiba/PR – Evoluir em períodos de crise é o desejo de qualquer empresa. Para isso, cada uma adota a estratégia que mais se adequa à sua própria realidade. A Volvo, por exemplo, quer enfrentar a queda de cerca de 33% nas vendas de caminhões do primeiro trimestre de 2016 investindo no pós-vendas. Para isso, aposta em ampliar o conhecimento dos responsáveis por treinar equipes técnicas e funcionários da área comercial. A ideia é que o resultado se traduza em mais qualidade e eficiência nos serviços dos concessionários. E essa preparação acontece no Centro de Desenvolvimento de Competências, inaugurado há menos de um ano e instalado no complexo industrial da Volvo, em Curitiba. 

O prédio tem 2.600 m² e comporta salas para treinamentos teóricos e práticos, espaços exclusivos para capacitação em simuladores e garagens para aulas práticas e para exposição de veículos. Atualmente, sete destes cômodos já são utilizados no treinamento específico em chassis, eletricidade, transmissão e motor. Ali, são ministrados desde cursos básicos de mecânica a outros mais sofisticados, como o de Diagnóstico Avançado de Falhas, em que os alunos têm contato com um caminhão ou chassi que sai da fábrica já com falhas estrategicamente criadas. “O objetivo é apoiar o negócio da Volvo por meio da qualificação de pessoas. Não estamos satisfeitos apenas em oferecer uma grade de treinamentos. Queremos antecipar necessidades de aprendizagem e estar mais próximos dos transportadores de cargas e de passageiros”, defende Karen Wasman, gerente do CDC de caminhões e ônibus da Volvo. Os técnicos recebem uma formação completa, com carga horária de cerca de 420 horas – tempo correspondente a uma especialização. Os cursos de atualização anual envolvem mais 120 horas de treinamento para cada profissional. São oferecidas também capacitações nas áreas comercial (Venda e Pós-venda), de gestão (Liderança, Atendimento, Imagem de Marca, RH) e condução (com foco em Segurança e Economia de Combustível). Nesta metodologia, é possível monitorar os indicadores de performance, contribuir com a gestão das pessoas e até avaliar a produtividade das oficinas.

Veja também:
  • Volvo amplia capacidade de passageiros do ônibus B270F com chassi alongado
  • Volvo testa em Curitiba ônibus articulado híbrido
De acordo com a fabricante sueca, o cliente é beneficiado com a inovação tecnológica e educacional das equipes de profissionais que atuam nas concessionárias, além da agilidade na disponibilidade dos veículos. Sem contar, é claro, com a otimização da rentabilidade na operação de transporte. “O CDC aprimora as competências dos técnicos e do pessoal de pós-venda de nossa rede de concessionárias. Ao mesmo tempo, contribui para elevar a qualidade no atendimento e a satisfação do transportador da marca”, garante Carlos Pacheco, diretor de Desenvolvimento de Concessionárias do Grupo Volvo América Latina.

O empenho da Volvo em qualificar a equipe técnica mostra seus resultados no campeonato mundial de profissionais de pós-venda de caminhões e ônibus que a marca organiza anualmente. Neste ano, cinco equipes da América Latina estão na final Vista – o Volvo International Service Training Award. E três desses grupos são do Brasil. As outras são do Peru e do Uruguai. As seminifinais aconteceram no início de abril e a final, entre 32 equipes, está prevista para ocorrer em junho, na Suécia. “O Vista é uma parte importante de nosso esforço para atingir a mais alta qualidade em serviços em todos os mercados onde estamos presentes”, observa Carlos Pacheco. Durante as provas práticas, as equipes que chegaram à última etapa tiveram 30 minutos para encontrar e solucionar problemas comuns na rotina de trabalho na concessionária.


Autor: Fabio Perrotta Jr. (Auto Press)
Fotos: Divulgação

Controle de qualidade - Volvo aposta na qualificação técnica para melhorar seu pós-vendas e reduzir impacto da crise nos concessionários

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

Nissan apresenta novo Tiida na China

Nissan apresenta novo Tiida na China

O Salão de Pequim, que está acontecendo na China, começou essa semana e já está a todo vapor apresentando novidades que têm deixado o público empolgado e ansioso para a comercialização dos veículos apresentados. E agora foi a vez da Nissan, que apresentou em território chinês a nova versão do seu compacto Tiida, como uma investida em atrair o público mais jovem no mercado automobilístico chinês. Conhecido como Pulsar na Europa, o novo Tiida foi apresentado pela primeira vez agora no Salão de Pequim e está previsto para começar a ser vendido no país já a partir da metade do ano. Aqueles que visitarem o Salão e gostarem do veículo já podem fazer a pré-ordem do novo modelo. Entre as mudanças da nova versão estão alterações no design, no desempenho e também na segurança. Ficou curioso para saber mais? Continue lendo e confira.

Como vai chegar o novo Tiida



As mudanças no novo Tiida já começam a ser percebidas do lado de fora do veículo. Na parte exterior do compacto as principais mudanças se encontram na grade frontal, que agora conta com o estilo V-motion, que já é encontrado no March, também da marca. No interior as mudanças ficam por conta do sistema multimídia, que agora possui uma tela de sete polegadas, além de um sistema de frenagem de emergência, de alerta de saída de faixa e também com um monitor de pontos cegos. Sob o capô, o novo Tiida conta com um motor 1.6 HR16DE que é acompanhado por um câmbio CVT Xtronic. Além disso o veículo vai chegar com a função start/stop e pode rodar até 18,8 quilômetros por litro de combustível, de acordo com informações divulgadas pela montadora japonesa.

Novo conceito da Nissan



Outra novidade da Nissan que apareceu lado a lado do novo Tiida foi o novo conceito da Nissan, também apresentado no Salão de Pequim, o conceito IDS ou Intelligent Driving Solution – Solução de Direção Inteligente, em tradução livre. O novo conceito representa a visão da marca para o seu futuro, com zero emissões e também zero mortes no trânsito envolvendo os seus veículos, transformando a relação entre o carro e o motorista. O carro conceito conta com uma bateria de 60 kWh que é esperado que tenha uma autonomia de até 550 km. Além disso ele também conta com tecnologias de assistência de direção que serão implementadas visando que o carro seja autônomo em todas as ocasiões. A previsão e a expectativa da montadora japonesa é que esse conceito, fruto da aliança entre Nissan e Renault sejam uma realidade no mercado até 2020, implementando tecnologias autônomas em mais de dez de seus principais modelos em circulação.
Sob o capô, o novo Tiida conta com um motor 1.6 HR16DE que é acompanhado por um câmbio CVT Xtronic.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Nova S10 2017 não sofre alteração de preço

Nova S10 2017 não sofre alteração de preço

Na última semana a Chevrolet anunciou que a sua nova S10 2017 vai chegar ao mercado brasileiro já agora em maio completamente renovada. O modelo não é uma nova geração, mas ganhou mudanças que vão bem além da tradicional atualização visual. A reestilização do modelo foi inspirada na prima americana da S10, a Chevy Colorado, e ganhou atualizações bastante interessantes. E o melhor ainda, o novo modelo não vai sofrer alteração de preço no mercado. Ficou curioso para saber mais? Continue lendo e confira!

Nova Chevrolet S10 2017



As mudanças na nova S10 2017 já começam a ser vistas na parte frontal do veículo. Inspirada em sua prima americana, a picape ganhou uma nova grade frontal que agora é horizontal e com faróis integrados, além de novos para-choques e um capô redesenhado que agora tem uma cavidade esculpida. No interior um painel completamente novo chama atenção, além do novo design e também materiais de equipamento melhores. Mas mais do que uma revitalizada no visual, a S10 2017 ganhou também mudanças mais interessantes. A nova S10 2017 chega com ruído interno menor, tudo por causa dos novos coxins do motor e também das novas molduras em todas as portas. Além disso, a Chevrolet pensou na dirigibilidade em seu novo modelo. Para isso a direção hidráulica saiu e deu lugar a um sistema que conta com assistência elétrica e a suspensão foi completamente reprojetada. A carroceria também ganhou coxins novos e para completar os pneus aparecem com um novo composto que ajuda a reduzir o consumo de combustível do veículo, tudo por causa da maior quantidade de sílica, que reduz a resistência ao rolamento.

Como se não bastasse, o veículo chegou também com ainda mais novidades. A lista de equipamentos da nova S10 2017, principalmente na versão top de linha, a High Country. O novo modelo chega com sistema auxiliar de partidas em rampas, controle eletrônico de descida, alerta de colisão, aviso de mudança involuntária de faixa, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, câmera de ré, luzes de posição de LED, sistema de ignição à distância, central de multimídia equipada com MyLink que é compatível com os sistemas CarPlay, da Apple, e Android Auto, e também sistema de monitoramento OnStar, que conta com funcionalidades revistas e ampliadas. A novidade vai chegar disponível ao mercado brasileiro em 13 versões. O número alto é o resultado da combinação de opção de cabines - que podem ser simples com caçamba, simples com chassi ou dupla -, dois motores – que pode ser flex ou a diesel -, duas transmissões – manual ou automática – e também quatro padrões de acabamento – o Chassi, o LT, o LTZ e também o High Country.
Apesar da não alteração do preço, ele chega com inúmeras novidades, desde a estética até a diminuição do ruído do motor.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

26 de abr de 2016

Porsche 718 Cayman é atração em Pequim

Porsche 718 Cayman é atração em Pequim

O Salão de Pequim, que está acontecendo na China, mal começou e já tem sido palco de alguns lançamentos que têm feito o coração dos apaixonados por carros acelerar. E uma das mais recentes veio da Porsche, que apresentou pela primeira vez no salão o seu novo 718 Cayman, que chega ainda mais esportivo e potente. A novidade chega três meses após o lançamento do 718 Boxster, para deixar ainda mais contentes aqueles que amam a marca. Com uma série de mudanças, principalmente em seu conjunto mecânico, que chega surpreendendo. Ficou curioso para saber mais detalhes? Continue lendo e confira!

O novo Porsche 718 Cayman



Uma das maiores atrações da marca a serem apresentadas no Salão de Pequim, o novo Porsche 718 Cayman tem como principal novidade um novo motor sob seu capô. Agora ele chega com um novo propulsor turbo de quatro cilindros. A novidade é 2.0 litros e entrega até 300 cv e torque máximo de 38,7 kgfm, alcançado entre 1.950 e 4.500 rpm. Esses números representam um aumento de 25 cv e 9,1 kgfm de torque quando a novidade é colocada lado a lado com sua versão anterior, que era equipada com um motor 2.7 litros de seis cilindros. Já a versão S do novo 718 Cayman, a versão top de linha do modelo, vai chegar ao mercado equipada com um motor 2.5 litros que alcança até 349 cv e torque máximo de 42,9 kgfm. Nessa versão os números em questão representam um aumento de 25 cv e 5,1 kgfm de torque a mais do que o seu modelo antecessor, que era equipado com um motor 3.4 litros aspirado de seis cilindros. Para acompanhar o motor vão chegar duas opções de câmbio. Uma será o câmbio manual de seis velocidades e a outra será um câmbio PDK que conta com sete marchas e dupla embreagem.

Caso o modelo venha equipado com a transmissão automática e com o pacote opcional Sport Chrono, o 718 Cayman é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4,7 segundos, alcançando a velocidade máxima de 273 km/h. A versão S do 718 Cayman é mais veloz e é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4,2 segundos, sendo capaz de alcançar a velocidade máxima de 285 km/h. Completando as novidades estão o novo conjunto de freios e um chassi com novo ajuste, com suspensão de molas mais firmes e barras estabilizadores de maior diâmetro. Assim os pneus traseiros ficaram mais largos e a direção mais direta. A parte externa também ganhou atualizações visuais que deixaram o veículo ainda mais bonito, como para-choques redesenhados e outras modificações.
A versão S do 718 Cayman é mais veloz e é capaz de acelerar de 0-100 km/h em 4,2 segundos, sendo capaz de alcançar a velocidade máxima de 285 km/h.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Cachorro aparece manobrando Tesla Model S

Cachorro aparece manobrando Tesla Model S

Conteúdo em Vídeo
Ainda não conseguimos chegar ao patamar tecnológico que vários filmes e obras literárias imaginaram para os anos que vivemos, mas mesmo assim podemos perceber que algumas coisas estão se encaminhando para um futuro um tanto quanto estranho. Este vídeo apresentam imagens de um carro “conduzindo” um Tesla Model S. É claro que, na verdade, apesar do cachorro não estar conduzindo e manobrando o veículo propriamente dito, ele aparece sentado no banco do motorista enquanto o piloto automático do carro faz o trabalho de manobra-lo para fora da garagem.

É possível perceber que o modelo realmente consegue fazer um bom trabalho ao tirar o carro de dentro da garagem sem qualquer tipo de incidente. Em um determinado momento o veículo chega até mesmo a parar quando um dos sensores detecta a pessoa que está gravando o vídeo.
Dog foi colocado no banco do motorista enquanto o veículo sai da garagem.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Lifan X60 ganha câmbio automático CVT

Lifan X60 ganha câmbio automático CVT

Na última semana a Lifan anunciou algumas novidades para o seu crossover que vão chegar ainda no segundo semestre deste ano. As mudanças chegam para manter, ou até mesmo aumentar, as vendas do veículo enquanto a nova geração, que está prevista para ser lançada em 2017, ainda não chega ao mercado. Veja também:
  • Lifan X60 tem preços a partir de R$ 61.990
Conhecido por ter um ótimo custo-benefício, o SUV Lifan X60 conta com algumas falhas mas tem uma relação entre tamanho e preço bem difícil de encontrar no mercado de automóveis de hoje em dia. O carro chinês é considerado o mais vendido da China no país desde o ano passado e entre setembro e outubro promete chegar com novidades a mercado brasileiro. Isso porque ele deseja segurar a liderança no segmento mesmo com a chegada dos novos crossovers da também chinesa JAC, com os seus T5 e T6. Ficou curioso para ver o que chega de novo? Continue lendo e confira!

As mudanças no Lifan X60



As novidades do SUV começam pela parte visual. Ele chega com uma frente bastante diferente da que é vista nos modelos atuais e também ganha algumas outras modificações, como saída de escape dupla, novos retrovisores e comandos do ar-condicionado redesenhados na parte interna do veículo. Mas a principal novidade do Lifan X60 está na parte mecânica do veículo. Isso porque o SUV finalmente foi equipado com uma transmissão automática, um dos itens que tem sido cada vez mais pedido pelos consumidores e que é praticamente essencial para um veículo nesta faixa de preço, algo que ainda não aparecia no Lifan X60. Mais do que apenas um câmbio automático, o Lifan X60 vai chegar com um câmbio CVT – ou seja, um câmbio continuamente variável – o mesmo modelo que já é utilizado pela Honda, em seus modelos HR-V e Fit, e também pela Toyota, no Corolla, além de diversos outros modelos. Entre outras mudanças estão os detalhes do acabamento do veículo, que também devem ser alterados pela montadora. O SUV também deve ganhar uma central de multimídia maior quando comparada a que equipa o modelo atual e também deve ser mais completa, com uma tela de oito polegadas.

Todas essas mudanças estéticas e principalmente o novo câmbio automático chegam para tentar manter a liderança da Lifan nas vendas do crossover até que a nova geração do modelo chegue ao mercado, o que deve acontecer em 2017, com o veículo sendo lançado como ano e modelo 2018. Os preços da novidade ainda não foram divulgados, mas é esperado que eles apareçam um pouco mais altos do que o praticado nas versões atuais. E isso não só porque o câmbio automático chega como novidade, mas também porque a Lifan tem segurado os preços do seu veículo há um tempo já. Se considerarmos que o dólar esteja estável, é previsto que as versões manuais passem dos atuais R$ 61.990 e R$ 65.990, na versão Talent S/Vip, para cerca de R$ 63,9 mil e R$ 67,9 mil, respectivamente. Enquanto as automáticas devem chegar entre R$ 67,9 mil e R$ 71,9 mil.
Além do câmbio CVT, ele chega com uma frente bastante diferente da que é vista nos modelos atuais e também ganha algumas outras modificações.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

25 de abr de 2016

Novo Audi TT RS chega com 400 cv

Novo Audi TT RS chega com 400 cv

O Salão de Pequim acabou de ser inaugurado na China e já chegou com novidades que estão deixando os apaixonados por carros bem animados. Isso porque o evento que começou no último dia 25 está sendo o palco para a apresentação da nova geração do Audi TT RS. A novidade é a versão mais esportiva e apimentada da linha do esportivo alemão e chega em duas configurações diferentes, a cupê e a roadster. Ficou curioso para saber mais sobre a novidade? Continue lendo e confira!

A nova geração potente do Audi TT RS



Donos de um novo motor 2.5 litros TFSI de cinco cilindros e um bloco de alumínio que contribuiu para uma redução de peso de 10 kg do veículo em relação ao modelo anterior, o novo Audi TT RS chegou apimentado. Isso porque a novidade é capaz de entregar até 400 cv, o que representa um aumento de 60 cv em relação ao seu modelo antecessor, e 48,9 kgfm de torque máximo. Para completar o conjunto o modelo chega com um câmbio S Tronic de sete marchas e dupla embreagem acompanhada de tração integral quattro. Segundo dados que foram divulgados pela montadora, o cupê é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,7 segundos e o roadster é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,9 segundos. Ambos os veículos são capazes de alcançar a velocidade máxima de 250 km/h ou 280 km/h, que aparece como um opcional para os veículos. Mas as novidades dos veículos não param por aí e ele chega com mais alguns itens novos. Completando a lista de novidades, o Audi TT RS chega com uma nova suspensão, o que serviu para reduzir a altura do carro em 10 mm e que é acompanhada de amortecedores adaptativos. Por fim, completando as novidades mecânicas aparecem as novas rodas de liga leve de 19 polegadas e freios a disco de 370 mm. Como opcional aparecem as rodas aro 20 e freios de carbono-cerâmica. O visual também foi remodelado e ganhou novidades. Entre elas estão para-choques que ganharam um desenho exclusivo, uma grade com novo formato interno e uma moldura de alumínio que ganhou o nome do modelo do carro na lateral esquerda e também a inscrição quattro na base. Mais ainda, também ganhou spoilers, saias laterais, retrovisores com capa em alumínio ou fibra de carbono e um aerofólio traseiro novos. No interior as mudanças foram mais discretas, mas ainda marcantes. Isso porque o novo Audi TT RS ganhou bancos esportivos que aparecem como o principal diferencial em relação ao seu modelo antecessor.

Comercialização

Para a felicidade dos compradores brasileiros da Audi, o novo Audi TT RS vai ser oferecido mundo todo, inclusive no Brasil. Os preços para o mercado brasileiro ainda não foram divulgados, mas dá para ter uma ideia observando os preços que serão oferecidos na Europa. No mercado europeu, o veículo começará em 66.400 euros e 69.200 euros para o cupê o roadster, respectivamente.
O cupê é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,7 segundos e o roadster é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,9 segundos.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Confira o processo de pintura do carro da Toro Rosso

Confira o processo de pintura do carro da Toro Rosso

Conteúdo em Vídeo
A Escuderia Toro Rosso divulgou um vídeo na internet onde mostra um pouco do processo de pintura da carroceria dos carros que estão sendo utilizados nas provas de Fórmula-1. Muitos pensavam se tratar de um processo automatizado, com uma série de robôs colocando as tintas exatamente nos seus locais, mas as imagens mostram algo bem diferente.

A pintura acontece com um processo manual, quase que artesanal, para conseguir dar vida ao imponente touro da marca de energéticos. Até mesmo pincéis são utilizados, para que os detalhes da pintura ganhem ainda mais destaque. Tanto a pintura do carro de Max Verstappen quanto a de Carlos Sainz Jr. são feitas na sede da escuderia, em Faenza.
O processo não é automatizado como a maioria pensava.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

22 de abr de 2016

Conheça a curiosa bicicleta-carro que está chamando atenção do mundo

Conheça a curiosa bicicleta-carro que está chamando atenção do mundo

Conteúdo em Vídeo
Um engenheiro suíço tinha um problema. Ele adora andar de bicicleta para cima e para baixo, mas nem sempre consegue se locomover com a magrela em função da grande quantidade de neve que cai na sua região. Mas ele não queria ter que se render aos modelos comuns de carro. Então ele criou uma solução: Inventou uma espécie de bicicleta-carro. O veículo fabricado na garagem da sua casa é bastante leve, chegando a 70 quilos, com uma altura semelhante à de um carro popular. Ele conta com todas as proteções necessárias para fazer com que a pessoa consiga se locomover na neve, por exemplo.

O carro ainda conta com um encaixe para um reboque, o que facilita a vida na hora que o engenheiro precisa levar algum tipo de carga para um determinado lugar. Também tem um guarda-sol, luzes, para-brisas e sistema de ventilação natural.
Engenheiro suíço criou este híbrido curioso.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

21 de abr de 2016

Impressões do Toyota Etios linha 2017

Impressões do Toyota Etios linha 2017

A Toyota ouviu os consumidores e a imprensa especializada e elegeu uma lista de 15 aspectos que deveriam ser mudados na família de compactos Etios. As críticas ao carro iam da pobreza dos materiais de acabamento a conceito do painel. Ano a ano, desde 2014, a montadora japonesa foi modificando os itens um a um, até desembocar na linha 2017 com todas as reclamações respondidas. Caso da oferta de transmissão automática e do aumento perto de 10% na potência dos motores. Só que a parte estética ficou fora da tal lista. O Etios se manteve basicamente igual ao modelo lançado em 2012. Para dizer que mudou alguma coisa, as rodas e calotas têm novo desenho e o tipo de antena de rádio foi trocado nos modelos que chegam às concessionárias a partir de 28 de abril. Veja também:
  • Teste do Toyota Etios Cross
  • Teste do Toyota Etios Platinum hatch
Há bons motivos para esse descasamento na renovação de forma e conteúdo. O primeiro deles a lógica de que o bem se faz aos poucos. Se a entrada da transmissão automática já deve animar as vendas, como prevê a Toyota, melhor guardar o trunfo de um face-lift para o futuro – provavelmente na linha 2018. A segunda razão é que as mudanças promovidas agora já forçaram um reajuste na tabela para recompor a margem de lucro. A grosso modo, o acréscimo no preço foi de 5%. Os preços iam de R$ 41.890 para o Etios X 1.3 hatch, o básico, até R$ 54.290 do Etios XLS 1.5 sedã, o top. Agora vão de R$ 43.990 a R$ 56.795. O Etios Cross 1.5 passou de R$ 54.790 para R$ 57.395. O câmbio automático de quatro velocidades, disponível para todos os modelos e versões, acrescenta sempre R$ 3.500.

As melhorias, de fato, foram significativas. Caso do câmbio manual, que ganhou a sexta marcha. Os motores deixaram de ser importados e agora são construídos em Porto Feliz, São Paulo. E na mudança de endereço, foram modernizados. Para começar, ganharam duplo comando de válvulas variável na admissão e no escape. O comando também ganhou balancins roletados no lugar dos antigos tuchos hidráulicos e o cabeçote foi redesenhado, o que elevou a taxa de compressão de 12,1:1 para 13:1. Todas estas mudanças resultaram em mais potência e torque. O motor 1.3 passou de 84/90 cv para 88/98 cv, enquanto o 1.5 pulou de 92/96,5 cv para 102/107 cv com gasolina/etanol. O torque cresceu menos, em média 5%. Agora chega a 12,5/13,1 kgfm no motor 1.3 e 14,3/14,7 kgfm no 1.5.

Ainda na parte mecânica, foram implementadas outras melhorias. Caso do pré-aquecimento diretamente na flauta de injeção, o que dispensa o tanquinho nas partidas. A direção elétrica e molas e amortecedores foram recalibrados e os batentes da suspensão passam a ser hidráulicos. Outra mudança invisível é a melhoria do isolamento acústico com para-brisas e vidros das portas da frente mais grossos e material fonoabsorvente sob os para-lamas dianteiros.

O interior recebeu uma boa atenção da Toyota. Os materiais já haviam melhorado de aspecto em 2014, quando foram mudados os revestimentos, com a aplicação de plástico em preto brilhante no console central. Agora foi a vez do painel, que passa a ser digital em todas as versões, em uma tela de 4,2 polegadas em TFT. Ela é dividida em duas partes. Do lado esquerdo ficam o velocímetro, mostrador de combustível e os hodômetros digitais. Do lado direito, as informações são configuráveis, entre dois tipos de tacômetro – em barra ou simulando um mostrador analógico –, informações sobre consumo e outros dados do computador de bordo.

Mesmo com o mercado interno em queda, os executivos da marca apostam em um crescimento entre 10 e 12% nas vendas do Etios este ano, em relação a 2015, principalmente por conta da chegada da transmissão automática, que equiparia 40% dos modelos. Nas palavras do otimista Presidente da Toyota para a América Latina e Caribe, Steve St. Angelo, “Diziam que era um carro feito para a Índia. Agora é feito para o Brasil”.

O cálculo é de 68 mil unidades no ano, aproximadamente 6.700 por mês, com um possível aumento da versão três volumes na proporção que vinha se mantendo desde o lançamento, de três hatches vendidos para cada dois sedãs. Mesmo com o anúncio do aumento da exportação, este volume talvez ainda não seja suficiente para que entre em funcionamento a expansão da fábrica de Sorocaba. No início do ano, a Toyota concluiu a ampliação da capacidade de produção de 80 mil para 120 mil. Está tudo prontinho e tem até pessoal já treinado, à espera que o mercado melhore de humor. 

Primeiras impressões

Equilíbrio ancestral

Mogi das Cruzes/SP – Pouco a pouco, a Toyota vai aprimorando o Etios. Sobraram apenas dois elementos do verdadeiro "patinho feio" surgido em 2012. Um deles é o desenho externo, sem charme e antiguinho. Essa pendência só deve ser reaolvido em um face-lift, que deve acontecer em um futuro próximo. O outro elemento é menos importante, mas não deixa de ser um prova física do passado estético condenável do interior: a tampa do porta-luvas tem um buraco do lado direito para encaixar a saída de ar. A extração desse exotismo deve vir junto com o novo desenho externo – não faria muito sentido redesenhar apenas o interior. E as críticas ao compacto da marca japonesa acabam por aí. E ficam quase fúteis diante da excelente dinâmica do modelo. Os motores, produzidos em Porto Feliz, parecem conhecer desde sempre os novos câmbios, tal harmonia demonstram entre si. Os engates do câmbio mecânico de seis marchas são justos, precisos e suaves. E o trabalho ainda é aliviado pela nova embreagem, que passou a ser hidráulica. No caso da transmissão automática, ela se dá bem tanto com o motor 1.3 quanto com o 1.5. E apesar de ter apenas quatro marchas, é muito bem escalonada e nem no motor menos potente há buracos na aceleração ou trancos nas trocas.
Ganho de potência é bem-vindo sempre, mas não chegava a ser uma premência no caso do Etios. De qualquer forma, a Toyota afirma que o carro ficou 9% mais econômico com novo cabeçote, bem mais sofisticado. Ele tem comandos variáveis, balancins roletados e taxa de compressão mais alta, faz o rendimento crescer em 10% na potência e 5% no torque. Nessa leva, vieram também a recalibração da direção elétrica, mais leve, e da suspensão, mais macia. Tudo, na verdade, em busca de mais conforto para aumentar a percepção de qualidade em quem dirige.
Essa também é a função do novo e estiloso painel digital. Segundo a marca, ele utiliza a mesma tecnologia de alta resolução aplicada aos painéis dos modelos da Lexus e no Prius. E, de fato, mesmo sem ter dimensões muito generosas – tem no total 4,2 polegadas –, dá uma leitura clara e agradável – ainda mais porque está protegido da luz e dos reflexos por estar no fundo do cluster. A nova central multimídia bem moderna, com entradas USB e HDMI, também combina com o conjunto. A ela cabe só uma pequena crítica: não tem controle de volume próprio. É preciso recorrer ao volante multifuncional para aumentar ou diminuir o som. Nesse ponto, o carona não tem vez.

Ficha técnica

Toyota Etios 2017 

Motor: 1.3: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.329 cm³, quatro cilindros em linha, com quatro válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas variável na admissão e no escape. Injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico.
Motor 1.5: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.496 cm³, quatro cilindros em linha, com quatro válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas variável na admissão e no escape. Injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio manual de seis marchas à frente e uma a ré ou automático de quatro marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 1.3: 88 cv com gasolina e 98 cv com etanol a 5.600 rpm. 1.5: 102 cv com gasolina e 107 cv com etanol a 5.600 rpm.
Torque máximo: Motor 1.3: 12,5 kgfm com gasolina e 13,1 kgfm com etanol a 4 mil rpm. Motor 1.5: 14,3 kgfm com gasolina e 14,7 kgfm com etanol a 4 mil rpm.
Diâmetro e curso: Motor 1.3: 75 mm X 73,5 mm. Taxa de compressão: 13:1. Motor 1.5: 75 mm X 84,7 mm.
Taxa de compressão: 13:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com triângulos inferiores, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira com rodas semi-independentes, com eixo de torção e molas helicoidais, amortecedores telescópicos hidráulicos e barra estabilizadora. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 175/65 R14 (versões X e XS) e 185/60 R15 (versões XLS e Cross).
Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás.
Carroceria: Sedã: monobloco com quatro portas e cinco lugares com 4,26 metros de comprimento, 1,69 m de largura, 1,51 m de altura e 2,55 m de entre-eixos. Hatch: monobloco com quatro portas e cinco lugares com 3,78 m de comprimento (3,89 na versão Cross), 1,69 m de largura (1,73 m na versão Cross), 1,51 m de altura (1,55 m na versão Cross) e 2,46 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais. 
Peso: Não informado.
Capacidade do porta-malas: Hatch: 270 litros. Sedã: 562 litros.
Tanque de combustível: 45 litros.
Produção: Sorocaba, Brasil.
Lançamento mundial: 2010
Lançamento no Brasil: 2012.

Itens de série e Preços

Versão X: aerofólio traseiro (só no hatch), retrovisores elétricos, painel digital, rodas de aço de 14 polegadas com calotas, abertura interna do porta-malas e do tanque de combustível, banco do motorista com ajuste de altura, ar-condicionado, banco traseiro rebatível, trava elétrica com comandos na chave, computador de bordo, direção e vidros elétricos, Isofix, controle de velocidade de cruzeiro (só para câmbio automático) e desembaçador do vidro traseiro.
Preço: R$ 43.990 (hatch 1.3, manual), R$ 47.490 (hatch 1.3 automático), R$ 48.495 (sedã 1.5 manual) e R$ 51.995 (sedã 1.5 automático). 
Versão XS adiciona: acabamento preto na coluna central, volante multifuncional, abertura elétrica do porta-malas e sistema de áudio Toyota Play com CD Player com função MP3 e entrada USB e bluetooth.
Preço: R$ 48.995 (hatch 1.5 manual), R$ 52.495 (hatch 1.5 automático), R$ 51.695 (sedã 1.5 manual) e R$ 55.195 (sedã 1.5 automático).
Versão XLS adiciona: retrovisores com luzes de direção integradas, grade dianteira com acabamento cromado, rodas de liga-leve de 15 polegadas, volante revestido em couro, faróis de neblina e sistema de áudio Toyota Play com função MP3, entrada USB, bluetooth e conexão smartphone.
Preço: R$ 53.895 (hatch 1.5 manual), R$ 57.395 (hatch 1.5 automático), R$ 56.795 (sedã 1.5 manual) e R$ 60.295 (sedã 1.5 automático). 
Versão Cross (só na carroceria hatch) adiciona: acabamento externo off-road exclusivo, barras de teto, manopla do câmbio em couro e para-choques dianteiro e traseiro com design off-road.
Preço: R$ 57.395 (manual) e R$ 60.895 (automático).
Autor: Eduardo Rocha (Auto Press)
Fotos: Eduardo Rocha/Carta Z Notícias

Acerto de contas - Toyota Etios ganha câmbio automático, melhorias mecânicas e novo painel, mas mantém o visual antigo

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

Sistema de carro autônomo ajuda a evitar acidente

Sistema de carro autônomo ajuda a evitar acidente

Conteúdo em Vídeo
Os sistemas autônomos para carros ainda precisam conquistar mais espaço entre os consumidores. E a tarefa fica ainda mais complicada quando diversos vídeos surgem na internet mostrando determinados momentos em que o carro autônomo pode deixar, ou deixou, o motorista na mão. Mas este flagrante é um pouco diferente. Ele mostra um vídeo no qual o sistema autônomo de um carro ajudou o motorista a evitar um acidente. Neste caso, trata-se de um Tesla. De acordo com as informações que foram divulgadas juntamente com o vídeo, o motorista tinha acionado o piloto automático.

Repare que na faixa da esquerda existe um caminhão, que do nada passa a ir para cima do carro que está fazendo a gravação. O sistema detectou o perigo e avisou o motorista para que ele assumisse a direção, o que fez com que ele conseguisse dar um leve toque para esquerda e desacelerar o veículo, impedindo o choque. De acordo com o depoimento do próprio motorista, ele afirmou que não estaria cuidando a outra faixa da pista, uma vez que o caminhão estava distante, e que estivesse dirigindo manualmente poderia não perceber o que estava acontecendo em tempo.
Tesla avisou o motorista o momento de retomar a direção.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

MAN promove mudanças internas e de foco em seus negócios

MAN promove mudanças internas e de foco em seus negócios

São Paulo/SP – Os números do mercado nacional de caminhões são cada vez mais alarmantes. O primeiro trimestre de 2016, em comparação com o mesmo período do ano anterior, registrou queda de 32,9%. Para tentar amenizar as perdas neste cenário nada favorável, a Man Latin America promoveu algumas mudanças internas e aposta em uma nova fase, pautada pelo otimismo e pela busca da retomada dos negócios. E inaugura essa etapa com um novo slogan: “Vire a Chave”. Veja também:
  • Entrevista com o vice-presidente de Vendas da MAN Latin America
  • Novo MAN TGX 29.480
Para comprovar essa onda de otimismo, a MAN garante a continuidade dos investimentos programados para o Brasil, que somarão R$ 1 bilhão entre 2012 e 2017 – faltam ainda R$ 400 milhões. Incrementos em vendas são esperados graças a ferramentas como o Leasing Operacional, produtos vocacionais e feitos sob medida e, seguindo a tendência deste mercado no país, a força do agronegócio.

As mudanças começaram entre colaboradores, rede de concessionárias e importadores. “Promovemos os ajustes necessários a este novo momento. Com a parceria de todos os envolvidos em nosso modelo de negócio, renovamos nosso compromisso de oferecer produtos sob medida a mais de 30 países da América Latina e África. Queremos virar a chave para retomar nosso crescimento”, explica Roberto Cortes, presidente e CEO da Man Latin America.

Entre as novidades em sua estrutura, Leandro Siqueira é o novo diretor de Desenvolvimento do Produto e Gerenciamento de Portfólio. Ele substitui Gastão Rachou, que se aposenta após participar de importantes projetos da MAN Latin America. Na área de Vendas, Marketing e Pós-Vendas, Antonio Cammarosano passa a cuidar exclusivamente dos negócios de caminhões Volkswagen e MAN, enquanto Jorge Carrer é agora o responsável por vendas de chassis de ônibus Volksbus, ambos se reportando diretamente ao vice-presidente Ricardo Alouche. Na área de Vendas para mercados internacionais, Luciano Cafure é o novo executivo, que se reporta a Marcos Forgioni.

Por falar em vendas ao exterior, com a retação nas vendas locais, as exportações vê m ganhando cada vez mais importância para os lucros das fabricantes de caminhões. Enquanto no Brasil a MAN busca fazer uma ofensiva na área comercial, com foco na estrutura de engenharia do cliente, venda e pós-venda, o aumento das exportações já é meta essencial para a empresa. A montadora busca dobrar em três anos a porcentagem – que hoje é de 15% a 20% – para entre 30% e 40%. A exportação de kits CKD e SKD para a montagem em outras estruturas fabris da companhia, como Colômbia e África do Sul, se inclui nesse planejamento.

Ainda neste ano, como parte das comemorações pelas duas décadas de funcionamento da fábrica da marca em Resende, no Rio de Janeiro, está prevista a inauguração da primeira pista de testes de rodagem do grupo Volkswagen na América Latina. Lá, serão avaliados ônibus e caminhões em produção no Brasil. Também sairá em 2016 o primeiro dinamômetro para testes em motores e um novo Centro de Treinamento para qualificação da rede e de clientes, este em São Bernardo do Campo, em São Paulo. A expectativa da MAN é de que o crescimento da marca seja retomado em até três anos. 
Autor: Carlos Guerra (Auto Press)
Fotos: Divulgação

De dentro para fora - MAN promove mudanças internas e confirma R$ 400 milhões no Brasil para driblar crise

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Caminhões