31 de mar de 2015

General Motors garante que novo Camaro será mais leve

General Motors garante que novo Camaro será mais leve

Um dos carros mais icônicos de todos os tempos, o Chevrolet Camaro é simplesmente um dos símbolos máximos da indústria automobilística dos Estados Unidos, e um dos modelos mais aclamados por todo o mundo.

Veja também:

  • Chevrolet libera teaser do Camaro 2016
A General Motors acaba de anunciar que a nova geração do superesportivo deverá ser mais leve, dando indícios de que a redução poderá ser de até 90 kg em relação à geração atual do Camaro.

Apresentação será em Detroit



A nova geração do Chevrolet Camaro deverá ser apresentada na próxima edição do Salão de Detroit, nos Estados Unidos, em maio próximo, e o modelo já tem até data para sua estreia no evento: dia 16. Com alterações em sua estrutura, a General Motors anunciou de modo oficial que a nova geração do Camaro deverá ser bem mais leve do que a atual, com uma redução que poderá ser de até 90 kg. Toda esta redução, segundo informou a montadora estadunidense, se deverá ao fato de que o alumínio será utilizado em algumas partes das suspensões do modelo e também na viga do painel. Com isto, a montadora pensa em deixar o seu muscle car ainda mais rápido, melhorando seu desempenho e fazendo com que ele também ganhe em agilidade nas retomadas.

Sem maiores detalhes

Apesar de já ter anunciado a intenção de deixar a nova geração do Camaro mais leve, a General Motors ainda não deu maiores detalhes sobre o novo modelo, não divulgando fotos e praticamente nada sobre o esportivo. Com isto, cresce a expectativa para saber como ficará esta nova geração do icônico superesportivo da montadora dos Estados Unidos, que deverá ficar mais moderno, além de mais ágil e mais leve, como já foi dito anteriormente.

Sem previsão de chegada ao mercado brasileiro

Sucesso no Brasil nos últimos dois anos, especialmente por conta de uma música de uma dupla sertaneja que virou hit nas paradas, o Camaro, especialmente em sua versão amarela, vendeu bem por aqui. A atual versão do modelo, que pesa 1.790 kg de peso, está entre os superesportivos mais bem avaliados e mais bem vendidos do país. No entanto, ainda nãos se sabe ao certo quando a nova geração do Camaro que será apresentada pela General Motors em maio chegará por aqui, e também não se sabe qual deverá ser seu preço. O que se sabe, é que com certeza ela deverá ser mais um sucesso de vendas por aqui.
A nova geração do Chevrolet Camaro, agora mais leve, deverá ser apresentada na próxima edição do Salão de Detroit, nos Estados Unidos.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Novo Duster chega para brigar com Renegade e HR-V

Novo Duster chega para brigar com Renegade e HR-V

A Renault lançou nesta terça-feira a nova linha do Duster, veículo que terá muita dificuldade para se manter entre os mais vendidos do segmento de SUVs. O modelo brigará diretamente com os recém-lançados Honda HR-V e Jeep Renegade, além do Peugeot 2008, que chega na próxima semana. Um dos líderes da categoria, atrás apenas do Ford EcoSport, o Duster terá de correr atrás do prejuízo para se manter no topo. Isso porque Honda HR-V e Jeep Renegade mal chegaram ao mercado e já agradam os consumidores. O veículo será oferecida em duas versões de motor: 2.0 16V e 1.6 16V. O motor 2.0 16V ganhou 6 cavalos ante a versão anterior, sendo capaz de gerar 148 cavalos de potência quando abastecido com etanol, e 143 cavalos de potência quando abastecido com gasolina O SUV da Renault não apresenta grandes novidades. Por fora, o carro possui novos para-choques dianteiro e traseiro, nova barra de teto e novas rodas. Além disso, a grade frontal foi alterada, com o símbolo da marca ficando maior e, na traseira, as lanternas foram modificadas. Por dentro, as inovações estão no novo acabamento da região central, além de novo painel de instrumentos. O Duster traz um sistema de navegação com informações de trânsito em tempo real e possibilidade de acessar as mídias sociais por meio de um aplicativo para smartphone. Na tela, o condutor também observa temperatura externa e se o sistema eco (para economia de combustível) está ligado. Ainda no painel, o condutor pode observar os dados de controle de cruzeiro, autonomia de combustível e consumo momentâneo. Na região do conta-giros um medidor indica qual o melhor momento para a troca de marchas, auxiliando na economia de combustível. O novo Duster será oferecido em cinco versões, sendo duas motorizações e duas opções de câmbio: Expression 1.6 16V com câmbio manual, Dynamique 2.0 16V com câmbio manual, Dynamique 2.0 com câmbio automático e Dynamique 2.0 16V 4x4 com câmbio manual. Um dos problemas do câmbio automático é que ele vem com apenas quatro marchas. Confira os preços do novo Duster: Modelo Preço Duster Expression 1.6 16V Manual R$ 62.990 Duster Dynamique 1.6 16V Manual R$ 67.990 Duster Dynamique 2.0 16V Manual R$ 72.990 Duster Dynamique 1.6 16V Automático R$ 75.990 Duster Dynamique 2.0 16V Manual 4x4 R$ 78.490


A Renault lançou nesta terça-feira a nova linha do Duster, veículo que terá muita dificuldade para se manter entre os mais vendidos do segmento de SUVs. O modelo brigará diretamente com os recém-lançados Honda HR-V e Jeep Renegade, além do Peugeot 2008, que chega na próxima semana....

Fonte: Terra
Categoria: Carros Motos

Mulher apaga no trânsito e causa confusão no meio de rodovia

Mulher apaga no trânsito e causa confusão no meio de rodovia



Na semana passada as imagens de uma abordagem policial feitas em uma movimentada rodovia de San Diego, nos Estados Unidos, acabaram correndo o mundo através das redes sociais. Os oficiais tiveram que quebrar o vidro de um carro que estava parado no meio das pistas para acordarem a condutora. De acordo com as informações que foram repassadas pela patrulha de San Diego, na região de Kearny Mesa, os policiais encontraram um carro parado no meio da pista, durante a madrugada. Os policiais acabaram indo ver o que estava acontecendo, e perceberam que a mulher que dirigia o carro estava dormindo.

Neste momento os oficiais começam a colocar a luz na cara dela e também bateram na janela, sem sucesso. Mas o problema realmente começou quando o carro começou a andar, mesmo com a condutora ainda dormindo ao volante. Neste momento o policial teve que quebrar o vidro da janela do carro para conseguir deter o veículo. Somente neste momento a condutora acabou sendo acordada. A mulher acabou sendo presa no local, já que os oficiais acabaram encontrando uma garra diversas garrafas de bebidas alcoólicas. 
Imagens mostram o momento que policiais precisam quebrar vidro do carro para acordar a motorista.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Honda HR-V surpreende em número de vendas

Honda HR-V surpreende em número de vendas

Quando foi lançado oficialmente no mercado brasileiro, no dia 15 de março deste ano, o Honda HR-V parecia que tinha tudo para ser um sucesso de vendas, mas as expectativas em torno dele não eram tão altas assim. No entanto, para surpresa geral da própria Honda, o modelo já apresenta um número de vendas bem superior ao esperado e já tem lista de espera de até 60 dias na maior parte das concessionárias da montadora japonesa em todo o Brasil.

Esgotado



Cercado de grande expectativa, especialmente por ser um SUV repleto de itens de tecnologia e de conforto, o Honda HR-V chegou ao mercado brasileiro, depois de muita especulação, somente no último dia 15 de março. E as vendas acabaram por surpreender até mesmo os mais otimistas executivos da montadora japonesa, tanto é verdade, que há fila de espera em muitas concessionárias da marca em todo o Brasil. Esgotado, o Honda HR-V só é oferecido nas concessionárias quando clientes desistem de comprá-lo (muito raro) ou quando eles não têm seus pedidos de financiamentos aprovados. Portanto, o que se vê são consumidores brasileiros aprovando quase que totalmente o Honda HR-V, que já passa a se mostrar um verdadeiro empecilho para os modelos rivais de segmento, especialmente por se tratar de um modelo completo e cheio de recursos.

Recursos justificam o sucesso

Para quem ainda não entende como um SUV pode chegar e em tão pouco tempo apresentar número de vendas assim tão alto e tão satisfatórios, é possível entender isto por meio da quantidade de recursos apresentados. Os recursos de fato justificam o sucesso do Honda HR-V, que chega ao mercado equipado com uma central multimídia que tem como base o sistema operacional Android, do Google, que é o mais usado em dispositivos móveis ao redor do mundo.

Desempenho em alta

Além dos recursos tecnológicos apresentados pelo novo Honda HR-V, que já é um verdadeiro sucesso de vendas em todo o país, o fato é que o modelo também apresenta um desempenho interessante. Seu motor tem ótima resposta, e trabalha em conjunto com o sistema de câmbio CVT, que empresta agilidade ao modelo, deixando-o muito mais rápido e com respostas bem mais rápidas do que as que são vistas em modelos como o Ford EcoSport, por exemplo. Seu preço atraente também é um diferencial e tanto para atrair consumidores, já que ele pode ser encontrado entre a faixa dos R$ 69.900 e dos R$ 88.700.
Cercado de grande expectativa, o Honda HR-V chegou ao mercado brasileiro, e as vendas acabaram por surpreender até mesmo os mais otimistas executivos!

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

Nissan Frontier ganha nova central multimídia

Nissan Frontier ganha nova central multimídia

Os consumidores brasileiros, assim como os consumidores de outras partes do mundo, começam também a ficar cada vez mais exigentes em relação às capacidades de multimídia de seus modelos. Com isto, cada vez mais as principais montadoras que atuam no mercado brasileiro começam a aprimorar seus modelos neste sentido, lhes dando centrais multimídia completas e eficientes. A nova Nissan Frontier, uma das picapes mais vendidas do Brasil, acaba de ganhar uma nova central multimídia para agradar ainda mais aos consumidores que adoram tecnologia e que adoram estar conectados em todos os momentos da vida.

Um novo acessório



A montadora japonesa Nissan acaba de anunciar que toda a sua linha de picapes Frontier passa a ter dentro de sua lista de acessórios opcionais, uma nova central multimídia, que chega com preço sugerido de R$ 3.175. Esta central multimídia tem o nome de Caska CA087-BR, e apresenta, entre outras coisas, uma tela de 6,2 polegadas, além de conexão Plug and Play e muito mais, e deverá agradar em cheio aos consumidores que procuram por itens tecnológicos de última geração nos modelos que compram.

Recursos

Além da nova linha da Nissan Frontier, a nova central multimídia Caska CA087-BR também passa a estar disponível dentro da linha dos seguintes modelos da montadora japonesa no Brasil: Sentra e New March. Dentre os recursos apresentados por esta nova central multimídia, merecem destaque o sistema Bluetooth, DVD, TV, SD Card e navegador por GPS integrado, que deixam a nova Nissan Frontier ainda mais interessante dentro do mercado brasileiro. Alias, a televisão é um caso à parte, especialmente por apresentar um receptor de alta resolução e que disponibiliza aos usuários a busca por canais por meio de botão direto, deixando tudo muito mais prático e simples de ser feito.

Homologado pela Nissan

A produção e o desenvolvimento desta nova central multimídia que surge nos modelos da linha da Frontier ficaram por conta da Caska, que fez um excelente trabalho, deixando o sistema completo e funcional. A Nissan homologou e passou a utilizá-lo como item opcional em parte de seu portfólio, o que dá indícios de que em breve, toda a sua linha de modelos deverá contar com este recurso. A parceria entre as duas é a prova máxima de que cada vez mais modelos deverão surgir com recursos tecnológicos que permitam aos usuários estarem conectados dentro das mais diferentes situações.
A montadora japonesa Nissan acaba de anunciar que toda a sua linha de picapes Frontier passa a ter uma nova central multimídia. Confira!

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Mercado

30 de mar de 2015

Toyota Supra pode chegar às concessionárias em 2018

Toyota Supra pode chegar às concessionárias em 2018

Considerado um dos superesportivos mais aguardados de todos, o Toyota Supra deverá chegar às concessionárias do mundo todo somente em 2018, sem previsão de dia ou mês ainda. O modelo também deverá chegar ao mercado sem a tão falada versão híbrida, já que muito provavelmente, ele acabe usando o motor BMW turbo com 6 cilindros, que tem como principal mote o desempenho. Vamos saber mais!

Mudanças à vista para o projeto



Considerado um dos projetos mais ambiciosos da Toyota para os próximos anos, o superesportivo Supra deverá ter mudanças à vista para o seu projeto, especialmente por conta de mudanças de rumo tomadas pela parceira da montadora japonesa neste empreendimento, a alemã BMW. Segundo informações confiáveis publicadas na revista Car and Driver, a BMW já descartou fazer uma variante híbrida do Z4, e com isto, ela também acabaria forçando a sua parceira, a Toyota, a desistir de ter este tipo de variante presente no projeto do Supra. Ainda segundo as informações publicadas na famosa revista, tanto o BMW Z4, quanto o Toyota Supra, deverão ser impulsionados por um motor que deverá ter entre 4 e 6 cilindros. Com esta alteração no projeto do Toyota Supra, o modelo, que anteriormente poderia chegar ao mercado em 2017, agora deverá chegar somente em 2018, sem data confirmada para tal. Inspirado no FT-1 Concept, o Toyota Supra é um superesportivo realmente espetacular, e mesmo com esta alteração de projeto, deverá ser um modelo potente e diferenciado em muitos sentidos.

Parceria de sucesso e de peso

Muitas são as montadoras importantes que acabam recorrendo às parcerias para continuarem fortes dentro do mercado mundial, e com isto, diversos são os projetos de modelos conduzidos de modo colaborativo. A parceria estabelecida entre a Toyota e a BMW reúne nada menos do que duas das mais importantes montadoras do mundo na atualidade, se convertendo numa parceria de sucesso e de peso. O futuro é dos mais promissores para esta parceria, e além do Toyota Supra, outros modelos importantes deverão surgir dela, fazendo com que as duas montadoras possam usufruir do sucesso e consigam se manter relevantes. Aos consumidores interessados em maiores informações sobre o Toyota Supra, a verdade é que o superesportivo deverá ter mais notícias sendo divulgadas dentro de alguns meses. Portanto, se você também se interessa, nem que seja apenas para saber mesmo, fique atento ao noticiário dos próximos meses.
Considerado um dos projetos mais ambiciosos da Toyota para os próximos anos, o superesportivo Supra deverá ter mudanças para 2018.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Land Rover divulga o trailer oficial da nova Range Rover SVAutobiography

Land Rover divulga o trailer oficial da nova Range Rover SVAutobiography



Foi com um belo trailer que a Land Rover apresentou oficialmente a sua nova Range Rover SVAutobiography para o mundo. O modelo estará fisicamente no Salão do Automóvel de Nova York, quando o público poderá conferir de perto todas as mudanças que foram realizadas no modelo, tanto estéticas quanto mecânicas. Uma das alterações mais significativas na mecânica do veículo é a instalação de um motor V8 comprimido aperfeiçoado, que entrega para o condutor 550 cavalos e 68 Kgfm de torque máximo.

Nas imagens do vídeo podemos conferir os detalhes da produção do veículo. O veículo terá primeira vez duas tonalidades sendo oferecidas de fábrica, o que vai permitir com que os condutores escolham entre combinações diversas. O veículo continua com todo o seu requinte e conforto na parte interna, com diversos acessórios tanto para carona da frente quanto para quem fica sentado atrás do veículo. Destaques para os acabamentos feitos em alumínio sólido tanto nos comandos rotativos da transmissão quando nas pedaleiras. Aqueles que estiverem no banco de trás do veículo poderão até mesmo contar com um escritório adaptado, com uma mesa retrátil e tomadas de energia para recarregar smartphones ou notebooks. A expectativa é que o veículo comece a ser vendido nos mercados ocidentais a partir da metade deste ano. 
Veículo será apresentado oficialmente no próximo Salão do Automóvel.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

29 de mar de 2015

Parabéns Jackie

Parabéns Jackie

Rolex comemorava o título de Bi campeão mundial de Formula 1 conquistado por Jackie Stewart . 


Rolex comemorava o título de Bi campeão mundial de Formula 1 conquistado por Jackie Stewart . 

Fonte: 4 Rodas Carburada
Categoria: Publicidade em Quatro Rodas
Autor: Fabio Paiva

28 de mar de 2015

Novo Duster 2016 já está nas concessionárias

Novo Duster 2016 já está nas concessionárias

Finalmente, depois de muita especulação e depois de muitos boatos, o novo Renault Duster 2016 finalmente está nas concessionárias da montadora francesa de todo o Brasil. O modelo chega para deixar o mercado de SUVs médios ainda mais agitado, mesmo sem contar com grandes mudanças, tanto visuais, quanto no que diz respeito à sua lista de equipamentos.

Poucas, mas pontuais novidades...



Apesar de não serem muitas, a verdade é que as novidades envolvendo o novo Renault Duster 2016 que já chegou às concessionárias da marca francesa em todo o Brasil, podem ser classificadas como sendo pontuais. O modelo agora tem alguns retoques externos, que o deixaram ainda mais moderno, além de também ter algumas novidades importantes no que se refere ao seu acabamento interno. Agora o modelo conta com uma nova grade dianteira em preto brilhante, além de novos faróis, que agora apresentam um desenho interno mais elaborado, seguindo o que foi implementado no novo Sandero. Na parte de trás do modelo, ele passa a contar com novos apliques em seu para-choque, além de novas lanternas, que agora apresentam um novo desenho, mais moderno e arrojado do que o anteriormente visto. Internamente, o painel ganhou novos contornos, e agora, há novas saías de ar com aros marrons, seguindo a mesma cor que se apresenta no acabamento dos bancos, que chegam em couro bicolor. Para agradar aos consumidores mais jovens (seu público-alvo), o novo Renault Duster 2016 chega equipado com o sistema multimídia chamado de Media Nav, que conta com Bluetooth e com entrada USB, entre outras coisas.

Rivais de peso

O motor segue sendo o mesmo, que garante desempenho ao modelo, que é um dos mais robustos da categoria, e que neste ano terá novos desafios, especialmente com a chegada de novos concorrentes diretos ao mercado brasileiro. Dentre seus principais rivais que chegam ao Brasil neste ano, podemos destacar o novo Honda HR-V e o Jeep Renegade, que formam uma dupla de peso que deverá apresentar excelentes vendas por aqui neste ano. Mas não serão apenas estes dois modelos as novidades que irão chegar por aqui, já que também deverá aportar no Brasil o novo Peugeot 2008, e que terá grande apelo, especialmente junto aos mais jovens, já que ele deverá chegar com uma versão equipada com um potente motor turbo. Aos consumidores brasileiros, só resta agradecer, pois a concorrência será acirrada, dando mais opções de escolha a todos.
O modelo chega para deixar o mercado de SUVs médios ainda mais agitado, mesmo sem contar com grandes mudanças, tanto visuais, quanto em itens de série

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Lançamentos

Chevrolet Onix ganhará grafite ao vivo no Lollapalooza

Chevrolet Onix ganhará grafite ao vivo no Lollapalooza

Considerado um dos modelos mais interessantes do mercado automobilístico nacional, e também um dos lançamentos mais interessantes que a Chevrolet fez em terras tupiniquins nos últimos anos, o Onix será destaque do festival Lollapalooza 2015. Este festival musical, que irá rolar nos próximos dias 28 e 29 de março deste ano, reunirá alguns dos nomes de peso do cenário musical mundial, e a Chevrolet, de olho na grande repercussão que o evento terá, decidiu fazer uma ação de marketing inovadora envolvendo o Onix. O modelo ganhará um grafite ao vivo, durante o festival, para delírio dos fãs.

Patrocinadora máster



Por ser a patrocinadora máster do evento Lollapalooza pelo segundo ano consecutivo, a Chevrolet decidiu deixar para o evento mais uma grande ação de marketing reservada. Desta vez, ela irá grafitar ao vivo, diante dos fãs presentes ao evento, um Onix, como parte de uma ação para divulgá-lo e para deixá-lo ainda mais ligado ao público jovem, que com certeza será a maioria dentro do lugar. O artista escolhido para fazer a ação será o grafiteiro profissional Elvis Mourão, que ficará trabalhando durante os dois dias do evento, para deixar o Onix totalmente diferenciado ao final do processo.

Outras ações

Além desta inovadora ação envolvendo o Onix, a Chevrolet também reservou novidades para agradar aos fãs de música que estarão no autódromo de Interlagos para prestigiar o Lolllapalooza 2015 em São Paulo. Uma das mais interessantes envolve a instalação de uma montanha russa (a primeira na História do festival) para divertir os fãs no intervalo entre uma apresentação e outra. Fora isto, haverá ainda a presença do mais famoso estúdio de tatuagem do Brasil, o Led’s Tatoo, cujos profissionais ficarão dentro do Lolla Lounge, tatuando quem agendou previamente a sessão. Vale lembrar que o acesso ao Lolla Lounge vale apenas para quem comprou ingresso especial.

O festival

Para quem não conhece, o Lollapalooza é um festival que foi criado em 1991 pelo então vocalista do Jane’s Addiction, Perry Farrell, sendo de início, um festival itinerante que rolava somente nos Estados Unidos, agitando o verão por lá. No entanto, a franquia ficou grandiosa, e acabou sendo exportada para outros lugares, tendo ocorrido no Chile, na Argentina e no Brasil, onde ocorre há 4 anos, sempre procurando se destinar aos jovens mais antenados que gostam de boa música, especialmente de rock mais alternativo.
O artista escolhido para fazer a ação será o grafiteiro profissional Elvis Mourão, que ficará trabalhando durante os dois dias do evento.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Eventos

Land Rover anuncia Range Rover Sport HST

Land Rover anuncia Range Rover Sport HST

Uma das marcas mais importantes do mundial, a Land Rover é respeitadíssima por conta de seus modelos SUVs que unem robustez, desempenho, luxo e tecnologia sempre nas doses certas.

Veja também:

  • Land Rover apresenta Range Rover Evoque conversível em vídeo
Depois de ter lançado mais um novo modelo no mercado mundial, chamado de Range Rover Sport SRV, agora a montadora decidiu lançar uma versão ainda mais agressiva e “apimentada”, chamada de Range Rover Sport HST, que chega com potência e tecnologia de primeira qualidade.

Um grande e potente motor



A primeira coisa que chamou a atenção nesta versão mais esportiva ainda da família Range Rover Sport é que o HST chega equipado com um motor realmente grande e potente, capaz de entregar tudo que um modelo deste porte precisa. O motor do Range Rover Sport HST é um V6 3.0 litros apresenta a capacidade de gerar uma potência máxima de nada menos do que 380 cavalos, que lhe permitem ter um desempenho exuberante em qualquer condição de terreno. Com apresentação oficial agendada para a próxima edição do Salão de Nova York, que terá início no próximo dia 1º de abril, o modelo deverá ser uma das grandes apostas da marca para 2015 em todo o mundo.

Visualmente diferenciado



Se o motor chama a atenção das pessoas, também é possível observar mudanças em relação ao visual do modelo, que ficou mais esportivo, com grade dianteira, capô e entradas de ar redesenhadas. Com retrovisores pintados de preto, o modelo chega com pacote Stealth, que apresenta teto em preto Santorini, que confere um aspecto ainda mais elegante ao conjunto do SUV. Spoiler novo e rodas Satin com 21 polegadas na cor cinza escuro deixam o Range Rover Sport HST com uma “cara” realmente esportiva, sendo que há ainda a opção de usar rodas com 22 polegadas. Internamente, bancos em couro Oxford em duas tonalidades, além de detalhes brilhantes presentes nas portas e no painel deixam o modelo com o ar requintado que normalmente se vê neste tipo de veículo de luxo. Para melhorar as trocas de marchas, paddle shifts foram instalados no volante, que chega em alumínio, assim como também os pedais. Para os consumidores brasileiros que já demonstraram interesse em adquirir o Range Rover Sport HST, a Land Rover indica que ele deverá chegar por aqui a partir do segundo semestre, mas ainda não há uma previsão certa e também não há certeza de preços.
O motor do Range Rover Sport HST é um V6 3.0 litros apresenta a capacidade de gerar uma potência máxima de nada menos do que 380 cavalos!

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

27 de mar de 2015

Alemão transforma um Porsche 928 GTS em uma picape de seis rodas

Alemão transforma um Porsche 928 GTS em uma picape de seis rodas



Um alemão criou um modelo de carro um tanto quanto inusitado a partir das técnicas de customização automotiva que podem ser utilizadas tanto para criar veículos incríveis como alguns modelos peculiares. O vídeo postado em um canal no YouTube especializado neste tipo de mudança nos carros mostrou o trabalho de um alemão que transformou um Porsche 928 GTS em uma picape de seis rodas.

A engenharia básica do carro não foi alterada, mantendo o motor V8 5.1 GTS que entrega ao motorista 354 cv de potência e que fazia parte do modelo original que era vendido entre a década de 70 e dos anos 90. Mas com a mudança para uma picape a principal mudança foi a capacidade cúbica, elevada para 6,1 litros. Para conseguir esta inusitada façanha o responsável pelo modelo tirou a parte de trás do carro esportivo, realizou alguns enxertos de aço galvanizado para estender o veículo e também adicionou um novo eixo. O mais interessante do projeto é que o modelo foi inspecionado pelos próprios engenheiros da Porsche, que deram o seu aval para que o veículo conseguisse uma licença especial para rodar pelas ruas da Alemanha. 
Modelo foi criado a partir de técnicas de customização.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Volkswagen lança Amarok 2015 com versão limitada

Volkswagen lança Amarok 2015 com versão limitada

A Volkswagen lançou nesta sexta-feira a versão 2015 da Amarok, que estará disponível nas 600 concessionárias da montadora ainda este mês. Para a nova linha, a marca alemã trouxe a versão Dark Label, série especial que terá apenas mil unidades comercializadas e chega às lojas a partir da segunda quinzena de abril. A principal novidade na Amarok 2015 está nos itens de série. Na nova versão, o veículo, que foi lançado no mercado brasileiro em 2010, vem de série com controle eletrônico de estabilidade, sistema de auxílio em subida (que deixa o carro até três segundos parado em ladeiras), controle de descida (que freia o modelo sozinho, mesmo quando em ponto morto), freios ABS off-road, bloqueio eletrônico de diferencial, sistema eletrônico de tração, além de tampa traseira com sistema de alívio de peso. A Amarok também será a única picape média a ter faróis de neblina com luz estática para conversão, recurso que amplia a área iluminada em curvas feitas em velocidade igual ou inferior a 40 km/h. Sempre que os faróis estiverem ligados (fachos alto ou baixo) e a seta for acionada ou o motorista girar o volante, o farol de neblina do lado correspondente ao que o veículo estiver virando é acionado automaticamente. A tecnologia estará disponível nas configurações Highline e Trendline. A versão topo de linha (Highline) possui ainda câmera traseira de ré com sensor de estacionamento dianteiro e traseiro. Com a chegada da Dark Label, a Amarok passa a ser comercializada em sete opções de configuração, entre carroceria cabine simples e cabine dupla, tração 4x4 selecionável ou permanente, transmissão manual de seis marchas ou automática de oito marchas. A versão S, oferecida em configurações de cabine simples e cabine dupla vem equipada com motor TDI com turbocompressor, capaz de gerar até 140 cavalos de potência. Nas versões SE, Trendline, Dark Label e Highline, o motor TDI tem dois turbos, o que eleva sua potência para 180 cavalos. Dark Label A versão Dark Label foi montada em cima da Trendline e vem equipada com estribos em preto fosco, Santo Antônio preto, roda de liga-leve de 17 polegadas (como opcional pode vir com roda toda preta de 18 polegadas), spoiler inferior dianteiro, capa de retrovisor e maçanetas em preto e iluminação da placa traseira em LED. Internamente, o carro possui volante de direção multifuncional em couro, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro sem câmara de ré , revestimento dos bancos de couro, bancos com ajuste lombar e de altura, airbags laterais e sistema Isofix. A Volkswagen não confirmou o preço exato da picape, mas ele será vendida por cerca de R$ 140 mil. De acordo com a marca, as outras versões devem manter os mesmos preços da linha 2014, mesmo com mais tecnologia e itens de série.


A Volkswagen lançou nesta sexta-feira a versão 2015 da Amarok, que estará disponível nas 600 concessionárias da montadora ainda este mês. Para a nova linha, a marca alemã trouxe a versão Dark Label, série especial que terá apenas mil unidades comercializadas e chega às lojas a partir da segunda quinzena de abril....

Fonte: Terra
Categoria: Carros Motos

Toyota Prius brasileiro em 2018?

Toyota Prius brasileiro em 2018?

Os modelos híbridos estão entre os mais promissores de todos na atualidade, já que o mercado para veículos que poluem menos e que são mais econômicos é um dos que mais cresce, e o futuro promete ainda mais novidades. Com isto, notícias de que modelos híbridos importantes serão lançados no mercado brasileiro começam a ganhar cada vez mais força, especialmente quando a Toyota começa a estudar a possibilidade de começar a produzir o Prius, o seu modelo híbrido, no Brasil a partir de 2018.

Rumores cada vez mais fortes



A notícia que fez com que os rumores sobre o início da produção do Toyota Prius por aqui a partir de 2018 ganhassem ainda mais força veio de um jornal japonês, chamado Nikkei. Segundo este periódico nipônico, a Toyota estaria, entre outras coisas, disposta a investir pesado para transformar o Prius em um veículo nacional já a partir de 2018, quando pretende começar a produção do modelo por aqui, numa fábrica em São Bernardo do Campo, em São Paulo. O jornal afirma também, que inclusive as negociações já estariam sendo feitas entre a Toyota e os governos brasileiros, tanto na esfera federal, quanto na esfera estadual, e estas já estariam num estágio bem avançado.

Poucos detalhes

No entanto, apesar de ter rumores que estão ficando cada vez mais fortes em torno da produção do Prius pela Toyota em solo brasileiro ter início em 2018, o fato é que ainda há poucos detalhes sobre como será esta versão. O que se sabe ao certo é que mudanças importantes deverão ser feitas para adequar o Prius à realidade brasileira, como a possível inserção de um motor flex para trabalhar em conjunto com o motor elétrico, fazendo uso de uma combinação que até o momento é inédita no mercado.

Expectativas de produção

Se realmente deixar de ser apenas rumor, o início da produção nacional do Toyota Prius deverá significar um aumento considerável no número de unidades produzidas, já que a intenção, ao que tudo indica, deverá ser de 1,5 mil unidades por ano do modelo por aqui. Com isto, fica claro que a Toyota tem realmente grande otimismo em relação ao Prius, já que produzindo 1,5 mil unidades por ano do modelo, ela deverá trabalhar muito para fazer com que ele venda mais do que está vendendo atualmente: apenas 400 unidades desde a sua chegada ao mercado nacional, no ano de 2013.
O início da produção nacional do Toyota Prius significará um aumento considerável no número de unidades por aqui, o que é benefício ao meio ambiente!

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

26 de mar de 2015

Rolls-Royce lança Ghost Series II no Brasil

Rolls-Royce lança Ghost Series II no Brasil

Considerado um dos modelos mais luxuosos do mercado na atualidade, o sedã robusto Ghost Series é também um dos modelos mais importantes do portfólio atual da Rolls-Royce no mercado mundial. A versão remodelada do carrão, chamada de Rolls-Royce Ghost Series II, acaba de chegar ao Brasil, pela “bagatela” de R$ 2,9 milhões e com novidades importantes em todos os sentidos.

Um motorzão



Dentre as coisas que mais chamam a atenção no Rolls-Royce Ghost Series II que acaba de chegar ao mercado brasileiro está o seu motorzão V12 biturbo 6.6 litros, que é capaz de entregar ao modelo uma potência de nada menos do que 570 cavalos. O sedã de luxo que acaba de ser lançado no Brasil pela Rolls-Royce é simplesmente a primeira evolução do carro que foi lançado pela montadora britânica de automóveis de luxo no ano de 2009. Com este motorzão, o Rolls-Royce Ghost Series II consegue ter um desempenho realmente formidável, ainda mais se observarmos que ele é um veículo pesado e robusto, que tem no conforto e no luxo as suas maiores preocupações.

Apenas uma unidade para o mercado brasileiro

Inicialmente, a montadora britânica afirmou que apenas uma única unidade do Rolls-Royce Ghost Series II será trazida ao Brasil para ser vendida na pronta entrega, ao passo que as demais vendas serão feitas sob encomenda. Para estas próximas vendas, a montadora britânica já informou que haverá um prazo de espera que será de no mínimo seis meses.

Visualmente, poucas mudanças

No que diz ao seu aspecto visual externo, o Ghost Series II da Rolls-Royce apresenta poucas mudanças significativas, sendo que a principal fica por conta dos faróis dianteiros, que ganharam novo desenho. Também o para-choque dianteiro ganhou novo desenho, mais moderno, que acompanha, entre outras coisas, a presença de um vinco do capô e as novas linhas presentes na lateral do modelo. Detalhes cromados também surgem para deixar o modelo ainda mais elegante, visando agradar em cheio aos fãs da montadora britânica, que sempre apreciam o luxo e o requinte apresentados pelos modelos da marca. Tecnologicamente falando, agora o sedã robusto da Rolls-Royce apresenta, entre outras coisas, algumas novidades que foram recentemente desenvolvidas pela marca, com especial destaque para a tela de 10,2 polegadas que é sensível ao toque, que tem HD com sistema de armazenamento de 25 GB e também conexão com a internet WiFi, que são coisas que deverão agradar aos consumidores mais antenados. 
A versão remodelada do carrão, chamada de Rolls-Royce Ghost Series II, acaba de chegar ao Brasil, pela “bagatela” de R$ 2,9 milhões

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Lançamentos

Polaris lança o Sportsman TouringXP 1000

Polaris lança o Sportsman TouringXP 1000

Todo mundo já teve vontade de pilotar um quadriciclo ao menos uma vez na vida, não é mesmo? Afinal de contas, nós estamos falando de um veículo que parece ser extremamente divertido e feito para enfrentar terrenos dos mais variados. Para a alegria de quem gosta de quadriciclos, a Polaris, uma das marcas mais importantes do mercado, acaba de anunciar o lançamento dentro do mercado brasileiro do Sportsman TouringXP 1000.

Com preço definido



O quadriciclo Sportsman TouringXP 1000 que a Polaris acaba de trazer ao mercado brasileiro já chega por aqui com seu preço definido, sendo que o valor sugerido é de R$ 62.900. Feito para ter um excelente desempenho em qualquer tipo de terreno, este quadriciclo apresenta uma série de melhorias em relação a outros modelos da própria marca.

Motor potente

Um dos pontos altos do Polaris Sportsman TouringXP 1000 é o seu potente motor, que é um bicilíndrico de 952 cm³ que consegue desenvolver uma potência de 89 cavalos, que faz o modelo ter força para enfrentar as mais diferentes situações. Para ajudar no quesito conforto, a Polaris tratou de equipar este modelo com amortecedor de direção, além de também colocar um sistema eletrônico de gestão 4X4, que dá a comodidade de desligar ou ligar a tração integral sempre que for necessária esta ação.

Alterações importantes

Outra alteração importante que foi feita no Sportsman TouringXP 1000 pela Polaris foi a inserção de uma assento extra, que traz encosto para a garupa, entre outras coisas, para deixar o transporte de passageiros ainda mais confortavel. Com muitos recursos tecnológicos, o fato é que este modelo de quadriciclo da Polaris é uma das apostas da marca para 2015, já que se trata de um veículo feito para quem procura por potência e agilidade reunidas num único quadriciclo. A chegada do Sportsman TouringXP 1000 ao mercado brasileiro deverá se dar em abril, quando as primeiras unidades chegam às concessionárias da Polaris espalhadas pelo Brasil. A marca já informou o modelo deverá chegar apenas na cor bronze metálica, mas há indícios que talvez apontem para a chegada de unidades pintadas com outras cores em breve. O modelo deverá vender bem no Brasil, ainda mais levando em conta que se trata de um quadriciclo de qualidade, que é exatamente o que muitos consumidores por aqui estão procurando neste exato momento. A Polaris tem grandes expectativas em relação a ele.
Um dos pontos altos do Polaris Sportsman TouringXP 1000 é o seu potente motor, que é um bicilíndrico de 952 cm³.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Lançamentos

Engenheiros japoneses criam tecnologia para tornar carros “transparentes”

Engenheiros japoneses criam tecnologia para tornar carros “transparentes”



Engenheiros japoneses da Universidade de Keio desenvolveram um sistema que deixa o carro “transparente”. A partir da captação e da projeção das imagens dentro do carro ele dá a sensação de que é completamente invisível quando visto do seu interior, permitindo ver tudo o que acontece do lado de fora, mesmo olhando através das paredes do carro. Para conseguir este efeito o carro conta com um sistema de câmeras estereoscópicas, que são instaladas na parte de fora do veículo. Estes equipamentos conseguem captar as imagens de dois ângulos diferentes ao mesmo tempo, transformando em uma imagem 3D. O mesmo processo acontece em nosso cérebro, com as imagens sendo captadas pelos olhos.

Depois que estas imagens são captadas do lado externo do carro, um conjunto de projetores especiais jogam elas diretamente para as paredes do carro. Todo o carro, no seu interior, é forrado com telas que utilizam a tecnologia retro-refletiva.  A tecnologia ajusta o brilho para que ele possa ser visualizado mesmo durante o dia. Uma variação deste sistema é utilizada em dispositivos militares dos Estados Unidos para camuflagem óptica, mas este é o primeiro estudo relacionado a aplicabilidade do sistema para os civis. Por enquanto ainda não existe previsão de comercialização da tecnologia. 
Sistema utiliza captação e projeção de imagens no interior do veículo.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Vídeos

Teste do novo Jeep Renegade

Teste do novo Jeep Renegade

O primeiro trimestre ainda não acabou, mas os utilitários esportivos compactos já dispararam na frente como o grande assunto automotivo de 2015. É um segmento que durante anos foi exclusivo do Ford EcoSport e, depois de muito tempo, começou a ser ocupado também pelo mexicano Chevrolet Tracker e, de forma mais ostensiva, pelo Renault Duster – que no mês que vem virá com um discreto “facelift”. Mas, até o final de abril, quatro novos concorrentes entram na briga: Honda HR-V – que já desembarcou nas concessionárias –, Peugeot 2008, JAC T6 e o Jeep Renegade. Esse último chega às lojas já no início do mês, com a responsabilidade de ser o primeiro produto da fábrica da Fiat Chrysler Automobiles na cidade pernambucana de Goiana – que será a primeira a produzir modelos Jeep fora dos Estados Unidos. Além de não ser derivado de nenhum carro de passeio, o Renegade traz um outro diferencial importante em relação aos SUVs concorrentes, produzidos por marcas generalistas: a inequívoca identificação da Jeep com o “off-road”.

Veja também:

  • Jeep Renegade parte de R$ 66.900 e chega a R$ 116.900
O Renegade é fabricado também na Itália e está disponível no mercado europeu desde setembro de 2014 – a previsão é que seja vendido em mais de 100 países. No Brasil, a meta é ambiciosa: tornar-se a nova referência do segmento de SUVs urbanos. Para não se afirmar apenas nas boas tradições lameiras da Jeep, o Renegade incorporou às versões diesel 4X4 algumas tecnologias fora de estrada de modelos superiores da marca, como o Wrangler, o Cherokee e o Grand Cherokee. Entre eles o conhecido Select Terrain, que disponibiliza os modos de operação Auto – automático –, Snow – neve – e Sand/Mud –  areia/lama. Na versão “top” Trailhawk, ainda há a opção Rock – pedra. Os ajustes permitem mudar as configurações do modelo de acordo com as condições do terreno. As versões flex têm tração dianteira e os modelos diesel são 4X4. A suspensão é sempre independente nas quatro rodas, todas com freios a disco. Em termos estilísticos, os designers buscaram valorizar as linhas robustas tradicionais da Jeep, mas com uma pitada extra de jovialidade. Parte da inspiração veio do Wrangler, mas com traços bem mais contemporâneos e ousados – sem perder de vista a preocupação de manter bons ângulos de entrada e saída, fundamentais no uso off-road. A frente é compacta e rústica, bem “Jeep style”, e transmite sensação de robustez. A indefectível grade com sete entradas de ar verticais garante a identificação imediata. Na traseira, os destaques são as lanternas, onde as diferentes lentes formam o desenho de um “X”. Por dentro, o mesmo espírito irrreverente, com detalhes que ressaltam o aspecto rústico e a funcionalidade. Muitos logos espalhados pelo habitáculo, além de soluções estéticas similares às de outros modelos da marca, parecem ter a função de lembrar ao ocupante que ele está a bordo de um Jeep.

O novo SUV chega em três versões de acabamento: a básica Sport, a intermediária Longitude e a “top” Trailhawk. As duas primeiras têm opções do motor 1.8 16 V E.torQ Evo flex – de 132 cv e 19,1 kgfm –, ou do 2.0 Multijet II turbodiesel, com turbina VGT, de geometria variável, de 170 cv e 35,7 kgfm. A Sport é a única versão que oferece a opção de câmbio manual – de cinco marchas e apenas para a versão flex. A versão Sport pode vir também com transmissão automática de seis marchas, na versão flex, ou automática de nove marchas, com motor diesel. A Longitude vem com o câmbio automático de seis marchas na versão flex ou de nove marchas na diesel. Já Trailhawk é vendida apenas com o motor diesel, sempre associado ao moderno câmbio automático de nove marchas. Os preços do Renegade com motor flex começam em R$ 69.900 na versão Sport 1.8 manual, sobem para R$ 75.900 no mesmo modelo com câmbio automático e chegam R$ 80.900 na versão Longitude 1.8 automática. Com motor turbodiesel, os preços partem dos R$ 99.900 da versão Sport 2.0, vão aos R$ 109.900 na Longitude 2.0 e atingem os R$ 116.900 na versão Trailhawk 2.0 – as três com câmbio automático. E a FCA ainda promete até julho uma nova versão de entrada, mais despojada da Sport 1.8 manual, com preço estimado em R$ 66.900. Ou seja,  uma gama de modelos e de preços bastante ampla. Os dias de calmaria no mercado nacional de utilitários esportivos compactos definitivamente pertencem ao passado.

Ponto a ponto

Desempenho – O Renegade Longitude oferece duas opções de motores, ambos de origem Fiat. Com o 1.8 flex de 132 cv e 19,1 kgfm, sempre com tração frontal, tem uma proposta mais urbana e a cumpre de maneira bem satisfatória. É surpreendente o aumento do torque em baixa obtido nesse propulsor, já adotado em diversos modelos da linha Fiat. A versão diesel 2.0, com seus 170 cv e robustos 35,7 kgfm de torque, certamente permite ao modelinho um pouco mais de exuberância dinâmica  Mas pesa quase 200 kg a mais – na mesma versão Longitude, são 1.440 kg na versão flex 4X2 contra 1.636 kg na diesel 4X4. Segundo a Jeep, o zero a 100 km/h é feito em 12,6 segundos na versão Longitude flex e em 9,9 segundos na versão diesel. Nota 8. Estabilidade – Apesar da altura de 1,72 m, a versão Longitude do utilitário esportivo pernambucano demonstra firmeza. As rolagens de carroceria são controladas. A suspensão ameniza os movimentos da carroceria nos trechos esburacados e entrega um bom nível de conforto. O volante tem “peso” correto e a comunicação com as rodas é precisa. Nota 8. Interatividade – São muitos os comandos no volante e painel, mas não é difícil se adaptar a eles. Na versão Longitude, os sensores dianteiros e traseiros, além de câmara de ré, simplificam consideravelmente a tarefa de manobrar. A alavanca da transmissão automática tem boa empunhadura e os comandos são bastante precisos. Nota 8.

Consumo – Segundo a Jeep, o Renegade Longitude 1.8 E.torQ faz 15,9 km/l na estrada e 12,3 km/l em ciclo urbano, rodando com gasolina. Nota 8. Conforto – O isolamento acústico impressiona. Atrás, três ocupantes viajam – mas dois vão bem mais à vontade. A suspensão reforça o conforto e absorve, de forma eficiente, as eventuais falhas no piso. Os revestimentos interiores são agradáveis e ajudam a tornam o veículo aconchegante. Nota 8. Tecnologia – A linha Renegade oferece uma boa lista de tecnologias – as mais interessantes são restritas aos modelos diesel 4X4 e, principalmente, à versão Trailhawk. Mesmo nessa versão “top”, itens de segurança como airbags laterais, de cortina e de joelhos, tecnologias modernas como o Park Assist ou até mesmo prosaicos sensor de chuva e de ponto cego e bancos de couro são opcionais. Na versão intermediária Longitude 1.8 E.torQ avaliada, os destaques tecnológicos são as aletas para trocas de marchas no volante, ar-condicionado automático dual-zone, câmara de estacionamento traseira, sensor de estacionamento traseiro, sistema de entretenimento com USB, Bluetooth, GPS, comandos de voz e tela touch de 5 polegadas. Nota 8.

Habitabilidade – Os ajustes de volante – em altura e profundidade – e do banco são funcionais e facilitam achar uma boa posição para dirigir. O aproveitamento dos espaços é bem inteligente – uma boa herança do “lado Fiat” da FCA. O número de porta-trecos é generoso – o que é adequado à proposta “moderninha” do modelo. Os acessos são corretos e não é necessário muito esforço para entrar ou sair. O porta-malas leva restritos 260 litros. Nota 7. Acabamento – É um dos pontos altos do modelo. O interior é revestido em boa parte com materiais emborrachados e agradáveis ao toque. O volante é muito similar ao da Cherokee e os diversos detalhes estilísticos dão um toque refinado ao modelo. Nota 9. Design – Outra “bola dentro” do pequeno SUV pernambucano. O novo Jeep ganhou características estéticas bastante joviais e modernas. E evoca até nos mínimos detalhes a identidade da marca. É o tipo de carro que impressiona melhor ao vivo do que nas fotografias – nas fotos, normalmente parece menor do que é. Nota 9.
Custo/benefício – Os preços do Renegade variam dos R$ 69.900 na versão Sport 1.8 manual aos R$ 116.900 na versão Trailhawk 2.0 – todas oferecem diversos opcionais e podem atingir valores bem acima dos iniciais. Está longe de ser barato, mas traz uma gama grande de preços e deve manter o novo modelo competitivo no segmento, que assistirá esse ano a uma verdadeira enxurrada de lançamentos. A versão Longitude 1.8 E.torQ flex FWD avaliada começa em R$ 80.900 – mas pode ir bem além disso se adicionar seus diversos opcionais. Nota 6. Total – O Jeep Renegade Longitude 1.8 E.torQ flex FWD somou 80 pontos em 100 possíveis.

Primeiras impressões

Rio de Janeiro/RJ - Na briga com os SUVs compactos de marcas generalistas, o Renegade sai na frente por ser um Jeep. Em um segmento de mercado onde o espírito aventureiro é a mais importante ferramenta de marketing, a longa tradição da marca americana certamente vai pesar. Além disso, o Renegade tem atributos para ser um adversário bem “mordedor”, que irá realmente incomodar a concorrência. O modelo mais avaliado em seu verdadeiro habitat – os circuitos urbanos – foi o intermediário Longitude 1.8 E.torQ flex FWD. A expectativa da Jeep é que a versão Longitude seja a mais vendida. A opção com câmbio automático testada é também a versão mais bem equipada com a motorização flex. Nas ruas da Zona Sul carioca, o novo Jeep chamou bastante a atenção. Ao fugir um pouco do circuito previsto para a apresentação, foi possível encarar ladeiras íngremes e até trechos enlameados e cheios de buracos. Não faltaram também engarrafamentos e grandes avenidas, que permitiram retomadas mais vigorosas. Em todas as diferentes demandas urbanas, o modelo se saiu bastante bem. É um compacto agradável de dirigir, com bom comportamento dinâmico e um interior bastante agradável e aconchegante.
No circuito off-road, o modelo pôde exibir as inequívocas habilidades off-road dos modelos diesel dotados de tração 4X4. Embora pensado para o uso mais urbano, o jipinho está longe de fazer feio nas trilhas. Os sistemas eletrônicos tradicionais da marca, como o Select Terrain, se mostram efetivos nesse modelinho leve e de entre-eixos curto em relação aos outros modelos da linha. Dividido entre as versões flex 4X2 e as diesel 4X4, o Renegade aumentou tanto a sua abrangência que é praticamente dois modelos distintos sob uma única denominação. Um Renegade assume o aspecto mais urbano e o outro, o espírito mais radical. De um jeito ou de outro, não restam dúvidas. O Renegade é um Jeep de verdade.

Ficha técnica

Jeep Renegade

Motor 1.8: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.747 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas ou automático de seis velocidades à frente e uma a ré. Tração dianteira. Oferece controle de tração.
Potência: 130 cv com gasolina e 132 cv com etanol a 5.250 rpm.
Torque máximo: 18,6 kgfm com gasolina e 19,1 kgfm com etanol a 3.750 rpm.
Aceleração 0-100 km/h: 10,8 segundos com gasolina e 10,2 s com etanol com transmissão manual. 12,6 segundos com gasolina e 11,5 com etanol com transmissão automática.
Velocidade máxima: 180 km/h com gasolina e 182 km/h com etanol com câmbio manual e 179 km/h com gasolina e 181 km/h com etanol com câmbio automático.
Diâmetro e curso: 80,5 mm x 85,8 mm.
Taxa de compressão: 12,5:1.
Motor 2.0: Diesel, dianteiro, transversal, 1.956 cm³, turbo, quatro cilindros em linha e quatro válvulas por cilindro. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio manual automático de nove velocidades à frente e uma a ré. Tração integral. Oferece controle de tração.
Potência: 170 cv a 3.750 rpm.
Torque máximo: 35,7 kgfm a 1.750 giros.
Aceleração 0-100 km/h: 9,9 segundos.
Velocidade máxima: 190 km/h.
Diâmetro e curso: 83 mm x 90,4 mm.
Taxa de compressão: 16,5:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, braços oscilantes inferiores com geometria triangular e barra estabilizadora, amortecedores hidráulicos e pressurizados e molas helicoidais. Traseira independente do tipo McPherson, links transversais/laterais, barra estabilizadora, amortecedores, hidráulicos e pressurizados e molas helicoidais.  
Pneus: 215/65 R16 (Sport) e 215/60 R17 (Longitude).
Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Utilitário compacto em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. 4,23 metros de comprimento, 1,80 m de largura, 1,66 m de altura e 2,57 m de entre-eixos.
Peso Sport MT5: 1.393 kg.
Peso Sport AT6: 1.432 kg.
Peso Longitude AT6: 1.440 kg.
Peso Sport 2.0: 1.629 kg.
Peso Longitude 2.0: 1.636 kg.
Peso Trailhawk 2.0: 1.674 kg.
Capacidade do porta-malas: 260 litros (1.300 litros com bancos rebatidos).
Tanque de combustível: 60 litros.
Lançamento mundial: 2014.
Lançamento no Brasil: 2015.
Produção: Goiana, Pernambuco.

Itens de série

Sport AT5: Ajuste do volante em altura e profundidade, apoia-braço com porta-objetos, ar-condicionado, banco do motorista com regulagem de altura, banco traseiro bipartido 60/40 e rebatível, bolsa porta-objetos atrás dos bancos dianteiros, chave canivete com telecomando, cinto traseiro central de 3 pontos, cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura, volante multifuncional, computador de bordo, controle eletrônico anticapotamento, estabilidade e tração, direção elétrica, encosto de cabeça central, espelhos retrovisores elétricos, cruise control, freio de estacionamento elétrico, hill assist, faróis e lanterna traseira de neblina, estepe full size, limpador e desembaçador dos vidros traseiros, ganchos de fixação de carga no porta-malas, Isofix, luzes diurnas, maçanetas externas e retrovisores em acabamento preto, para-sol com espelhos cortesia, Panic Break Assist, pavimento do porta-malas com revestimento duplo, porta-óculos, quadro de instrumentos com tela TFT de 3,5 polegadas, rádio integrado ao painel com RDS e porta USB, repetidor lateral nos retrovisores, retrovisores externos elétricos, transmissão manual de cinco velocidades, rodas de liga leve de 6 polegadas, sensores de estacionamento traseiro, vidros elétricos nas 4 portas com one-touch, sistema de áudio com 6 alto-falantes, USB e Bluetooth.
Preço: R$ 69.900
Sport AT6: adiciona câmbio automático de seis marchas.
Preço: R$ 75.900
Longitude (1.8 e 2.0): adiciona rack do teto na cor preta, rodas de liga leve de 17 polegadas, sistema de áudio com tela de 5 polegadas sensível ao toque e comando de voz, sistema de navegação GPS, tapetes de borracha, porta-objetos sob o assento do banco do passageiro, tomada 12V, tomada 12V no porta malas, revestimento externo nas colunas das portas e volante com acabamento em couro.
Preço: R$ 80.900 (1.8 AT6) e R$ 109.900 (2.0 4X4 AT9).
Sport 2.0: itens da Sport 1.8 + seletor para 4 tipos de terreno e revestimento externo nas colunas das portas.
Preço: R$ 99.900.
Trailhawk: itens da Longitude + seletor para 5 tipos de terreno, sensor de chuva, pneus 215/60 all-terrain, retrovisor eletrocrômico, rack do teto na cor cinza, protetor de cárter, de transmissão, de tanque e de diferencial, suspensão off-road com altura mais elevada do solo e painel de instrumentos em TFT colorido de 7 polegadas.
Preço: R$ 116.990.
Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira (Auto Press)
Fotos: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias

Nome próprio - Na briga com os SUVs compactos de marcas generalistas, Renegade aposta no “status” de ser um Jeep

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes

25 de mar de 2015

Ford apresenta nova picape Ranger na Tailândia

Ford apresenta nova picape Ranger na Tailândia

Projetadas para uso profissional, esportivo e rural, as picapes cada vez mais ganham “status” de carro de passeio. Principalmente por incorporarem diversos itens de conforto, segurança e entretenimento, que normalmente são aplicados a modelos de uso familiar. Caso da nova Ford Ranger, apresentada nesta semana na Tailândia, que passou por uma renovação estética e de conteúdo. E, agora, conta com mais tecnologia embarcada.

Veja também:

  • Ford lança vídeo apresentando as mudanças na nova Ford Ranger
  • Ford Ranger 2016 mostra novo visual
Na dianteira, a grade adota o formato hexagonal proposto pela nova identidade visual da Ford, que lembra uma boca. O conjunto óptico foi atualizado – assim como o para-choque – e segue uma forma mais fina. Na traseira, a única alteração perceptível é uma leve modernização na lanterna. O resultado é um aspecto um pouco menos robusto, mas bem mais elegante.

As grandes novidades, porém, estão dentro da cabine da picape. Ela ganha novos painel de instrumentos e versão da central multimídia Sync, com tela sensível ao toque de oito polegadas, GPS e comandos por voz. A partir do sistema, o motorista pode executar controles de climatização, entretenimento e navegação sem precisar usar as mãos. Há ainda uma tomada veicular capaz de recarregar um notebook, o que facilita para quem pretende usar a picape profissionalmente.

A direção, que era hidráulica como no Brasil, passa a ser elétrica. A segurança é reforçada – assim como a nova vocação urbana – com controle de cruzeiro adaptativo, monitor de ponto cego, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, monitor de pressão dos pneus, sistema de alerta de condução sonoro – que detecta comportamento inadequado do motorista quando este possa estar distraído ou até dormindo –, alerta de mudança de faixa com vibração no volante, assistente de rampa para aclives e declives e controle de carga adaptável, que ajusta o controle eletrônico de estabilidade com base na carga do veículo.

Na motorização, permanecem as opções a gasolina e diesel já disponíveis no modelo vendido por aqui. A gasolina, é o 2.5 litro Duratec de 173 cv e torque de 24,8 kgfm – que no Brasil é flex. As versões com propulsor diesel podem receber o 2.2 litros de 150 cv e 38,2 kgfm ou o 3.2 litros de 200 cv e 47,9 kgfm. Dependendo do mercado, a marca norte-americana pretende oferecer ainda uma variante do propulsor diesel 2.2 com 130 cv. A transmissão pode ser automática ou manual de seis velocidades. Mas o grande diferencial é a adoção da tecnologia start/stop, que desliga o motor nas paradas, como nos sinais vermelhos. De acordo com a Ford, é possível conseguir uma economia de até 22% de combustível com a novidade.

A nova Ranger chega ao mercado asiático já no segundo semestre. A Europa só deve receber a linha 2016 no ano que vem e, pelo menos por enquanto, não há previsão de chegada ao Brasil, de acordo com a marca. Mas como as unidades vendidas por aqui vêm da Argentina e a previsão é de que a produção da Ranger com face-lift comece por lá em 2016, é provável que seu desembarque nacional seja ainda em 2016.
Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Divulgação

Tamanho família - Ford exalta versatilidade da Ranger em face-lift apresentado na Tailândia

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Prévias

Jeep Renegade brasileiro tem preço a partir de R$ 66.900

Jeep Renegade brasileiro tem preço a partir de R$ 66.900

Depois de muita espera e bastante especulação em relação aos preços que teria no Brasil, o Jeep Renegade foi lançado oficialmente nesta terça-feira, 22, no Rio de Janeiro. Com praticamente todos os detalhes sobre versões e motorização já divulgados antecipadamente, a boa surpresa do lançamento foi a confirmação de que o Renegade terá ainda uma versão mais barata, o que deve acontecer no próximo mês de junho. O anúncio da versão de entrada, que vai custar R$ 66.900,  serviu para atenuar o impacto dos preços um pouco acima do que era esperado para o Renegade brasileiro.  Com três versões de acabamento, duas opções de motor e três transmissões, o Renegade chega às lojas brasileiras no início de abril. Por hora, a versão mais barata é a Sport 1.8 Flex 4X2, que sai por R$ 69.900. O motor é o mesmo que equipa os modelos da Fiat, mas que recebeu novas calibragem e assinatura: no Renegade é chamado de 1.8 E-torq Evo Flex. Já a transmissão é manual de cinco marchas, mas tem como opcional a automática de seis velocidades. Como era esperado, o Renegade tem padrão de acabamento e conteúdo acima da média para o segmento, o que acaba servindo como justificativa para os preços mais elevados. Todas as versões contam com recursos como freio de estacionamento elétrico, direção com assistência elétrica, controle eletrônico de estabilidade, auxílio de partida em rampa, ar-condicionado, sistema de som com entradas auxiliares e bluetooth. Nas versões superiores, traz sistema multimídia com tela com comandos por toque, câmera de ré, navegador, detector de ponto cedo, faróis de xênon, entre outros.  A versão topo de linha, a Trailhawk, fecha a conta com tudo o que este Jeep compacto tem para entregar. Um grande diferencial, sem dúvida, é o motor 2.0 MultiJet II turbodiesel  de 170 cavalos de potência e 35,7 Kgfm de torque, e que vem acompanhado da transmissão automática de 09 velocidades. Isso significa que é possível, por exemplo, acelerar a 100 Km/h com o motor trabalhando abaixo dos 1.500 giros. Além do sossego, ele consome menos e garante autonomia bem maior.   Mas como um autêntico Jeep, como os executivos fazem questão de lembrar, cumpre a promessa de fazer bonito no fora-de-estrada com o sistema de tração 4X4 Jeep Active Drive Low. No modo automático, o conjunto pode cortar a tração traseira quando não há necessidade de utilizar a força integral. Pra completar, oferece ainda o sistema Select-Terrain, onde o motorista tem disponível quatro modos de operação: automático, areia, lama ou pedras. Veja os preços do Jeep Renegade: Jeep Renegade Sport 1.8 flex manual                                     R$ 69.900 Jeep Renegade Sport 1.8 flex automática                                R$ 75.900 Jeep Renegade Sport 4x4 2.0 turbodiesel automática 9          R$ 99.900 Jeep Renegade Longitude 1.8 flex automática 6                      R$ 80.900 Jeep Renegade Longitude 4x4 2.0 turbodiesel automática 9   R$ 109.900 Jeep Renegade Trailhawk 4x4 2.0 turbodiesel automática 9    R$ 116.900  *repórter viajou a convite da Jeep.


Depois de muita espera e bastante especulação em relação aos preços que teria no Brasil, o Jeep Renegade foi lançado oficialmente nesta terça-feira, 22, no Rio de Janeiro....

Fonte: Terra
Categoria: Carros Motos

Teste do Chevrolet Onix Effect

Teste do Chevrolet Onix Effect

O Chevrolet Onix é um “case” de sucesso no mercado brasileiro de automóveis. Lançado em novembro de 2012, o hatch compacto caiu rápido no gosto do público. Os números mostram isso. O modelo fechou 2014 como o terceiro carro de passeio mais vendido em território nacional. Foram exatas 150.829 unidades emplacadas. Ficou atrás apenas do Fiat Palio – 183.741 – e do Volkswagen Gol – 183.356. E 2015 aponta para mais um ano de êxito. Em janeiro, o Onix subiu um posto e registrou o segundo lugar nas vendas, atrás apenas do hatch da Fiat. E ao contrário de outras fabricantes, a marca norte-americana não criou logo de cara uma variante aventureira – como tornou praxe no segmento – para tentar alavancas os números. A General Motors remou contra a maré e optou por explorar primeiro a esportividade. Em novembro de 2014, contemplou o Onix com a versão Effect.

Veja também:

  • Vídeo: Chevrolet apresenta série especial Effect - Agile e Sonic
Assim como nos descontinuados Sonic e Agile – os primeiros a receberem esse mesmo pacote de personalização esportiva –, a GM fez apenas mudanças estéticas no Onix Effect. A grade dianteira e os retrovisores ganharam um tom preto – e os faróis, máscara negra. Há ainda luzes de neblina, lanternas com detalhes escurecidos, rodas de 15 polegadas em tom grafite calçadas em pneus 185/65, além de decalques coloridos no capô, nas laterais e na tampa do porta-malas. A versão ainda é identificada pela inscrição “Effect” na lateral. Outro destaque é o teto totalmente em preto brilhante destoando da carroceria, que pode vir em branco “Summit” ou vermelho “Pepper”. Na traseira, uma espécie de difusor também pode ser visto. A imagem esportiva do Onix Effect continua no habitáculo. O volante é emprestado do finado Agile e tem uma empunhadura mais espessa e também a base reta, além de ser multifuncional. O interior conta com uma previsível cor vermelha – que está sempre associada à ideia de esportividade. O tom está presente no volante, as molduras das saídas de ar no painel, as costuras do couro da alavanca de câmbio e também dos bancos. Há ainda tapetes bordados e quadro de instrumento com grafismo alusivo à versão. Toda esportividade encontrada no Onix fica restrita ao design. Sob o capô, está o modesto motor bicombustível 1.4 litro. Ele produz máximos 106 cv a 6 mil rpm e 13,9 kgfm a 4.800 giros de torque com etanol. Abastecido com gasolina, os números caem para 98 cv e o torque fica em 13 kgfm – nos mesmos regimes. O propulsor vem exclusivamente acoplado a uma transmissão manual de cinco marchas. Isso ajuda na hora de cumprir o zero a 100 km/h, que fica em 10,4 e 10,5 segundos com etanol e gasolina, respectivamente. A velocidade máxima é de 180 km/h, independentemente do combustível no tanque.

O visual “nervosinho” do Onix Effect não reflete no desempenho, e nem na tabela de preço. Mesmo com os apliques estéticos, o hatch custa os mesmos R$ 50.330 da versão em que se baseia, a topo de linha LTZ. Traz de série ar-condicionado, direção hidráulica, banco do motorista com regulagem de altura, alerta para esquecimento do cinto de segurança, travas e vidros elétricos dianteiros com comando na chave e a central multimídia My Link.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 1.4 litro com potência máxima de 106 cv e torque de 13,9 kgfm consegue mover o Onix Effect sem grandes dificuldades. Mas não a ponto de dar uma performance digna que todo incremento visual da versão sugere. Em determinadas situações – acelerações e retomadas –, a baixa litragem do propulsor fica evidente. É preciso recorrer ao câmbio manual que, pelo menos, tem bons engates. Nota 7. Estabilidade – O Onix Effect é bem resolvido nessa questão. A aderência do hatch nas curvas é suficiente para manter a sensação de segurança de quem vai ao volante. A direção é bem direta, mas a suspensão macia desestimula uma “tocada” mais encorajada. Mais uma vez a esportividade fica só a cargo da estética. Nota 7. Interatividade – A maior vedete do Onix é o sistema multimídia My Link, que é fácil de usar e tem comandos autoexplicativos. Já a localização dos botões dos vidros e dos puxadores das portas é excessivamente recuada e difícil de “achar” sem olhar. A do ajuste dos retrovisores elétricos na coluna é muito à frente. Um sensor de estacionamento seria bem-vindo, mas não é disponível de série na versão. Nota 7.

Consumo – A Chevrolet não participa do Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro. No entanto, o computador de bordo do Onix Effect acusou uma boa média de 11,7 km/l de gasolina em circuito predominantemente urbano. Nota 8. Conforto – Espaço não é ponto forte de qualquer hatch compacto. Mas o Onix Effect tem uma boa área para quatro passageiros – a adição de um quinto elemento causa apertos. Os bancos são condizentes com a proposta e o isolamento acústico deixa o habitáculo silencioso mesmo em velocidades maiores. A suspensão é macia e eficiente ao livrar os ocupantes de batidas secas e das imperfeições das ruas brasileiras. Nota 8. Tecnologia – A plataforma Global Small Vehicle (GSV) – compartilhada com Cobalt, Spin, Prisma e Sonic – é moderna e garante o espaço interno. Além disso, o carro traz o popular sistema multimídia MyLink, que é simples, mas funcional. O propulsor, porém, é antigo, ainda que bastante revisado, e os vidros traseiros são manuais. Nota 7. Habitabilidade – O fácil acesso é garantido pelo amplo ângulo de abertura das portas. O Onix Effect oferece bons espaços para o motorista e passageiros repousarem seus objetos pessoais. A pegada do volante também agrada. Mas para um carro com proposta esportiva, a posição de condução é um tanto quanto “altinha”, mesmo com a regulagem de altura do banco na posição mais baixa. O porta-malas leva o padrão da categoria: 280 litros. Nota 8.

Acabamento – Versões esportivas costumam ter no habitáculo cores chamativas no painel e cintos de segurança ou detalhes que fazem o habitáculo ficar exagerado. Mas a Chevrolet acertou na dose e colocou apenas um tom de vermelho – quase vinho – no volante, nas molduras das saídas de ar, bancos e costuras da alavanca da transmissão. Combinando com plásticos pretos já existentes, com materiais justos e bons arremates, a receita ficou balanceada. Nota 8. Design – O visual do Onix já era interessante, mas comportado. Na versão Effect, a Chevrolet tentou dar mais personalidade ao carro com adesivos, saias laterais, para-choques com desenhos mais esportivos, um pequeno spoiler e até um extrator traseiro. Nada de exageros e o resultado é uma estética de acordo com a proposta. Nota 8. Custo/benefício – O Chevrolet Onix Effect custa R$ 50.330 – o mesmo valor da versão LTZ com design “civil”. Na mesma lógica, o Fiat Uno Sporting parte de R$ 41.650 equipado com motor 1.4, porém de máximos 88 cv e 12,5 kgfm de torque. Já o Palio Sporting começa em R$ 48.373, mas vem com motor 1.6 de 117 cv. Mas os carros da Fiat não trazem nenhuma espécie de central multimídia com o My Link presente no Onix Effect. Nota 6. Total – O Chevrolet Onix Effect somou 74 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

Para compor o personagem esportivo do Onix, a Chevrolet instalou saias laterais, para-choques mais robustos e uma espécia de difusor na traseira. A GM aproveitou e escureceu as rodas, os retrovisores, a grade, o teto e os faróis ainda adotam máscara negra. A “rebeldia” resultou ainda em “tatuagens”, que podem ser vistas no capô, portas e porta-malas.
Como em toda mudança de conceito, uma preparação interna precisa ser feita. E no Onix Effect resultou em um acabamento com toques de vermelho em diversos pontos do habitáculo, mas sem exageros. O volante, proveniente do Agile, é de melhor pegada e a base reta dá maior segurança ao efetuar curvas mais fechadas. Ele ainda traz botões que controlam o sistema My Link e permitem o condutor mudar as estações do rádio e fazer ou aceitar ligações telefônicas. Porém, essa composição do Onix Effect não é nada radical. A dinâmica do acertado hatch segue intacta. O “manjado” motor 1.4 litro de máximos 106 cv e 13,9 kgfm de torque é honesto, mas não garante ao motorista se sentir dentro de um dos filmes da série “Velozes e Furiosos”. A suspensão é outro item que joga contra a esportividade. Ela é ótima para filtrar as lunáticas ruas do Brasil, mas fica devendo em uma tocada mais entusiasmada. Para um uso pacato, o propulsor e a transmissão manual de cinco marchas são suficientes para encarar o trânsito nas cidades. A direção tem peso correto e a embreagem é sutil, assim como os engates do câmbio. O Onix Effect é um cordeiro em pele de lobo.

Ficha técnica

Chevrolet Onix Effect


Motor: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.389 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Injeção multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
Potência máxima: 106 e 98 cv a 6 mil rpm com etanol e gasolina.
Torque máximo: 13,9 e 12,9 kgfm a 4.800 rpm com etanol e gasolina.
Aceleração de 0 a 100 km/h: 10,4 e 10,5 segundos com etanol e gasolina.
Velocidade máxima: 180 km/h.
Diâmetro e curso: 77,6 mm X 73,4 mm.
Taxa de compressão: 12,4:1.
Pneus: 185/65 R15.
Peso: 1.063 kg.
Transmissão: Câmbio manual de cinco à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle de tração.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais com carga lateral, amortecedores telescópicos e barra estabilizadora. Traseira semi-independente com eixo de torção, molas helicoidais e amortecedores telescópicos hidráulicos.
Freios: Discos na frente e tambor atrás. ABS de série.
Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,93 metros de comprimento, 1,70 m de largura, 1,48 m de altura e 2,52 m de distância entre-eixos. Oferece airbag duplo de série. 
Capacidade do porta-malas: 280 litros.
Tanque de combustível: 54 litros.
Produção: Gravataí, Rio Grande do Sul.
Itens de série: Airbags frontais, freios ABS, banco do motorista com ajuste de altura, direção hidráulica, chave canivete, direção com ajuste de altura, vidros, travas e retrovisores elétricos, alarme, faróis com máscara negra, lanternas escurecidas, rodas de liga leve em 15 polegadas, ar-condicionado, faróis de neblina, My Link, controlador de velocidade de cruzeiro e computador de bordo. 
Preço: R$ 50.330.
Raphael Panaro (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/Carta Z Notícias

Efeito especial - Chevrolet Onix ganha apelo esportivo na versão Effect, mas motor 1.4 não garante o aumento da adrenalina

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes