29 de fev de 2016

Ford ensina a camuflar carros

Ford ensina a camuflar carros

Conteúdo em Vídeo
Uma imagem que boa parte dos motoristas que circulam por algumas das grandes cidades do mundo estão acostumados a ver é a de um carro que aparece completamente embalado, em uma espécie de papel de presente que impede que as pessoas consigam enxergar todos os detalhes. Esta camuflagem serve justamente para não estregar a surpresa no lançamento de um determinado carro novo. As montadoras precisam levar os seus veículos para a rua, com o objetivo de fazer testes de direção. A técnica acabou se tornando extremamente útil especialmente em tempos de internet, quando uma foto rapidamente é enviada para o mundo inteiro.

A Ford resolveu criar um vídeo mostrando para os seus consumidores como é feita esta maquiagem nos carros que estão sendo testados. A montadora adotou a colocação de adesivos geométricos, que acabam escondendo as linhas da carroceria por meio de ilusões ópticas. Ou seja, as formas que podem ser encontradas nos adesivos também não são escolhidas sem um propósito. Além disso, a Ford também afirma que, para determinados lançamentos, também se utiliza de alguns outros artifícios para conseguir esconder as novas formas, como a instalação de falsos painéis de carroceria, para que o veículo fique mais largo, mais alto ou ainda disforme. 
Vídeo mostra o que a marca faz para manter os mistérios dos seus lançamentos.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

27 de fev de 2016

Novo Civic 2016 sofre recall

Novo Civic 2016 sofre recall

O Novo Civic mal começou a ser vendido nos Estados Unidos e já vai passar por um recall. A versão 2016 do sedã teve comercialização interrompida pela Honda no final de janeiro por inconsistências que foram detectadas no motor 2.0 aspirado e que podem causar danos ao mesmo ou falhas. O problema apresentado é que o propulsor pode ter sido montado sem os anéis de pressão de fixação dos pinos dos pistões. Segundo a investigação que tem sido feita, a sua montagem também não foi realizada de maneira correta. Isso causava falhas ou danos mais graves ao propulsor. As falhas e danos podem abranger os cilindros, as bielas, o virabrequim e o cabeçote. Causando danos gravíssimos ao carro. Segundo o que foi divulgado pela montadora japonesa, cerca de 42 mil unidades foram afetadas com o defeito, e todas elas no mercado norte-americano. De acordo com o que foi anunciado pela Honda no último dia 24, os veículos que serão chamados são aqueles produzidos entre 22 de setembro de 2015 e 3 de fevereiro de 2016. Vale ressaltar que o motor 1.5 turbo a gasolina de 176 cavalos, que foi o grande destaque do novo modelo, não foi afetado. Foram convocadas apenas as unidades equipadas com o motor 2.0 i-VTEC.

Recalls anteriores

Não é a primeira vez que o Civic é convocado pela Honda para um recall. Em 2015 a montadora japonesa anunciou um recall de mais de 219 mil unidades do sedã para reparar defeitos de fabricação. O chamado abrangia os veículos que foram fabricados entre 2007 e 2012. Na época, o defeito apresentado era uma falha de fabricação que podia fazer com que fragmentos metálicos fossem arremessados contra os passageiros, podendo danos graves ao condutor e seus acompanhantes. O problema acontecia porque em caso de colisões frontais moderadas ou severas a estrutura do insulflador das bolsas de segurança poderiam se romper, projetando assim, as partículas metálicas na direção dos passageiros. Em casos mais extremos, as lesões causadas eram de alta gravidade e podiam ser até fatais para os ocupantes dos carros.

O recall fez parte de um chamado global que envolveu não só o Civic, como também 123.322 unidades do Honda Fit, 75.508 unidades do sedã médio City e 59.737 unidades da SUV CR-V. Alguns dos chamados fizeram parte do megarecall global de carros que eram equipados com airbags defeituosos da empresa Takata. Na época o evento gerou grande repercussão e afetou não só carros da Honda, como também de outras montadoras que utilizavam airbags fornecidos pela empresa. Apenas para se ter uma ideia do tamanho do problema, foram convocados mais de 53 milhões de carro pelo mundo para realizar a troca do aparelho defeituoso.
Segundo o que foi divulgado pela montadora japonesa, cerca de 42 mil unidades foram afetadas com o defeito, e todas elas no mercado norte-americano.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Recalls

26 de fev de 2016

Tata Zica vira Tata Tiago na Índia

Tata Zica vira Tata Tiago na Índia

A marca indiana Tata anunciou recentemente que o antigo veículo Zica, que era comercializado no país, vai chegar em sua nova versão como Tiago, tendo mudado o seu nome. O modelo foi anunciado pela primeira vez no Salão do Automóvel da Índia. E a montadora anunciou a decisão de alterar o carro do seu novo compacto após o surto mundial de zika vírus. Como todo o material e o nome do carro já haviam sido divulgados muito antes da doença ganhar as proporções que ganhou, a marca proprietária da Jaguar Land Rover lançou o compacto como Zica, mas já avisando ao público que ele ganharia um novo nome.

O nome Tiago foi escolhido pelo público, por meio de um concurso realizado na internet. O compacto ex-Zica e agora Tiago deverá ser lançado já em março. O nome, escrito com C e não K, como a doença, era uma combinação entre as palavras zippy e car, que significam vigoroso e carro, respectivamente, em inglês. Com o novo Tiago a montadora indiana pretende expandir a sua participação no mercado asiático e com o ex-Zica deve dar início a toda uma família de novos compactos no mercado.

Sobre a Tata Motors

A Tata Motors é a maior empresa indiana dentro do ramo automotivo e faz parte do grupo Tata, sendo dona da Jaguar Land Rover, que antes pertencia à Ford. A marca também é dona da divisão de caminhões da Daewoo e tem participação na Hispano Carrocera S.A. Hoje a marca tem 14 modelos que estão em circulação no mercado e o novo Tata Tiago – ex-Zica – que será lançado ainda nesse ano. São eles o Tata Indica Vista, Tata Indica V2, Tata Indica V2 Turbo, Tata Indica V2 Xeta, Tata Indica V2 Dicor, Tata Indigo, Tata Indigo XL, Tata Indigo Marina, Tata Indigo CS, Tata Indigo V Series, Tata Safari DICOR, Tata Sumo, Tata Nano e Tata Magic Iris.

Entre os modelos se encontram compactos hatchs, compactos sedãs, peruas, peruas compactas, sedãs médios e grandes, utilitários esportivos médios, utilitários esportivos grandes, um carro micro e a minivan que foi lançada como a mais barata do mundo. Apesar de não ser muito conhecida no Brasil, a montadora faz muito sucesso na Índia e praticamente domina o mercado do país, oferecendo carros que atendem às necessidades da população e que estão disponíveis no mercado por um custo-benefício muito competitivo.
O nome Tiago foi escolhido pelo público, por meio de um concurso realizado na internet.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

Carro flex vale a pena?

Carro flex vale a pena?

Criados em 2003, os carros flex caíram no gosto do consumidor brasileiro. Hoje, cerca de 90% dos veículos vendidos apresentam essa tecnologia. Geralmente, o etanol é usado como segundo combustível: um sensor detecta a troca de combustível e se adapta ao novo componente.

Mudança de combustível

A troca de etanol para gasolina ou vice-versa é completamente normal e possível sem ser prejudicial ao motor, isso é possível pois quando há troca de combustível um sensor é ativado e o motor se readequa para que o novo componente possa ser usado. O único conselho dado para essa tecnologia é que, se o dono do carro esperar o tanque esvaziar, e enche-lo com outro combustível ele terá que rodar no mínimo 10 minutos antes de desligar o carro, o porquê disto é para que o carro se acostume e não prejudique a próxima partida. Isso ocorre, pois o sensor demora um tempo para se acostumar; com a troca gradativa o motor nem percebe.

Posso misturar?

Essa é uma dúvida frequente dos compradores, e sim, pode-se misturar etanol com gasolina, pois o motor é flexível, se adaptando a composição do combustível do tanque, seja ele mistura ou puro (apenas um combustível); esse motor foi fabricado para funcionar com ambas possibilidades. Se você tem o seu combustível queridinho, fique tranquilo, o motor do carro não irá viciar; isso é um mito que dizem por aí Outro mito é que misturar os dois combustíveis dá mais potência ao motor.

Vantagens

A principal vantagem do carro flex é óbvia: você tem a total autonomia para escolher qual combustível você quer pôr, mas cuidado, dependendo de qual resultado você espera do carro é melhor optar por um ou por outro.

Se você quer percorrer maiores distâncias, opte pela gasolina, mas se você quer pisar mais forte e andar pouco, escolha o etanol, isso acontece, pois, o etanol queima mais rápido que a gasolina, sendo assim, o carro acaba gastando mais.

Desvantagens

Boa parte das pessoas que tem carro flex sabe dessa desvantagem dele: o motor não é tão eficiente quanto um que trabalha apenas com um combustível. Embora você consiga optar pelo combustível que esteja mais barato em determinada época do ano, o carro não é econômico Geralmente em dias frios, principalmente quando o motor do carro ainda está frio, seu flex dará trabalho para pegar. Reclamações são mais costumeiras principalmente quando usa-se o etanol. Outro problema ocorre quando se mistura o etanol com a gasolina, a qual acaba criando uma espécie de goma que entope o filtro do combustível. O lado bom é que quando a gasolina pura passa, ela consegue limpar essa espécie de goma e o motor volta a funcionar normalmente.
Ainda existem muitas dúvidas acerca dos carros flex. Separamos alguns mitos e outras informações importantes para ajudá-lo na sua tomada de decisões!

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Curiosidades

VW Up! ganha novo visual na Europa

VW Up! ganha novo visual na Europa

Uma das apostas recentes da Volkswagen mais bem-sucedidas no mercado, o up! faz sucesso não só no Brasil, como também no restante do mundo. E prestes a completar o seu quinto ano de vida, o up! chega à Europa revitalizado e sofre sua primeira mudança visual. A novidade ainda não foi completamente mostrada e aparecerá pela primeira vez no Salão de Genebra. Porém, a montadora alemã já divulgou algumas fotos e detalhes do compacto para matar a curiosidade dos amantes do carrinho. Segundo o que foi divulgado pela VW, o carro terá o seu preço de entrada mantido igual ao atual. De quebra, a versão europeia vai ganhar uma novidade que já existia no Brasil: o motor 1.0 TSI, o turbo com injeção direta que foi inaugurado no modelo produzido e vendido em terras brasileiras.

O que chega de novo?



As novidades no visual do Up! europeu chegam para dar ao carrinho uma cara mais esportiva. Na parte dianteira, o para-choque ganhou traços mais retos na abertura que emoldura a placa e também os faróis de neblina. Conhecido por seu design divertido, ele vai ganhar uma aparência mais larga e mais sóbria, deixando de lado seu caráter “fun”. Os faróis não foram deixados de lado e também foram renovados, ganhando novas linhas internas e iluminação em LED diurna. A traseira não ficou para trás e também sofreu mudanças. O para-choque foi redesenhado e também ganhou um ar mais esportivo, e as lanternas, da mesma maneira que os faróis, ganharam um novo arranjo em seu interior. As mudanças internas foram sutis, com revestimentos novos. Porém, o que chega para surpreender são os novos equipamentos que o up! europeu irá ganhar. Com integração completa com smartphones, o carro agora será equipado com o sistema multimídia Composition Phone.

Entre os opcionais estarão o ar-condicionado digital automático com sistema de purificação de ar. Uma outra novidade é uma nova versão do modelo que será comercializada no continente europeu. A inédita Up! beats vai chegar equipada com um sistema de áudio Beats que alcança 300 W de potência. Um pequenino verdadeiramente poderoso. E o TSI até agora exclusivo do Brasil, desembarcará no continentes com algumas mudanças. Lá ele chega apenas à gasolina e com 90 cv de potência – contra 101 cv da versão brasileira. Porém, a eficiência da versão europeia não perde em nada para o modelo brasileiro e chega para agradar os consumidores além-mar.
Conhecido por seu design divertido, ele vai ganhar uma aparência mais larga e mais sóbria, deixando de lado seu caráter “fun”.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

Gol estreia novo painel e motor 3 cilindros

Gol estreia novo painel e motor 3 cilindros

Na semana passa a Volkswagen apresentou em um grande evento da montadora um lançamento duplo. A alemã apresentou as novas versões que estarão à venda no mercado brasileiro dos já conhecidos e consagrados Gol e Voyage. E foi o Gol que chegou com as maiores mudanças. E as maiores modificações não foram feitas pelo lado de fora, elas estão sob o capô do compacto, que agora apresentará um motor de três cilindros, que tem ganhado um espaço cada vez maior no mercado dos carros 1.0

O que mudou?



Com um visual renovado, a mudança na aparência do Gol foi discreta. O veículo ganhará novos para-choque, grade, faróis e luzes de neblina, além de uma pequena mudança na parte interna das lanternas e laterais que vão ganhar novos desenhos. No interior, continua a discrição nas mudanças. O painel vai ganhar um painel como novas saídas de ar, um quadro de instrumentos renovados e também um console central. Porém, isso é só o começo. A grande novidade da montadora alemã para o compacto está, na verdade, escondida sob o capô. O Gol finalmente vai ganhar o motor 1.0 de três cilindros, que já equipe quase a totalidade dos carros 1.0 disponíveis no mercado. O motor chega emprestado do Fox e do up! e vai contar com 82 cavalos de potência. Porém, para o desapontamento de muitos, não vai ser agora que o Gol vai ser equipado com o 1.0 TSI que já equipa o up!. As novidades chegam para manter o Gol competitivo no mercado e vai permanecer na briga com os seus rivais atuais. Exatamente por isso que o novo modelo não deve chegar com grandes alterações de preços no mercado.

O novo modelo está previsto para chegar às lojas apenas em março. Com este lançamento, a nova geração do Gol, que estava prevista para ser lançada ainda esse ano, foi adiada e agora só vai chegar em 2018. Até lá resta ver se o três cilindros será tão eficiente no Gol e no Voyage quanto nos seus companheiros de marca e também nos seus concorrentes que já fazem sucesso no mercado com suas versões três cilindros. Com aspecto esportivo e mais robusto do que os concorrentes da categoria, o Gol tem espaço cativo no coração dos brasileiros e se consagra até hoje como um dos carros mais vendidos no mercado do país.
Com um visual renovado, a mudança na aparência do Gol foi discreta: o veículo ganhará novos para-choque, grade, faróis e luzes de neblina.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Lançamentos

25 de fev de 2016

Honda lança linha 2016 da trail XRE

Honda lança linha 2016 da trail XRE

Na última terça-feira (23), a Honda anunciou o lançamento da nova linha da sua XRE 300 no mercado do Brasil. Ao contrário do que muitos pensavam, a já conhecida trail não foi substituída e continua praticamente igual a sua primeira versão, lançada há quase sete anos. O oposto da sua prima CB 300R, que perdeu o lugar e foi substituída pela CB Twister. Com atualizações discretas em seu estilo, a nova versão da trail chega com novos equipamentos e mudanças pontuais em seu conjunto mecânico. Além disso ela passa a contar com três anos de garantia, sem limite de quilometragem, e óleo grátis em suas sete primeiras revisões.

O que aparece de novo?



A nova linha da XRE 300 da montadora japonesa chega com carenagens redesenhadas, grafismos renovados e um painel de instrumentos revitalizado, do tipo blackout, que vai trazer informações sobre velocidade, nível de combustível, tacômetro, hodômetro total e parcial, e luzes espias que irão auxiliar no monitoramento da motocicleta. O tanque de combustível não foi deixado para trás e também ganhou uma nova cara. Agora com capacidade para 13,8 litros, ganhou um aumento de 0,2 litros em relação à versão anterior. De quebra, a nova XRE 300 ganhou uma nova tampa para o bocal de abastecimento. Entre as novidades também estão novos comandos de guidão, onde o lampejador do farol se destacam. A mecânica não foi deixada de lado e não recebeu nenhuma mudança, mas foi atualizada. O motor de um cilindro não sofreu alterações em relação a sua versão anterior e continua com 291,6 cc e duplo comando, com injeção flex e 25,6 cv de potência e torque máximo de 2,8 kgfm. O câmbio também foi mantido e não sofreu alterações, continuando a ser de cinco marchas.

Versões disponíveis



A nova Honda XRE 300 estará disponível em duas versões, a Standart e a C-ABS (Combined). A primeira chegará nas cores vermelho metálico, preto fosco e branco fosto e deverá ser vendida por R$ 15.560. Já a segunda versão chegará apenas na cor vermelho rally e estará disponível por R$ 17.750. Ela será equipada – como o próprio nome já diz – com freios C-ABS, que são combinados e anti-travamento. Agora é esperar a novidade começar a ser vendida e aproveitar a novidade atualizada, mas conservadora, que chega renovada e atualizada, porém sem grandes mudanças em seu visual ou mecânica.
A nova linha da XRE 300 da montadora japonesa chega com carenagens redesenhadas, grafismos renovados e um painel de instrumentos revitalizado.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Motos

Dicionário dos termos mais usados num Seguro Auto

Dicionário dos termos mais usados num Seguro Auto

Apólice, bônus, endosso, franquia... Tudo isso ainda soa estranho para você?  Confira este prático infográfico, elaborado pela Minuto Seguros, onde mostra os termos mais utilizados (e seus significados) envolvendo um seguro auto. Confira:


Este infográfico tira suas dúvidas quando o assunto é seguro.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

Volvo amplia capacidade de passageiros do ônibus B270F com chassi alongado

Volvo amplia capacidade de passageiros do ônibus B270F com chassi alongado

Em tempos de crise nas vendas de ônibus, qualquer vantagem para atrair a atenção de possíveis consumidores vale na tentativa de amenizar as perdas no segmento. Foi o que a Volvo fez ao alongar seu chassi B270F, de motor dianteiro, que agora passa a receber carrocerias de até 14 metros. Oferecido até então com os 13,2 metros máximos da versão alongada ou os 12,6 metros da tradicional, a mudança faz com que o modelo consiga ganhar até quatro lugares a mais em configurações com ou sem banheiro. Ou seja, um trunfo que pode agradar as empresas que atuam no transporte rodoviário. “Somos a única montadora a oferecer esta opção para veículos com motor dianteiro. O aumento da capacidade de passageiros se traduz em mais rentabilidade para nossos clientes”, aponta Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America.

De acordo com a própria Volvo, o B270F entrega aos seus passageiros menor vibração e ruído. Isso em função da adoção de suspensão a ar, item que oferece mais conforto nas viagens. A marca sueca ainda aponta outra vantagem para o modelo: o aumento de sua disponibilidade. “O alto torque do motor alia baixo consumo de combustível e alta performance. Estas características, somadas à maior capacidade de carga, reduzem os custos operacionais do transporte”, afirma Renan Schepanski, engenheiro de vendas da Volvo Bus Latin America, prometendo manutenção mais fácil e rápida.

O chassi é equipado com motor diesel de 7.2 litros, com seis cilindros e 24 válvulas, totalmente eletrônico, com injeção de combustível common rail, turboalimentado e intercooler. A transmissão é manual de seis marchas e, a Volvo garante, permite manter a velocidade mesmo em marchas mais altas, reduzindo o consumo de combustível. Para melhorar a eficiência energética, contribui ainda o uso de um tipo de aço especial, que a marca diz ser o mais leve e mais robusto do mercado no segmento de semipesados.

Os primeiros clientes a adquirirem os chassis B270F com 14 metros foram a empresa Sucesso Transportes, de Belém, no Pará, e a Princesa dos Campos, de Ponta Grossa, no Paraná. Ambas incrementaram suas frotas com dez unidades do modelo, totalizando 20 exemplares vendidos pela marca sueca. A primeira utiliza os ônibus no transporte rodoviário intermunicipal de curta distância. Cada um deles tem capacidade para 53 passageiros. “Aumentamos a oferta de lugares aos passageiros e também a rentabilidade da operação”, diz Luis Mendes, presidente da empresa Sucesso Transporte. Os modelos comprados pela Princesa dos Campos possuem 52 lugares e também são utilizados para viagens curtas, entre cidades próximas e regiões metropolitanas. “Os passageiros podem programar suas viagens com antecedência, sem ficarem sujeitos a atrasos ou viagens em pé”, defende Florisvaldo Hudinik, presidente da Princesa dos Campos.
Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Divulgação

Estratégia esticada - Volvo passa a vender chassi do ônibus B270F com 14 metros e garante quatro poltronas extras na carroceria

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Ônibus

Impressões da nova geração da Toyota SW4

Impressões da nova geração da Toyota SW4

Apesar da crise forte que assola o Brasil no mercado automotivo, dois fatores chamam a atenção por aqui: o sucesso dos utilitários esportivos e a ascensão das marcas de luxo. Jogando nessa direção, a Toyota já tratou de trazer para cá a nova geração do SW4. O modelo não faz frente aos exemplares da Lexus, divisão de luxo da fabricante japonesa, mas seu preço o posiciona entre uma boa opção para quem quer um SUV médio-grande recheado de conforto e tecnologia, mas sem ter de gastar tanto quanto quem opta por um modelo de luxo. E a aposta nas vendas é boa: a expectativa é de uma média entre 650 e 750 exemplares mensais ao longo de 12 meses fechados de comercialização.

Veja também:
  • Confira o vídeo do novo SW4 da Toyota
Durante alguns anos, o SW4 chegou a levar a inscrição “Hilux” na carroceira. Mas o abandono do nome, realizado na linha 2011, parece só ter surtido um efeito maior agora, com a quarta geração. O SUV baseado na picape adota uma identidade visual própria. Assim como o modelo com caçamba, o design ganhou traços de elegância e sofisticação. Em relação à geração anterior, a SW4 2016 é 9 cm mais longa, 1,5 cm mais larga e 1,5 cm mais baixa, totalizando 4,79 m de comprimento, 1,85 m de largura e 1,83 m de altura. Já o entre-eixos é 0,5 cm menor, em 2,74 m.

Na frente, a grade cromada ganha barras laterais protuberantes num formato de “V” e se alinha aos faróis de leds. O para-choque está mais robusto. Na lateral, a cintura do carro é enfatizada por um friso cromado até as partes inferiores da porta e, na traseira, as lanternas de leds traçam uma linha cromada ao longo da tampa do porta-malas. Luzes de neblina e sensores de estacionamento foram incorporados ao para-choque. Por dentro, o acabamento mistura detalhes metálicos e padrão madeira e há dois porta-luvas, um deles refrigerado.

A lista de itens de série é farta. Há volante multifuncional e sistema de entretenimento com tela touch de 7 polegadas que exibe imagens do GPS, TV digital e DVD, além de aceitar MP3 e tecnologia Bluetooth. O painel de informações tem display multifuncional colorido de 4.2 polegadas, emoldurado por duas colunas azuis, e indica o consumo de combustível, velocidade máxima, autonomia de condução, informações do áudio, navegação, temperatura exterior e até uma avaliação do modo de condução, priorizando uma direção mais econômica.

No Brasil, a SW4 é oferecida apenas na versão SRX, com transmissão automática e capacidade para cinco ou sete passageiros. Mas há duas opções de motores: um turbodiesel de 2.8 litros com 177 cv de potência e 45,9 kgfm de torque – o mesmo utilizado na picape Hilux – e outro a gasolina, um V6 de 4.0 litros, 238 cv e 38,3 kgfm. Mas esta última motorização aparece apenas na carroceria com sete lugares. O câmbio automático de seis velocidades acompanha borboletas atrás do volante para trocas manuais de marcha.

A capacidade off-road do SUV médio-grande foi aperfeiçoada e conta com um novo interruptor eletrônico para selecionar a tração 4X4. Além disso, o novo chassi, segundo marca, garante rigidez 20% superior. A carroceria ganhou aço de alta resistência e 66 pontos de solda a mais que a geração anterior. Outra novidade está na suspensão traseira, com braço de controle inferior posicionado 20 mm mais para baixo. Em relação às tecnologias de direção e segurança, a SW4 conta com assistente de subida e descida, controle de tração ativo, sistema de bloqueio de diferencial traseiro, freios a disco ventilados nas quatro rodas, controle de estabilidade, assistente de reboque e sete airbags. Os preços do novo Toyota SW4 variam entre os R$ 205 mil da configuração com motor a gasolina e os R$ 225 mil cobrados pela variante de sete lugares e propulsor diesel. A intermediária – que só se difere da mais cara por ter apenas cinco lugares – sai a R$ 220 mil. Com esses valores, a marca japonesa espera dividir suas vendas entre 95% movidas com diesel e apenas 5% a gasolina.

Primeiras impressões

É verdade que o novo Toyota SW4 impressiona pela extensa lista de itens de segurança e conforto. O acabamento é superior à geração passada e a organização dos comandos facilita bastante a vida do motorista. Um olhar mais atento, no entanto, denuncia alguns traços no modelo que não condizem com sua etiqueta de preço. Caso, por exemplo, da ausência de um freio de mão elétrico ou até mesmo de um teto panorâmico, que ampliasse ainda mais a sensação de espaço que o habitáculo entrega.
Achar a melhor posição para dirigir é fácil. Os ajustes do banco do motorista são elétricos e a climatização é garantida inclusive para os passageiros da terceira fileira – a unidade avaliada tinha sete lugares – graças às saídas localizadas no teto do veículo. E basta dar a partida no motor e começar a trafegar com o SUV da Toyota para perceber o capricho no isolamento acústico. Em muitos momentos fica difícil acreditar que se trata de um propulsor diesel, já que os motores movidos com esse combustível acompanham um barulho nada agradável. E esse não é o caso do SW4.
O desempenho, no entanto, não empolga. Não chega a faltar força para movimentar as mais de duas toneladas do modelo, mas também não há qualquer sobra. O zero a 100 km/h é cumprido em mais de 12 segundos por um propulsor 2.8 litros diesel de 177 cv que, em subidas ou com o carro um pouco mais pesado, faz com que o motorista se sinta ao volante de um modelo bem menos potente e moderno. Já as frenagens, no entanto, são dignas de elogio. Os freios a disco nas quatro rodas seguram bem o modelo e se mostram extremamente eficientes na estrada. O percurso é quase todo em retas, mas nas poucas curvas foi possível perceber que as rolagens de carroceria são bem sutis e nada além do esperado em um carro deste porte.

Ficha técnica

Toyota SW4 SRX 2016

Motor Diesel: Dianteiro, transversal, 2.755 cm³, com turbocompressor, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Acelerador eletrônico e injeção multiponto.
Potência máxima: 177 cv a 3.400 rpm.
Torque máximo: 45,9 kgfm entre  1.600 rpm e 2.400 rpm.
Diâmetro e curso: 92 mm x 103,6 mm.
Taxa de compressão: 15:1. Motor a Gasolina: Dianteiro, transversal, 3.956 cm³, seis cilindros, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Acelerador eletrônico e injeção direta de combustível. 
Potência máxima: 238 cv a 5.200 rpm.
Torque máximo: 38,3 kgfm a 3.800 rpm.
Diâmetro e curso: 94 mm x 95 mm.
Taxa de compressão: 10:1. Transmissão: Automática de seis velocidades a frente e uma a ré. Tração integral. Oferece controle eletrônico de tração ativo.
Suspensão: Dianteira independente, braços duplos triangulares, molas helicoidais e barra estabilizadora e traseira fourlink (4 pontos de fixação) e molas helicoidais. Oferece controle eletrônico de estabilidade. 
Pneus: 265/60 R18.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Utilitário esportivo em chassi sobre longarina com quatro portas e cinco ou sete lugares. Com 4,79 metros de comprimento, 1,85 m de largura, 1,83 m de altura e 2,74 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais, de cortina e de joelhos para motorista. 
Tanque de combustível: 80 litros.
Produção: Zárate, Argentina.
Itens de série: abertura elétrica do porta-malas com memória para altura da tampa, acendimento automático dos faróis, ar-condicionado automático com saídas traseiras, banco do motorista com ajustes elétricos, câmara de ré, compartimento refrigerado no painel, computador de bordo com tela de 4,2 polegadas, controle de velocidade de cruzeiro, modos de condução Eco e Power, porta-luvas com chave, relógio digital, retrovisor interno eletrocrômico, retrovisores externos elétricos, seletor para troca de tração, central multimídia com tela de 7 polegadas touch, GPS, TV Digital, DVD, MP3, Bluetooth, acesso ao veículo e partida do motor por botão, tomada de energia (12V) no painel, console central e no porta-malas, vidros elétricos, volante com paddle shift e comandos integrados de telefone, áudio, vídeo e computador de bordo, acabamento em padrão madeira no console central e volante, aerofólio traseiro, barras longitudinais no teto, faróis de leds e de neblina, lanternas e luzes traseiras de leds, luzes dirnas de leds, sete airbags, assistente de descida e subida, bloqueio do diferencial traseiro, controle eletrônico de estabilidade e de tração ativo, sensores de estacionamento traseiros, alarme e travas elétricas.
Preço: R$ 205 mil (gasolina), R$ 220 mil (diesel, cinco lugares) e R$ 225 mil (diesel, sete lugares).
Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Márcio Maio/Carta Z Notícias

Posição de destaque - Nova geração do Toyota SW4 quer ganhar espaço na briga dos utilitários esportivos no Brasil

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

24 de fev de 2016

Teste do novo Jaguar XF R-Sport

Teste do novo Jaguar XF R-Sport

Entre as marcas de luxo, os sedãs médios-grandes são verdadeiras vitrines tecnológicas, destinados a um público elitizado – e, em geral, de uma faixa etária mais elevada. No Brasil, os representantes mais tradicionais nessa disputa são os alemães Audi A6, BMW Série 5 e Mercedes-Benz Classe E. Esse segmento vendeu 1.083 unidades no mercado nacional em 2015. Em meio aos representantes germânicos, um solitário inglês tem feito bonito. Lançado no Brasil em 2008, o Jaguar XF conquistou 28% das vendas brasileiras nesse segmento no ano passado. Com a nova geração, que acaba de desembarcar no país, a Jaguar aposta que a jovialidade do design vai seduzir os consumidores mais maduros que predominam no segmento. Afinal, quem compra os sedãs médios-grandes de luxo podem até, muitas vezes, ser velhos – o que não quer dizer que queiram parecer velhos. Veja também:
  • Primeiras impressões do Jaguar XFR
O aspecto geral do novo XF reflete bem a atual “family face” da linha Jaguar. Nos conjuntos óticos, aparecem marcas características, como o desenho de farol duplo e as luzes diurnas em leds com formato em J. Na traseira, as lanternas em leds repetem o design do cupê F-Type, uma linha horizontal que finaliza em uma meia circunferência, também utilizada no XE. No caso do novo XF, para se diferenciar do sedã menor, o desenho é duplicado. A face do felino feroz que identifica a marca aparece na ampla grade trapezoidal dianteira e no centro das rodas de liga leve, enquanto na tampa do porta-malas o “bichano” está de corpo inteiro, em posição de salto. Estabelecida a identidade da Jaguar, a pretensa jovialidade do XF se expressa estilisticamente através das superfícies “musculosas” e formas agressivas. Seu design remete aos cupês e foi projetado para proporcionar a mínima resistência aerodinâmica – o coeficiente aerodinâmico é de apenas 0,26, ante 0,29 na versão anterior. Além do perfil, o apelo esportivo  é reforçado pelo peso. O novo XF pesa menos 190 kg que a versão anterior, graças a sua nova estrutura composta por 75% de alumínio.

Mas tanta “leveza” de pouco valeria se aquilo que está oculto sob o capô não fizesse a sua parte. No caso do novo XF, são duas opções de “powertrain”. O 2.0 GTDi turbinado move a versão inicial Prestige e a intermediária R-Sport, com visual esportivo. Com 240 cv de potência, o motor é capaz de levar o modelo da imobilidade aos 100 km/h em apenas sete segundos, segundo a Jaguar. Já o “top” de linha S é empurrado por um 3.0 V6 Supercharged de 380 cv, o mesmo que equipa o superesportivo F-Type. Leva o modelo aos 100 km/h em apenas 5,3 segundos, de acordo com a marca britânica. A velocidade final é eletronicamente limitada em 250 km/h. Coerentemente com a proposta esportiva, a tração é sempre traseira. Todas as versões são equipadas com o sistema de transmissão ZF de oito velocidades, com possibilidade de acionamento manual das marchas através de borboletas no volante. E o Jaguar Drive Control ainda oferece modos selecionáveis para adequar o tempo de resposta do acelerador, a rigidez da direção e as rotações das mudanças de velocidades. Em termos suspensivos, o sistema dianteiro Double Wishbone — o mesmo utilizado no F-Type  – e traseiro Integral Link cuidam para que o desempenho dinâmico possa estar à altura das motorizações disponíveis, sem sacrificar o conforto.

O consumidor desse segmento pode até apreciar o estilo jovial e as características dinâmicas do novo XF, mas não abre mão dos três “pilares” dos modelos médios-grandes de luxo: conforto, requinte e tecnologia. Embora seja 0,7 cm mais curto que a versão anterior – são 4,95 metros de comprimento total –, a distância entre-eixos cresceu em 5,1 centímetros e atingiu 2,96 m. A centimetragem adicional foi usada para aumentar o espaço nos bancos traseiros. O design interno do novo Jaguar é elegante e sem firulas. O couro que reveste os bancos, portas e painel frontal aparenta extrema qualidade. E o padrão de acabamento é elevado. A versão S ainda traz acabamentos do painel em fibra de carbono, bancos com opção para revestimento em duas cores distintas do couro, soleiras em metal com o emblema S e pedaleiras esportivas.

Em todas as versões, as funções de mídia, entretenimento e GPS são controladas pela central de tela sensível ao toque de 10,2 polegadas. Já o painel de instrumentos usa uma tela de 12,3 polegadas para mostrar as informações. Em termos de tecnologia, os destaques são o sistema que controla a saída do carro da faixa – que, de acordo com a opção do motorista, pode apenas vibrar o volante para alertar ou devolver o carro para a faixa correta –, o sistema de entretenimento InControl Touch, com conectividade com os sistemas Android e iOS, e o poderoso som Meridian. Itens mais prosaicos, como controle de cruzeiro, ar-condicionado de duas zonas, assistente de estacionamento dianteiro e traseiro e câmara de ré, são sempre de série. Já a versão S ainda acrescenta head-up display, assistente de estacionamento 360º, monitor de ponto cego, detector de trânsito em ré e Jaguar Smart Key System.

Os preços estão bem longe de ser baixos, mas mantém o novo XF competitivo dentro de seu elitizado segmento. Com o motor 2.0 GTDi, começam nos R$ 264.700 do modelo Prestige e se elevam aos R$ 288.600 da R-Sport, que a Jaguar espera que responda por 75% das vendas. Já a topo de linha S, com seu motor V6 de 380 cv, sai por imodestos R$ 381.100. E a marca inglesa acredita que 10% das vendas no Brasil sejam dessa versão. Ou seja, essa história de que “não está fácil para ninguém”, pelo menos para alguns afortunados, é balela.

Ponto a Ponto

Desempenho – A Jaguar sempre teve boas tradições nesse aspecto e o XF R-Sport não as nega. O motor 2.0 turbo de 240 cv – que move as versões Prestige e R-Sport – cumpre a função de dar a necessária agilidade ao sedã. Mas o propulsor 3.0 litros V6 de 340 cv é bem mais empolgante e empurra a versão S de uma forma arrebatadora. Nota 9. Estabilidade – A suspensão privilegia a esportividade, sem sonegar o conforto que se espera de um sedã de luxo. Dinamicamente, conjunto esbanja equilíbrio e eficiência, com o auxílio luxuoso dos sistemas eletrônicos. Na hora em que o motorista resolve acelerar de verdade, a estabilidade do XF nas retas e curvas impressiona, em todas as versões. Nota 10. Interatividade – O interior do XF é elegante e entrega a dose de requinte que o segmento exige. O computador de bordo é um tanto enigmático mas, com a prática, a maioria dos comandos se revelam intuitivos. As paletas no volante para acionamento manual das marchas do câmbio automático ampliam as chances de interagir com o motor do sedã. Nota 9.

Consumo – A Jaguar informa um consumo de gasolina de 12,3 km/l nas versões 2.0 e de 11,34 km/l para a versão V6 3.0, sempre em uso misto. Durante o teste, predominantemente rodoviário, a versão R-Sport avaliada fez 9,5 km/l. Nota 7. Conforto – Embora priorize a performance, como todo Jaguar que se preza, a suspensão do XF não penaliza os ocupantes. O conjunto suspensivo é corretamente acertado e o bem estar a bordo é reforçado pela boa ergonomia dos bancos. Para aqueles que priorizam o conforto, o XF se revela um sedã bastante agradável para passear. Os espaços são amplos e os revestimentos tornam o interior aconchegante. Nota 8. Tecnologia – A direção tem assistência elétrica e o sistema de infoentretenimento InControl tem “touchscreen” de 10,2 polegadas e conectividade com os sistemas Android e iOS. O sistema que controla a saída do carro da faixa também impressiona, assim como o Jaguar Drive Control. O som é um imponente Meridian. Controle de cruzeiro, ar-condicionado de duas zonas, assistente de estacionamento dianteiro e traseiro e câmara de ré fazem parte do pacote. A versão S ainda agrega firulas como head-up display, assistente de estacionamento 360º, monitor de ponto cego e detector de trânsito em ré. Nota 9.
Habitabilidade – O novo sedã britânico tem óbvias pretensões esportivas. Por isso é um veículo baixo, como qualquer esportivo deve ser. Isso se reflete em um esforço extra na hora de entrar ou sair do carro. Lá dentro, qualquer sacrifício no acesso é rapidamente deixado de lado. Os bancos têm estilo esportivo e ajudam a manter o corpo no lugar nas curvas rápidas. Com seus 505 litros, o porta-malas é bastante decente. Os espaços são bons, tanto na frente quanto no banco traseiro. Mas um terceiro passageiro atrás certamente compromete o conforto dos outros dois. Nota 9. Acabamento – Os materiais do interior aparentam qualidade e o padrão de montagem é muito bom. Sem ser espalhafatoso, o habitáculo inspira bom gosto e elegância. Nota 9. Design – O designer Ian Callum fez referências estilísticas à primeira geração, como os faróis finos e horizontalizados e as linhas pronunciadas ao longo do capô. Depois dos harmonioso F-Type e XE, a Jaguar continua a implementar uma linha de aspecto contemporâneo e cheia de personalidade. Nota 10.
Custo/Benefício – Os preços do novo XF começam nos R$ 264.700 do Prestige e se elevam aos R$ 288.600 da estilosa R-Sport, ambos com motor 2.0 turbo de 240 cv. Já a topo de linha S, com seu motor 3.0 V6 Supercharged de 380 cv, atinge R$ 381.100. Embora “salgados”, tais valores são compatíveis com os praticados pelos concorrentes da Audi, BMW e Mercedes-Benz. Com um design instigante, motores potentes e tecnologias de ponta, o XF tem elementos para brigar. Além disso, o sedã inglês é a novidade do segmento. Nota 6. Total – O Jaguar XF somou 86 pontos em 100 possíveis.

Primeiras Impressões

Nas rodovias paulistas, o sedã mostrou que é “bom de asfalto”. Dirigir o XF R-Sport nas estradas é bastante confortável e o motor 2.0 turbinado é mais do que suficiente para garantir retomadas vigorosas e ultrapassagens seguras. É daqueles carros que, a 120 km/h, o motorista tem a sensação de estar bem devagar, a uns 60 km/h, tamanha a qualidade do isolamento acústico e o equilíbrio do conjunto. Por isso, é uma boa ideia ficar atento aos limites de velocidade e, principalmente, aos radares. A suspensão se mostra bem equilibrada entre os compromissos com a esportividade e o conforto, sem deixar a desejar em nenhum dos aspectos. E a possibilidade de acionar as marchas manualmente é sempre um recurso válido para quem decide extrair um comportamento dinâmico mais esportivo do sedã. Depois, no Autódromo Velo Cittá, foi possível dar algumas ligeiras voltas na versão S, com o motorzão 3.0 litros V6 de 340 cv. Literalmente ligeiras. Acompanhado de um piloto profissional, que dava orientações sobre os traçados mais corretos na pista, foi possível sentir a progressão rápida do motor, que move a versão de topo do sedã de forma avassaladora das baixas rotações às altas velocidades. A tração traseira facilita a tarefa de entrar melhor nas curvas em alta velocidade, permitindo uma performance bem mais agressiva e conferindo ao modelo uma dirigibilidade divertida. Enquanto as curvas do circuito se sucediam, ficava evidente que o trem de força do XF S é incrivelmente rápido nas reações e que o conjunto, bem escudado pela suspensão herdada do F-Type, realmente impõe uma direção mais esportiva. E os sistemas eletrônicos muitas vezes se encarregam de “tomar conta” dos que se empolgam demais. Para quem não aprecia tanta adrenalina, há a opção das versões com motor 2.0 turbo de 240 cv, igualmente bonitas, menos caras e mais comportadas. O XF S é para quem gosta de emoções fortes – e não se importa de pagar por elas.

Ficha técnica

Jaguar XF

Motor 2.0 Turbo: A gasolina, dianteiro, longitudinal, 1.999 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e turbocompressor. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.
Potência máxima: 240 cv a 5.500 rpm.
Torque máximo: 34,7 kgfm entre 1.750 rpm e 4 mil rpm.
Diâmetro e curso: 87,5 x 83,1 mm.
Taxa de compressão: 10:1.
Aceleração 0-100 km/h: 7 segundos.
Velocidade máxima: 248 km/h. Motor 3.0 Supercharged: A gasolina, dianteiro, longitudinal, 2.995 cm³, seis cilindros em V, quatro válvulas por cilindro e compressor mecânico. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.
Potência máxima: 380 cv a 6.500 rpm.
Torque máximo: 45,9 kgfm a 4.500 rpm.
Diâmetro e curso: 84,5 x 89,0 mm.
Taxa de compressão: 10,5:1.
Aceleração 0-100 km/h: 5,3 segundos.
Velocidade máxima: 250 km/h. Transmissão: Câmbio automático com oito marchas à frente e uma a ré. Tração traseira e controle eletrônico de tração.
Suspensão: Dianteira independente com triângulos sobrepostos. Traseira multilink com subchassis sobre molas. Controle eletrônico de estabilidade.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás com ABS e EBD.
Carroceria: Sedã em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,95 metros de comprimento, 1,88 m de largura, 1,46 m de altura e 2,96 m de entre-eixos.
Capacidade do porta-malas: 505 litros.
Tanque de combustível: 70 litros.
Produção: Birminghan, Inglaterra.
Lançamento mundial da 2ª geração: Setembro de 2015.
Lançamento no Brasil: Fevereiro de 2016.

Versões e Preços

Prestige 2.0 Turbo: Faróis Xenon HID, bancos elétricos em couro, teto solar, ar-condicionado bizone, multimídia com GPS, câmara de ré e rodas aro 18”.
Preço: R$ 264.700.
R-Sport 2.0 Turbo: Adiciona Body Kit R-Sport, suspensão esportiva, assentos esportivos, painéis internos em alumínio.
Preço: a partir de R$ 288.600.
S 3.0 Supercharger: Adiciona Rodas aro 19”, Body Kit S, pinças de freio vermelhas.
Preço: R$ 381.100.
Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira (Auto Press)
Fotos: Luiz Humberto Monteiro Pereira/Carta Z Notícias

Cara ou coroa - Em um segmento dominado por sedãs “senhoriais”, Jaguar valoriza a jovialidade do novo XF

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

Confira um Fiat Uno e um Suzuki Swift competindo em um drift

Confira um Fiat Uno e um Suzuki Swift competindo em um drift

Conteúdo em Vídeo
As pessoas que se deparam com dois carros envolvidos em uma espécie de competição de drift podem até pensar que se trata de algo feito por jovens irresponsáveis. Mas, de vez em quando, os pilotos profissionais acabam também brincando e testando todos os limites de dois carros. Este vídeo mostra exatamente o que dois pilotos podem fazer quando desejam radicalizar com dois carros antigos, que eram muito populares durante a década de 1990: Um Suzuki Swift 1.3 e também um Fiat Uno 1.4. O primeiro foi pilotado por Oliver Amon, enquanto que o segundo estava sendo conduzido por Arpag Turoczi.

A ideia da brincadeira foi do piloto Oliver Amon, que resolveu filar as manobras e postar o vídeo na sua conta no YouTube. Rapidamente as imagens viralizaram e ficaram famosas ao redor do mundo. O que chama a atenção nas imagens são as manobras possíveis com dois modelos considerados populares. E não esqueça, não faça isso em casa!
As manobras foram feitas por dois pilotos profissionais.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

23 de fev de 2016

Confira o novo SUV da Audi

Confira o novo SUV da Audi

Conteúdo em Vídeo
A Audi divulgou mais um pequeno teaser com imagens inéditas daquele que deverá ser o seu novo SUV, batizado de Q2. A montadora ainda está fazendo suspense e guardando algumas informações para o lançamento oficial do novo veículo, marcado para acontecer no Salão de Genebra. As imagens mostram o carro enfrentando um grande nevoeiro, o que acaba tornando difícil identificar algumas formas. No vídeo anterior lançado pela marca ele foi visto apenas de cima. Uma das particularidades do carro que é possível perceber com estas imagens é o fato dlee ter faróis de LED.

A montadora ainda não entrou em detalhes com relação a mecânica do novo modelo, mas tudo indica que o Q2 chegará ao público com um motor turbo, que poderá ser movido tanto a gasolina quanto a diesel. A caixa de câmbio deverá ser manual, oferecendo ao motorista seis velocidades ou automática de dupla embreagem com seis marchas. Tudo indica que o carro também tenha tração nas quatro rodas. 
Audi Q2 deverá ser lançado oficialmente no Salão de Genebra.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

22 de fev de 2016

Confira o modelo VF-16 da Haas

Confira o modelo VF-16 da Haas

Conteúdo em Vídeo
A Haas apresentou oficialmente o carro que será a grande estrela da estreia do time na Fórmula 1. Este carro acabou se tornando um dos lançamentos mais esperados para a nova temporada da competição de velocidade mais famosa do planeta. O lançamento do vídoe foi realizado neste final de semana.

O nome do modelo de carro é VF-16, e os pilotos que vão conduzir o veículo da equipe norte-americana Haas serão Romain Grosjean e Esteban Gutierrez. O vídeo conta com diversas imagens, incluindo algumas que foram captadas no último sábado, no circuito de Barcelona. O veículo já está participando da primeira bateria de testes de pré-temporada a partir desta semana. 
Carro vai ser a estrela da estreia do time na Fórmula 1.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

21 de fev de 2016

Lexus LC 500 é um esportivo que une beleza atraente e desempenho supreendente

Lexus LC 500 é um esportivo que une beleza atraente e desempenho supreendente



Com desenho atraente, esportivo é a aposta da marca para 2016 Reprodução/Newspress Destaque da Lexus no Salão de Detroit deste ano, o LC 500 é o esportivo de produção que mais parece um protótipo. Mas não é! A novidade é baseada no conceito LF-LC, que mostrou as caras na edição do evento em 2012. O LC 500 já chega ao mercado norte-americano nos próximos meses. Seu motor será um poderoso 5.0 V8 aspirado de 473 cavalos e 53,7 kgfm de torque máximo entregue nas rodas tarseiras, chegando aos 100 km/h em apenas 4,5 segundos.

São 473 cavalos e 53,7 kgfm de torque para as rodas traseiras Reprodução/Newspress O novo modelo da Lexus utiliza a nova plataforma mais leve e resistente (GA-L), isso se dá pelo uso de fibra de carbono e alumínio, o que se torna mais resistente e segura. A distribuição de peso ficou em 52% no eixo dianteiro e 48% no traseiro. Para a transmissão, uma caixa automática de dez velocidades, mas não de dupla embreagem, faz o serviço. Mas calma, a Lexus afirma que ela dará conta do recado, isso porque a empresa argumenta que por ser leve e compacta, que esta responderá de maneira igualmente eficiente. O interior é suntuoso e sofisticado, ao nível da divisão de luxo da Toyota. Couro, Alcântara e materiais nobres configuram a parte de dentro, bem como os itens tecnológicos. A Lexus garante que o ronco do propulsor vai empolgar qualquer amante por supercarros, graças a ajustes feitos pelo condutor. Pode ser que o LC500 chegue ao Brasil já em 2017. Visite aqui a página de R7 Carros Assine o R7 Play e veja a programação da Record online!

Fonte: R7

20 de fev de 2016

Vence hoje o IPVA 2016 de 1,4 milhão de carros com placa final 3

Vence hoje o IPVA 2016 de 1,4 milhão de carros com placa final 3



Os contribuintes devem ficar atentos às datas de vencimento para aproveitar o abatimento e regularizar o imposto Oswaldo Corneti/Fotos Públicas O prazo para o pagamento integral do IPVA 2016, com desconto de 3%, ou parcelamento em três vezes vence nesta quarta-feira, 13/1, para proprietários de 1,48 milhão de veículos com placas final 3. Os contribuintes devem ficar atentos às datas de vencimento para aproveitar o abatimento e regularizar o imposto. O calendário continua na quinta-feira, 14/1, com veículos de placa final 4 e assim sucessivamente até o dia 22, para os veículos com placa final 0, desconsiderando os finais de semana (veja a tabela abaixo). A Secretaria da Fazenda prevê arrecadar R$ 14,4 bilhões com IPVA em todo o estado em 2016. Deste total, cerca de 70% são recolhidos no primeiro trimestre do ano. Leia mais sobre Economia e ajuste suas contas R7 Play: assista à Record onde e quando quiser Esta concentração deve-se a oportunidade de efetuar os pagamentos à vista, com desconto de 3% ou parcelar o tributo. Para efetuar o pagamento do imposto, basta o contribuinte se dirigir a uma agência bancária credenciada, com o número do Renavam (Registro Nacional de Veículo Automotor), e efetuar o recolhimento. Os pagamentos podem ser feitos nos terminais de autoatendimento, no guichê de caixa, pela internet ou débito agendado, ou outros canais oferecidos pela instituição bancária. O IPVA também pode ser pago em casas lotéricas, no entanto essa opção não é válida para o pagamento do licenciamento. Confira o calendário do pagamento do IPVA 2016 Reprodução/Secretaria de Estado da Fazenda de SP Seguro DPVAT 2016 Proprietários de motocicletas, vans, ônibus e micro-ônibus poderão pagar o prêmio do seguro DPVAT de 2016 em três parcelas. Essas condições especiais foram estabelecidas em legislação federal. Administrado pela Seguradora Líder, o pagamento do prêmio do Seguro DPVAT de 2016 somente poderá ser parcelado com a utilização de boletos bancários. O proprietário deverá gerar os três boletos exclusivamente no site do DPVAT. O vencimento da primeira parcela do prêmio coincidirá com a data da primeira parcela do IPVA em janeiro, sendo que as duas seguintes serão iguais, mensais, consecutivas e os respectivos vencimentos coincidirão com as datas para o pagamento do imposto nos meses de fevereiro e março. Para veículos zero quilômetro de qualquer tipo e automóveis, caminhões, caminhonetes e camionetas usados, as regras permanecem inalteradas. Nestes casos, o Seguro DPVAT deverá ser recolhido de forma integral junto com o vencimento da primeira parcela do imposto ou junto com a cota única. Licenciamento antecipado Para antecipar o licenciamento anual, deverão ser quitados integralmente todos os débitos que recaiam sobre o veículo, compreendendo o IPVA, a taxa de licenciamento, o prêmio do Seguro DPVAT e, se for o caso, multas de trânsito. O valor para o envio do documento pelo correio é de R$ 11.

Fonte: R7

Empresa apresenta veículo movido a hidrogênio que faz 480 quilômetros

Empresa apresenta veículo movido a hidrogênio que faz 480 quilômetros

Conteúdo em Vídeo
Uma empresa britânica apresentou um vídeo ao mundo mostrando um modelo de carro movido com hidrogênio e que consegue chamar a atenção pela autonomia e pelo consumo. De acordo com as informações que foram postadas junto com as imagens, o veículo, batizado de “Rasa”, consegue fazer um total de 480 quilômetros sem precisar parar para abastecer. A busca por novas formas de energia para os carros vem sendo motivo para grandes investimentos em pesquisas nas montadoras e empresas do mundo inteiro. Afinal de contas, a ideia não é apenas apresentar um carro que faça com que as pessoas gastem menos dinheiro, mas apresentar veículos que causem um impacto menor na sociedade como um todo.

Apesar da autonomia, o Rasa conta com uma pequena limitação de velocidade, conseguindo atingir apenas 100 km/h, o que acaba sendo até mesmo abaixo do indicado para trafegar em determinadas rodovias. Mesmo assim, pode ser um protótipo interessante e que pode dar origem a novas tecnologias. 
Distância anunciada é percorrida sem precisar abastecer o veículo.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Ferrari é vendida por €32 milhões em Paris

Ferrari é vendida por €32 milhões em Paris

A Ferrari 335 Sport Scaglietti 1957 foi vendida em Paris, na França, batendo recorde em um leilão. O nome do comprador não foi divulgado, mas ela logo será enviada para os Estados Unidos da América. Ela fazia parte da coleção do francês Pierre Bardinon, que faleceu em 2012, e era um dos grandes especialista da marca. O que mais chamou a atenção dos organizadores do evento foi o estado de conservação do carro.

A venda quebrou o recorde da venda de uma Ferrari 250 GTO de 1962, em 2014. Vendida por US$ 30 milhões, que seriam aproximadamente, € 28,9 milhões na época. Essa Ferrari já foi conduzida pelo piloto britânico Mike Hawthorn. Ele a conduziu pelo famoso trajeto de Le Mans, com a melhor volta, em 24h. A Ferrari vendida  também foi conduzida pelos pilotos Juan Manuel Fangio a Michael Schumacher. De acordo com o catalogo do leilão, foi conduzida no grand prix de Cuba em 1958. A Artcurial (casa de leilões francesa, com sede no lendário Hotel Marcel Dessault, em Paris) diz que essa é "uma das Ferrari’s mais importantes na história do automobilismo".

Curiosidades da Ferrari

Entenda o porquê da importância da marca Ferrari, com algumas curiosidades sobre ela:
  • A Ferrari foi fundada por Enzo Ferrari em 1929. Desde 1969, pertence ao grupo Fiat.
  • O grupo Fiat, possuí outras marcas além da Ferrari como Iveco, Lancia, Alfa Romeo, Maseratti, Innocenti e FIAT-Allis. Ela também é dona de 50% da Chrysler.
  • A fábrica da Ferrari está na cidade de Maranello.
  • Ao contrário do que muitos pensam, o cavalo da marca Ferrari, não significa cavalos de força, e sim, uma marca do Conde Francesco Baracca, que foi piloto de aviões na primeira guerra mundial. Ele pintava esse símbolo nos aviões que pilotava.
E então, deu vontade de comprar um Ferrari? Prepare o bolso... Mas que vale a pena, ah vale!
A venda ocorrida no leilão francês quebrou o recorde da venda de uma Ferrari 250 GTO de 1962, em 2014.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Curiosidades

19 de fev de 2016

Mercedes divulga detalhes do motor OM 654

Mercedes divulga detalhes do motor OM 654

Na última semana, a montadora alemã Mercedes divulgou o lançamento da sua nova Mercedes Classe E, que seria equipada com um motor novo, um 2.0 turbodiesel. Agora a montadora divulgou mais detalhes sobre a novidade que deixara o SUV mais leve e mais potente. Ficou curioso? Continue lendo e confira mais detalhes sobre o novo lançamento da alemã.

Novo OM 654



O novo OM 654 chega para inaugurar a nova família de equipamentos a diesel da alemã e que equipará a próxima geração do Classe E 220d. Segundo o que foi divulgado pela montadora, o novo motor deve desembarcar em terras brasileiras em sua versão a gasolina ainda em agosto desse ano. A novidade chega toda feita em alumínio e será um 2.0 turbodiesel. A versão é a primeira a ser equipada com os quatro cilindros totalmente de alumínio. Em comparação com a versão anterior, segundo o que foi divulgado pela Mercedes, o OM 654 vai chegar 13% mais econômico e quase 40 kg mais leve quando colocado lado a lado com o antigo 2.1 que equipava a Classe E. Além disso, a novidade chegou mais potente. Com 195 cv e torque máximo de 40,78 kgfm, ele chega para combater o seu antecessor, que contava com 170 cv. Uma diferença considerável. Ainda segundo informações divulgadas pela montadora alemã, o motor fará com que o novo Classe E vá de 0 a 100 km/h em apenas 7,3 segundos. Além disso, alcançará velocidade máxima de 240 km/h.

Prévia do futuro da alemã



O novo OM 654 turbodiesel chega para fazer parte da nova família de motores que equipará os futuros veículos da Mercedes. A nova linha de equipamentos da alemã chegará com motores de diversos formatos e potências. Sendo todos esses equipados com exaustor de recirculação de gás e também preparados para atender a todas normas de emissão de gases. As versões turbodiesels serão compatíveis com a nova tecnologia Adblue, que é um líquido a base de água e ureia biodegradável. A mistura serve para limpar os gases que são emitidos pelos propulsores a diesel, tornando os veículos ecologicamente correto. A iniciativa é interessante e sustentável, ainda mais considerando as cada vez maiores manifestações em relação ao cuidado com o meio ambiente. Agora o que resta é esperar para a novidade chegar ao Brasil, adaptada aos costumes dos brasileiros. Equipado com gasolina, o novo 2.0 promete chegar mais potente, mais econômico, mais leve e de quebra mais bonito. Mais uma prova de que a qualidade da Mercedes continua imbatível e que a empresa se mantém atenta às novidades e às tendências que aparecem no mundo e no mercado. Uma verdadeira alemã. 
O novo OM 654 turbodiesel chega para fazer parte da nova família de motores que equipará os futuros veículos da Mercedes.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Auto Papo - Não deixe o carro parado sem partida

Auto Papo - Não deixe o carro parado sem partida





Deixar qualquer carro parado vai, inevitavelmente, descarregar a bateria. Nem mesmo carrinho de bate-bate anda sem energia, então saiba como você pode preservar a carga da bateria. Uma dica: não é tão simples quanto dar aquela partidinha de vez em quando. Saiba mais no Auto Papo. motorcarroparado.mp3

Fonte: R7

Fiat Toro chega com preços a partir de R$ 76.500

Fiat Toro chega com preços a partir de R$ 76.500

Um dos lançamentos mais aguardados do ano, a Fiat Toro finalmente chegou ao mercado brasileiro. Depois de muito suspense, muita especulação e poucas fotos divulgadas, a nova picape da Fiat desembarca no mercado e está disponível para compra. A picape foi oficialmente apresentada na última segunda-feira (15), em Campinas, São Paulo. Segundo o diretor de comunicação da montadora, a Toro é o veículo mais sofisticado que já foi produzido pela Fiat.

Fiat Toro



A picape chega ao Brasil disponível em quatro versões, além de uma bônus. Essa bônus chamará Opening Edition e será uma edição especial de lançamento do veículo. Confira as versões disponíveis!

Freedom 1.8 Flex

Com transmissão automática de seis marchas, a versão de abertura da Toro conta com itens de série que incluem ar-condicionado, direção elétrica, vidros e travas elétricas, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, rodas aro 16, suspensão com rodas independentes, freio a disco na dianteira e a tambor na traseira, piloto automático, rádio com comandos no volante, sensor de estacionamento traseiro e revestimento de caçamba. O modelo chega por R$ 76.500.

Freedom Opening Edition 1.8 Flex

Versão especial de lançamento, também conta com câmbio automático de seis marchas e todos os equipamentos de série da Freedom. Além disso, vem equipada com todos os opcionais disponíveis. São eles rodas de liga leve, faróis de neblina, retrovisores elétricos rebatíveis, capota marítima, ar-condicionado dual-zone, câmera de ré, volante revestido em couro com paddle shifters e central multimídia Uconnect. Será vendida por R$ 84,4 mil.

Freedom 2.0 Diesel 4x2

Com câmbio manual, conta com todos os equipamentos de série da versão Freedom 1.8, além de skid plate integrado ao para-choque dianteiro, rodas de aço aro 16 super spoke e protetor de cárter. Chega por R$ 93,3 mi.

Freedom 2.0 Diesel 4x4

Também com câmbio manual, conta com todos os itens disponíveis da versão anterior e ganha controle automático em descidas íngremes, retrovisores elétricos com memória, brake light, alarme e iluminação de caçamba. Será comercializado por R$ 101,9 mil.

Volcano 2.0 Diesel 4x4

Equipada com um câmbio automático de nove marchas, a Volcano é a versão top de linha da Toro. Além de contar com todos os equipamentos disponíveis nas versões anteriores, ela chega equipada com ar-condicionado dual-zone, câmera de ré, rodas de liga leve aro 17, central multimídia Uconnect, faróis de neblina com tecnologia cornering – que acompanha as curvas – e faróis principais equipados com LED diurno. Será vendida por R$ 116,5 mil. Uma mistura de SUV com picape, a Fiat Toro chega com um design verdadeiramente inovador e é uma promessa para o mercado brasileiro.
Segundo o diretor de comunicação da montadora, a Toro é o veículo mais sofisticado que já foi produzido pela Fiat.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Lançamentos

Jaguar Land Rover comemora aumento nas vendas em Janeiro

Jaguar Land Rover comemora aumento nas vendas em Janeiro

Que no Brasil a crise chegou e derrubou as vendas do mercado automobilístico, ninguém discute. Porém, o mesmo não se aplica ao restante dos mercados mundiais. Prova disso é a nova conquista da montadora Jaguar Land Rover, que comemora, agora em 2016, não só o aumento de suas vendas, como também o seu alcance do recorde de comercialização de veículos. Mais ainda, a montadora conseguiu passar por cima da crise existente no país e aumentar as suas vendas no Brasil em meio a um cenário completamente desfavorável.

Números de vendas mundiais



A montadora entregou durante 2015, 487.065 unidades no mundo todo, quebrando o seu recorde de vendas. Isso representa um aumento de 5% quando comparado a 2014 e o dobro de tudo o que foi comercializado em 2009. Os grandes responsáveis pelo aumento das vendas da Jaguar Land Rover foram Europa e Estados Unidos, com 110.298 e 94.066 carros vendidos, respectivamente. Na China, porém, o grupo enfrentou uma queda de quase 24% nas vendas durante o ano. Analisando a divisão interna, a Land Rover contribuiu com 403.079 carros comercializados e a Jaguar com 83.986 veículos. O ano foi considerado o melhor da Jaguar da última década.

Números de vendas no Brasil

Apesar do período sensível e desfavorável da economia brasileira e da queda constante das vendas do mercado automobilístico, a Jaguar Land Rover fechou o mês de janeiro em clima de comemoração. A montadora britânica celebrou o aumento de sua presença no país. Só no primeiro mês de 2016 as duas marcas foram responsáveis por comercializar 786 veículos. Se comparado com o mesmo período do ano anterior, as vendas ganharam um crescimento equivalente a 18,2%. Levando em conta a divisão interna, só a Land Rover foi responsável pela venda de 735 dos 786 automóveis comercializados no período. Isso mostra o reflexo da boa repercussão que vem tendo o modelo Discovery Sport no mercado brasileiro. Ainda neste ano a marca vai começar a produzir o SUV no país. Ele deverá ser produzido na fábrica de Itatiaia, no Rio de Janeiro. Já a Jaguar, marca ainda mais premium da montadora, fechou o mês de janeiro com 51 automóveis comercializados.

Jaguar Land Rover

A Jaguar Land Rover é uma companhia automotiva multinacional britânica que faz parte do grupo Tata Motors. A montadora é a responsável pela criação, produção e comercialização dos carros das marcas Jaguar e Land Rover. Enquanto a Land Rover é conhecida por seus veículos mais robustos e todo-terreno, com modelos conhecidos como Freelander e Discovery, a Jaguar se tornou famosa por seus sedãs esportivos e luxuosos, admirados pela alta sociedade de todo o mundo. Ambos estão inseridas no mercado de carros premium do Brasil e a cada ano que passa vem ganhando mais espaço no coração, nas casas e no mercado brasileiro. Para ver isso basta reparar no número de vendas que as marcas têm no país. Eles só crescem ano após ano e têm previsão de continuar crescendo.
A montadora entregou durante 2015, 487.065 unidades no mundo todo, quebrando o seu recorde de vendas.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado